qui jul 18, 2024
quinta-feira, julho 18, 2024

Uruguai| Retirada das tropas do Congo!

Há uma semana o Congo vive protestos contra a ocupação da ONU, presente no país desde 1999 pisoteando a soberania e sendo responsável pela violência e repressão contra o povo. Os manifestantes, principalmente jovens, apedrejaram e incendiaram as bases militares e exigem a saída da missão. Esta respondeu assassinando mais de 15 manifestantes.

Por: IST Uruguai

A hipocritamente denominada “missão de paz”, não tem nada de humanitária. Seu objetivo é garantir a escravidão dos trabalhadores e o saque a serviço do imperialismo e das multinacionais como Siemens, Ericsson, Nokia, entre outras, dos recursos naturais do país como o coltan, fundamental para a produção de produtos eletrônicos e do qual o Congo tem 80% das reservas mundiais.

O Uruguai, vergonhosamente, colabora nessa tarefa desde 2001 com a presença de mais de 1.000 efetivos dos 14.000 totais. No Natal passado, o presidente Lacalle Pou junto com o ministro da Defesa Javier García e o subsecretário Rivera Elgue, do ultradireitista Cabildo Abierto, foram ao país comer churrasco e “celebrar” a “honrosa” presença uruguaia nesta deplorável tarefa como lacaios do imperialismo.

Durante os 15 anos de governos da Frente Ampla, longe de por um fim à presença militar uruguaia, lamentavelmente a fortaleceu, como no Haiti, “esquecendo” a histórica posição anti-imperialista da esquerda pela autodeterminação dos povos.

A Esquerda Socialista dos Trabalhadores expressa nosso incondicional apoio à rebelião congolesa e compartilhamos profundamente o ódio popular contra a ocupação assassina da ONU.

O Plenário Intersindical dos Trabalhadores-Convenção Nacional de Trabalhadores (PIT-CNT), retomando a tradição de solidariedade proletária internacional, deveria convocar agora mesmo a mobilização para exigir do governo a retirada imediata das tropas uruguaias do Congo e acabar com sua vergonhosa e criminosa tarefa.

  • Viva a rebelião dos congoleses!
  • Retirada imediata das tropas uruguaias e de toda a missão!
  • Pela autodeterminação do povo congolês!

Tradução: Lilian Enck

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares