O mês de maio é de extrema importância para a luta dos trabalhadores.

Por: Sebastián Romero

Os Mártires de Chicago refrescam nossa memória com o melhor do movimento operário internacional e parte dessa tradição é a maior solidariedade diante da perseguição de qualquer lutador por parte do estado.

É possível triunfar, com a unidade das lutas, mobilização e autodefesa se for preciso. Vamos aprender com nossos irmãos chilenos. Ser solidários com sua luta exigindo a libertação dos prisioneiros revolucionários da linha de frente chilena e o fim da perseguição de nossa camarada María Rivera e de todos os lutadores é tão necessário para a classe trabalhadora quanto a revolução vitoriosa.

Por isso, desde a campanha nacional e internacional pela minha liberdade e pelo fim do julgamento farsa de Daniel Ruiz e Cesar Arakaki, continuamos a unificar as lutas pela liberdade dos presos da revolução chilena e de todos os presos políticos de América latina.

Justo neste mês de luta para os trabalhadores, completa um ano de minha prisão, data em que queremos convocar um grande ato unitário internacionalista pela liberdade dos presos políticos da América Latina e do mundo. Convidamos você a se juntar a nós e colaborar com a construção deste ato e com a campanha de difusão e coleta de assinaturas do Facebook ou Instagram LIBERTADASEBASTIANROMERO, agregando suas organizações políticas, sociais, sindicais e barriais, e a todos os setores da luta nacional e internacional.

Para culminar com um grande ato unitário contra a criminalização do protesto e a perseguição de quem luta, exigindo a liberdade imediata de todos os presos políticos do mundo. Principalmente dos presos revolucionários de primeira linha do Chile.

Libertar todos os lutadores de classe fortalecerá nossas lutas, somando mais soldados às nossas trincheiras e redobrando nossas forças para a ação direta e autodefesa sempre que necessário, com as quais defenderemos nossas vidas e nossas lutas por justiça social e dignidade humana.