sex ago 12, 2022
sexta-feira, agosto 12, 2022

Declaração conjunta: justiça para Moïse Kabagambe! Basta de violência racista e xenófoba!

No último dia 24 de janeiro, o jovem Moïse Mugenyi Kabagambe, de apenas 24 anos, foi brutalmente assassinado pelo seu chefe e capangas na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Moïse, refugiado congolês, trabalhava no quiosque Tropicália, e foi assassinado por nada mais do que cobrar o pagamento atrasado de duas diárias de trabalho

Declaração conjunta : Consciência Negra | Em Luta | Femafro*

A morte de Moïse é fruto da violência, do racismo e da xenofobia. O jovem, que deixou o Congo em virtude da guerra com apenas 11 anos de idade, foi espancado com socos, pontapés e ao menos 30 pauladas, com extrema crueldade.

O racismo e a xenofobia são agravados pela exploração capitalista, que coloca África e os africanos numa condição subhumana. Relembramos que o Congo, país arrasado por uma rapina permanente do imperialismo norte-americano, europeu e chinês, teve o conflito mais mortífero pós 2ª Guerra Mundial. Apesar da riqueza da extração de minerais como o lítio e o bauxito, uma elevada percentagem da população vive abaixo do limiar da pobreza. Enquanto isso, a classe capitalista congolesa, herdeira de Mobutu e dos Kabilas, continua a sugar o sangue dos locais em disputas entre senhores da guerra e outros poderes locais, como o de Paul Kagame, herói autorizado do imperialismo que cumpriu um papel criminoso na 2ª Guerra Congolesa.

Para muitos jovens congoleses a única opção é a emigração, por rotas dominadas pelo tráfico em todo o mundo e que os levam a uma situação extremamente vulnerável e isolada nos países onde acabam por ser explorados. Moïse no Brasil encontrou o trabalho ultra precário, sem registo e sem quaisquer direitos, e foi assassinado ao cobrar o mínimo do mínimo: o salário pelos dias trabalhados. No Brasil e no mundo, a violência racista e xenófoba continua a tirar vidas negras e imigrantes.

A história de Moïse retrata a verdadeira cara do capitalismo, a verdadeira cara da farsa “humanitária”, e o drama ao qual milhões de africanas e africanos são fadadas ao nascimento. Há registo, nos últimos anos, de outros quatro imigrantes congoleses assassinados pela violência racista e xenófoba no Brasil – sem apuração e justiça.

Desde Portugal, expressamos toda a solidariedade à família de Moïse e às comunidades congolesas e imigrantes no Brasil. Repudiamos a violência racista que o Estado brasileiro promove diariamente,  herança dos séculos de colonização e escravatura pelos quais até hoje não houve reparação, e que é hoje fortalecida pela ofensiva ultra reaccionária e a guerra aos pobres que o governo genocida de Jair Bolsonaro impõe.

Basta de violência racista e xenófoba!

Vidas negras importam!

Apuração dos responsáveis e justiça para Moïse Kabagambe!

Legalização, direito ao trabalho e a direitos sociais e laborais para todos os imigrantes!

DECLARAÇÃO CONJUNTA : Consciência Negra | Em Luta | *Femafro (Associação de Mulheres Negras, Africanas e Afrodescendentes em Portugal)

 

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares