sáb abr 13, 2024
sábado, abril 13, 2024

Rechaçamos qualquer intervenção militar estrangeira no Haiti!

O povo haitiano vem protagonizando uma verdadeira rebelião social, há semanas, devido à situação de vida insustentável da maioria da população, com o aumento dos preços dos combustíveis, alimentos, enorme corrupção e violência. Em outro texto [1] descrevemos em detalhes o contexto haitiano que levou à atual explosão social. Nas últimas semanas, a situação na cidade piorou ainda mais com um novo surto de cólera que ameaça se transformar rapidamente em uma epidemia. Vale lembrar que a cólera foi reintroduzida no país há alguns anos pelas tropas da ONU e causou a morte de mais de 10 mil pessoas, depois de ter sido erradicada por décadas.

O governo haitiano está por um fio há várias semanas e exige uma nova intervenção militar dos Estados Unidos e da ONU. Sabem que a fraca (mas muito violenta) polícia haitiana não é suficiente para conter a revolta popular e os grupos criminosos armados que tomaram partes de Porto Príncipe, como o principal terminal de descarga de produtos petrolíferos, o terminal de Varreaux . O caso do exército é semelhante, pois as Forças Armadas do Haiti estão apenas sendo reconstruídas após serem dissolvidas na década de 1990 por ordem dos Estados Unidos.

Na última reunião do Conselho de Segurança da ONU (17/10) o assunto foi discutido, mas ainda não há resolução sobre uma nova intervenção militar.[2] Embora haja acordo entre todos os países de que é necessário implementar sanções econômicas contra os líderes de grupos criminosos, como o Barbecue (Jimmy Chérizier, do G9), não há acordo quanto a uma nova intervenção militar. A Rússia e a China levantaram questões sobre a eficácia de uma nova ocupação, que poderia aumentar ainda mais a agitação social e a oposição ao governo. Por sua vez, os Estados Unidos propuseram uma solução diferente, uma intervenção militar rápida e precisa, fora da ONU, para apoiar o governo e a polícia haitiana. Nos próximos dias, provavelmente haverá alguma decisão. A ONU ainda mantém pessoal civil e militar (em pequeno número) no país.

 A rejeição de uma nova ocupação é bastante ampla entre o povo haitiano. No próprio dia 17, enquanto a ONU discutia uma nova intervenção, uma grande manifestação convocada pelo partido Pitit Dessalines (nacionalista burguês) tomou as ruas de Porto Príncipe rechaçando uma nova ocupação.[3] Recentemente, um comunicado também foi publicado pela Plataforma de Luta Política dos Trabalhadores (KLPT), onde estão os companheiros de Batay Ouvriyé, rechaçando uma nova ocupação militar.

 A Liga Internacional dos Trabalhadores se posiciona totalmente contra uma nova ocupação militar, seja pela ONU ou pelos Estados Unidos em coalizão com outros países. O povo haitiano tem direito à soberania nacional e a resolver seus próprios problemas e crises. Chamamos a todas as entidades da classe trabalhadora: sindicatos, partidos e movimentos sociais para que se manifestem categoricamente contra qualquer intervenção militar no Haiti.

Apoiamos também todas as iniciativas que surgem da classe operária e do povo haitiano que buscam recuperar a soberania do país, retirar Ariel Henry da presidência do país e buscar uma solução que passe pelo poder da classe operária, do povo e os agricultores. Mais do que nunca é preciso se organizar democraticamente e com autodefesa para enfrentar a repressão estatal, o imperialismo e as quadrilhas criminosas armadas que estão a serviço de setores do empresariado haitiano.

Toda solidariedade ao povo haitiano!

Fora a ONU do Haiti! Rechaçamos uma nova ocupação militar estrangeira no Haiti!

Fora Ariel Henrique! Todo o poder à classe operária e ao povo haitiano!

________________________________________

[1] https://litci.org/es/una-nueva-rebellion-de-masas-shakes-haiti/

[2] https://media.un.org/en/asset/k1z/k1z3rdvvfs

[3] https://lenouvelliste.com/article/238578/des-manifestants-dans-les-rues-de-port-au-prince-ce-17-octobre

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares