Foi realizado durante o feriado da Pascoa o VI Congresso Nacional do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado, o PSTU, fundado em 1994, e que este ano completa 14 anos de uma existencia de lutas e de defesa do socialismo em todo o mundo.

Foi um grande congresso, com muitos debates e discussoes, refletindo a intervencao e a experiencia acumulada pela militancia nas lutas, nas greves, nas campanhas salariais, nos locais de trabalho e de estudo e na organizacao da nossa classe, em especial na rica experiencia de construcao da Conlutas junto com varios setores.

Nao foram poucos os momentos de emocao do Congresso, quando, por exemplo, lembramos nossos camaradas que tombaram em nome da construcao do partido revolucionario e das lutas dos trabalhadores, como Ze Luis e Rosa Sundermann, o companheiro Gildo de Brasilia e o companheiro Nelsinho, bancario do Rio de Janeiro. Ou ainda quando foram lidas as saudacoes de varias organizacoes irmas a nivel internacional que saudavam nosso congresso e falavam da importancia da construcao do PSTU para suas lutas e para sua militancia e como cada uma de nossas vitorias e derrotas eram suas tambem.

Estiveram presentes delegados de norte a sul do pais, alem de militantes de organizacoes irmas na Venezuela, Argentina e Bolivia alem de uma delegacao da Liga Internacional dos Trabalhadores – Quarta Internacional. Os delegados (as) do Congresso eram operarios metalurgicos, petroleiros e da construcao civil, funcionarios publicos, professores, bancarios, condutores, metroviarios, estudantes de universidades e de escolas secundaristas, eleitos democraticamente em organismos pelos militantes do partido.

A democracia partidaria


O PSTU realiza congressos a cada dois anos, onde se discute e se vota a politica a ser aplicada, suas tarefas para o periodo e elege sua direcao.
Antes do congresso vivemos um amplo e rico momento de elaboracao coletiva e debates em todos os organismos partidarios que durou oito meses. Alem dos documentos da Direcao Nacional, foram publicados 15 boletins internos de discussoes com mais de 40 textos escritos pela militancia e distribuidos para discussao com toda a militancia. Houve um debate importante, com polemicas interessantes. As posicoes diferentes da direcao tiveram todas as possibilidades de serem conhecidas e debatidas livremente por todos os militantes. Depois das discussoes, os delegados eleitos pela base votam e determinaram os rumos do partido para os proximos dois anos. Ao se votar as posicoes, todos aplicam a mesma politica e o partido sai unificado para luta contra a patronal e o governo com uma so politica e nao dividido em varias posicoes.

Esse funcionamento e completamente diferente dos partidos stalinistas, como o PCdoB, onde aqueles que defendem posicoes contrarias as da direcao sao expulsos sem que possam debater suas opinioes. Tambem e muito diferente das organizacoes de funcionamento social democrata, como e o caso do PT e do PSOL. Nesses partidos cada um faz o quer, e existe uma falsa “liberdade”. Falsa porque, na verdade, quem determina a politica do partido nao e a base nos congressos, mas suas figuras publicas que tem acesso a imprensa (em geral os parlamentares). Por exemplo, o ultimo congresso do PSOL votou uma posicao a favor do direito ao aborto, mas a maior figura publica deste partido, Heloisa Helena, faz campanha contra o aborto, diferente do que a base votou. Ou seja, nao existe democracia porque nao e a base que determina a politica do partido.

O debate no congresso


Os temas em debate foram muitos. No ponto internacional, conclusoes sobre o Leste Europeu, a evolucao da crise economica, a luta contra o imperialismo. Reafirmamos tambem nossa politica de oposicao ao governo venezuelano de Hugo Chavez que, mais do que nunca, mostra sua verdadeira face autoritaria reprimindo os operarios da Sidor.

O congresso reafirmou nossa politica de combate ao governo de frente popular de Lula, que segue causando uma enorme confusao na cabeca dos trabalhadores na medida em que e um ex-operario que esta a frente do governo. Essa situacao exige de nos uma politica de combate o governo e ao mesmo tempo que expliquemos pacientemente aos trabalhadores que este nao e o seu governo e sim dos patroes.

Reafirmou a necessidade do partido apoiar com tudo a construcao e massificacao da Conlutas como uma alternativa de organizacao para o movimento de massas e a importancia do seu primeiro congresso para a classe trabalhadora brasileira.
Os militantes discutiram tambem a atuacao dos revolucionarios nos sindicatos e o combate a burocratizacao que existe hoje no interior destes organismos, e que impede a organizacao de base e corrompe muitos dirigentes.

Sobre a construcao do partido, votamos resolucoes buscando nos aproximar cada vez mais de um partido do tipo bolchevique, com fronteiras claras, de militantes conscientes, e buscando avancar em tres outros aspectos: sermos um partido cada vez mais ligado a classe operaria, mais internacionalista e mais apoiado na teoria marxista que condensa as licoes e conclusoes de mais de um seculo de lutas da classe operaria.

Outro ponto alto do congresso foi a discussao sobre o combate a opressao da mulher. Discutimos a necessidade do combate ao machismo e do apoio a um novo movimento classista e socialista das mulheres. A luta contra todas as formas de opressao foi reafirmada, com o envolvimento do partido no apoio a criacao de um novo movimento negro, que leve adiante o debate sobre raca e classe, e no fortalecimento da Secretaria GLBT do PSTU, para combater a homofobia e o preconceito.

Houve tambem um debate importante sobre a moral revolucionaria. Num momento em que o neoliberalismo estimula a moral ultra-individualista do vale tudo, o PSTU reafirma a moral revolucionaria, que nada mais e do que a moral da classe trabalhadora em luta, onde predomina a solidariedade e nao a competicao, o coletivo e nao o individuo, onde nao vale tudo e sim o que serve para destruir a sociedade de classes e sua exploracao e opressao.

Parabens a toda a militancia pelo congresso vitorioso, saimos alegres, orgulhosos e conscientes dos enormes desafios que temos, e mais do que nunca com determinacao e moral para as batalhas que virao.


 


 


Saudacoes internacionais


Durante o VI Congresso Nacional do PSTU, chegaram saudacoes e mensagens de diversos paises. Vieram de organizacoes que, como nos, acreditam na luta revolucionaria e na uniao dos trabalhadores do mundo para acabar com essa sociedade desigual, feita de ricos e pobres, e na construcao de uma outra realidade, em que os trabalhadores ocupem seu lugar e nao sejam mais explorados.

Leia, abaixo, algumas mensagens.


Queridos companheiros,

Em nome do Partido de Alternativa Comunista (PdAC), chegada Italia ate voces uma fraternal saudacao e o augurio que vosso Congresso possa se desenvolver proveitosamente.

Estamos seguros de que o Congresso do PSTU constituira no so um ulterior passo para a consolidacao e o crescimento de vosso partido, mas sobretudo da LIT-QI. E, ao mesmo tempo, um passo indefectivel para a reconstrucao da Quarta Internacional, cuja fundacao completa este ano seu 70? aniversario.

No ano em que comemoramos o nascimento daquele embriao de partido mundial da revolucao, fortemente querido por Trotsky, o PSTU e a LIT-QI se fortalecem e sao capazes de lancar um grande desafio: o da reconstrucao da Quarta Internacional. Se isso ocorre, ha uma razao: enquanto outras organizacoes abandonam essa ideia, a necessidade historica da construcao do partido mundial da revolucao e hoje ainda mais atual. E todos nos, que lutamos sob as bandeiras da LIT-QI por esse objetivo, temos de ser conscientes disso e multiplicar os esforcos.

Nesse sentido, os companheiros do PdAC vos mandam os melhores votos revolucionarios para que vosso Congresso se desenvolva com bons auspicios e tenha um esplendido exito.

Viva o PSTU!
Viva a LIT-QI!
Viva a IV Internacional!

Valerio Torre
Comite Central do PdAC








Aos delegados do Congresso do PSTU

Queridos companheiros:

O conjunto da militancia da LIT-CI espera com expectativas as deliberacoes de vosso congresso. O desenvolvimento do PSTU nao e somente importante para o desenvolvimento da revolucao brasileira, mas tem grande transcendencia para a construcao da LIT-CI.

Basta ver o papel que voces estao cumprindo na construcao da Conlutas e do Elac e, a partir disso, o processo de reorganizacao latino-americano para confirmar essa afirmacao.

Porem, em relacao a FOS, o PSTU tem uma incidencia mais imediata. A uma longa historia de colaboracao, agrega-se, agora, uma direta e qualitativa participacao no fortalecimento de nossa direcao. Gracas a esse apoio, que sabemos o esforco que significou, hoje estamos em condicoes muito mais favoraveis para enfrentar nao somente os desafios da luta de classes, mas para fazer avancar a reconstrucao do partido morenista da Argentina, que deu um passo adiante com a recente incorporacao da secao do ex-CITO e que pode dar um salto caso se concretize o processo de fusao que estamos desenvolvendo.

(…)

Exitos em vossos trabalhos e um grande abraco revolucionario.

VIVA O PSTU!
VIVA A LIT-QI!
VIVA A RECONSTRUCAO DA IV INTERNACIONAL!

Buenos Aires, 16 de marco de 2008

Comite Central da Frente Operaria Socialista (FOS)








Estimados companheiros,

Em nome da Esquerda dos Trabalhadores da Argentina, recebam uma saudacao com os melhores desejos de exito em vosso Congresso.

Estam
os vivendo uma situacao muito favoravel para os trabalhadores e os povos da America Latina. Gracas as enormes lutas operarias e populares, terminamos com as ditaduras que vestiram de luto nosso continente e, depois, terminamos com uma onda de governos neoliberais nos anos 90, como Cardoso e Menem. O resultado foi que, em quase todos os paises de nosso continente, subiram governos populistas, nacionalistas, frente-populistas, como Lula, Chavez, Kirchner e Evo Morales.

Estes governos sao duplamente perigosos, porque sobem como produto do ascenso e enganam a nossos povos com a demagogia nacionalista e antiimperialista. Vociferam contra “Satanas” Bush, ou se distanciam das acoes de guerra de Uribe, o Bush latino-americano. Porem o fazem para melhor defender os interesses do imperio, como demonstrou a recente crise entre a Colombia e o Equador: todos, Chavez, Lula, Kirchner, se negaram a condenar a Uribe, legitimaram sua sanguinaria repressao contra as Farc dentro das fronteiras colombianas e se comprometeram a combate-las em seus territorios.

Estes fatos provocaram uma divisao de aguas na esquerda latino-americana: de um lado, uma grande leva de organizacoes trotskistas, comecando pelo PSOL brasileiro e o MST da Argentina, capitularam abertamente a estes governos, enquanto outras correntes menores adotam posicoes centristas, como apoiar “medidas progressivas” desses governos.

Por outro lado, abre-se a possibilidade de um reagrupamento das correntes e dos partidos que sustentamos uma posicao consequente e revolucionaria frente a esses governos, como expressa a aproximacao da LIT-CI de novas organizacoes, como o CITO, o PdAC e outros grupos. Por isso, nao e casual que hoje apos mais de 15 anos de separacao, nos da IT voltemos a coincidir com os companheiros do PSTU na LIT-CI.

A IT nasceu como produto de una dura luta para manter uma politica consequente contra Chavez, Lula, Morales e, por isso, mais de 150 camaradas, muitos deles formados no glorioso PST ou no PRT, com decadas de militancia e com importantes trabalhos sindicais em docentes, condutores, construcao e outros, fomos expulsos da UIT-CI.

Sobre a base desta coincidencia fundamental, conformamos, na Argentina, o Comite de Enlace com a FOS e temos recebido a solicitude de outros grupos para unirem-se a este Comite de Enlace, na perspectiva de um partido comum no marco da LIT-CI, perspectiva na qual tambem nos acompanham os camaradas da Russia e da Bielo-Russia. Nos vemos isso como os primeiros passos, porque estamos seguros de que, ao crescer a luta dos trabalhadores contra os Kirchners, os Lulas, os Chavez e os Morales, surgirao outros agrupamentos que tem posicoes revolucionarias e a eles deveremos nos dirigir.

Temos diferencas, temos muitas discussoes a fazer. Sabemos que o caminho tem seus obstaculos, mas a impressao que nos deu a reuniao do Comite Executivo Internacional da LIT-QI, em fevereiro, para a qual fomos convidados, e que a LIT-QI e uma organizacao viva, democratica, que se propoe a fazer importantes campanhas, como a do Encontro Latino-Americano, e que tem um partido como o PSTU, que hoje por hoje e o partido trotskista mais forte da America Latina.

Moreno costumava dizer que era tao internacionalista que, se pudesse, nao duvidaria em mudar o MAS para o Brasil. De uma forma mais dolorosa, e seguramente nao da forma como ele queria, pela tremenda crise e desagregacao do MAS, a realidade e que hoje o PSTU e o principal partido morenista, e temos de reconhecer que esse grande merito e dos companheiros brasileiros e da LIT-QI.

Estamos comecando a reverter a crise de nossa corrente, estamos comecando a somar ao inves de restar e, nao temos duvidas, seguirmos fazendo-o.

Enviamo-lhes nossa mais afetuosa saudacao, com a certeza de que ja nos sentimos parte da mesma organizacao internacional, a LIT-QI de Nahuel Moreno.

Buenos Aires, 19 de marco de 2008

Comite Executivo
Izquierda de los Trabalhadores








Saudacoes do Partido Socialista dos Trabalhadores da Colombia

Ao Congresso do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado

Companheiros delegados ao Congresso, recebam a saudacao fraternal em nome da direcao nacional e da militancia do Partido Socialista dos Trabalhadores da Colombia. Lamentavelmente, a falta de tempo nao nos permitiu estudar e discutir os materiais preparatorios de seu congresso, manifestando nossas opinioes, colaborando assim na elaboracao coletiva para orientar a que agora e nossa secao irma neste pais.

Esperamos que a discussao e as conclusoes do congresso permitam fortalecer a atividade militante e a luta contra o governo de Lula, o que por sua vez fortalecera a construcao deste forte partido de vanguarda (…).

A luta consequente contra o governo de frente popular de Lula e o elemento que tem marcado a diferenca do PSTU com o restante das correntes e partidos de esquerda de seu pais, que terminaram capitulando e no passaram por esta prova. Por isso o PSTU pode postular-se como o embriao de direcao revolucionaria que necessita o proletariado brasileiro na perspectiva da revolucao socialista.

Mas o PSTU nao e apenas um projeto nacional tambem tem se destacado pelo grande esforco na construcao da organizacao internacional dos trabalhadores. (…)

Esperamos com muito entusiasmo as conclusoes do congresso,

Fraternalmente,

Comite Executivo do Partido Socialista de los Trabajadores – Colombia








Com algum atraso, recebam as saudacoes do POI (Partido Operario Internacionalista), secao russa da LIT-QI, ao congresso do PSTU.

O PSTU e hoje o maior partido da esquerda revolucionaria mundial e, assim, tem responsabilidades nao so com a classe operaria brasileira, mas com a classe operaria de todo o mundo.

O congresso do PSTU tem grande importancia para a construcao da LIT na Russia. O PSTU e sua politica, em especial a formacao da Conlutas, sao acompanhados com interesse pela vanguarda russa. Nos somos uma pequena organizacao aqui, e quem se aproxima de nos e ingressa ao partido, o faz pela Internacional. O faz por querer fazer parte de uma organizacao que luta consequentemente pelo socialismo em todo mundo e, em especial, na America Latina. Nossa politica contra as direcoes oportunistas e traidoras como o PT e a CUT, e contra os governos de Frente Popular como o de Lula, impacta as demais organizacoes de esquerda daqui. Do sucesso do PSTU e da LIT depende o sucesso do POI.

Desejamos um pre-congresso vitorioso, onde as inevitaveis diferencas sejam debatidas e sejam votadas as melhores linhas partidarias, tanto politica como de construcao, corrigindo o que for necessario. Um congresso que faca jus a grande responsabilidade que tem voces perante a classe operaria mundial.

Um grande abraco!
Viva o PSTU!
Viva a LIT!

POI da Russia








Queridos camaradas do PSTU,

Da Belgica, queremos sauda-los em seu Congresso.

N
ao ignoramos o grande desafio, a imensa responsabilidade que lhes cabe nestes momentos em que a luta em seu pais e em toda a America Latina pede, aos gritos, uma direcao a altura das circunstancias. Tambem aqui na Europa, imerso na triste realidade dos partidos que abandonam a perspectiva da revolucao mundial para refugiarem-se num mesquinho “anticapitalismo” de palavras e uma colaboracao de classes nos fatos, como a nova formacao na Franca ou o maior partido da extrema esquerda em nosso pais, ha voces, que olham com expectativa sua politica de dirigir-se resolutamente a classe operaria para construir em seu seio a direcao revolucionaria necessaria, uma direcao para tomar o poder.

O exemplo do Elac Transcende, certamente, as fronteiras de seu continente, por mais que a realidade de uma iniciativa dessa indole no “velho continente” ainda esta “de fraldas”. Por outro lado, seu Congresso coincide, tambem, com o quinto aniversario da invasao do Iraque, que deu lugar a manifestacoes por todas as partes do mundo, em que a defesa incondicional de luta de liberacao dos povos encontra serias resistencias em partidos que algum dia de consideraram revolucionarios.

Neste tema, tambem esperamos do PSTU, como maior secao de nosso partido internacional, a LIT-QI, uma orientacao para nossa classe.

Nos, da Liga Comunista dos Trabalhadores, lhes desejamos o maior exito em suas deliberacoes e que avence a afirmacao revolucionaria do PSTU como contribuicao a construcao da LIT-QI e, dai, a reconstrucao da IV Internacional de Trotsky e de Moreno.

Bruxelas, 18 de marco de 2008

Direcao da Liga Comunista dos Trabalhadores








Saudacao

Camaradas,

Antes de tudo gostaria de agradecer a Internacional e ao partido de me confiar a responsabilidade para desenvolver a tarefa de divulgar o nosso projeto politico-programatico e de construcao o seio de outra organizacao na Franca.

Dos alertas, das possibilidades e dos limites para desenvolver o trabalho, durante as discussoes preparatorias, antes da partida e durante o processo, as principais foram confirmadas. Outras nao. Precisamos continuar estudando.

Gostaria de socializar as experiencias, porem, por razao alheia a nos, nao foi possivel um retorno a tempo de ajudar na organizacao do evento que se inicia.

A primeira constatacao que saltou aos meus os olhos quando cheguei, foram a adaptacao das organizacoes ditas revolucionaria ao regime democratico burgues, principalmente, no abandono a construcao de uma INTERNACIONAL centralizada democraticamente, ao SINDICALISMO de COMBATE, enfim a capitulacao ao ELEITORALISMO vulgar. Todas, sem excecao, cairam no ralo da historia.

Porem foi muito gratificante ouvir de jovens que co-organizam os processos de luta soltar frases assim: “ja sei o que vieste fazer aqui: procurar os germes revolucionarios”. Ou, entao, “passei pelo site da LIT-QI e vi poucos textos de Moreno em frances, se quiseres posso ajudar a traduzir”. E de trabalhadores: “nao temos nenhuma duvida de que voces sao uma corrente INTERNACIONALISTA e respeitamos o vosso esforco, trabalho e ousadia”.

Enfim, sem se apoiar no desenvolvimento da reconstrucao da Quarta Internacional e no trabalho desenvolvido pela Conlutas no campo nacional e internacional nao nos encontrariamos no patamar de construcao atual na regiao. Bravo camaradas!

Bom estudo e tenham um debate franco e leal no marco da relacao de camaradagem!

Viva o Congresso do PSTU, secao da LIT-QI!
Viva a Revolucao Socialista Mundial!
Viva a Revolucao nas America!
Viva o ELAC!

Asnieres-sur-Seine, Franca, 16 de marco de 2008

Pedro Palikura