Caxemira é uma região em disputa por três potências nucleares (Paquistão, Índia e China). Tem sido um problema muito delicado e sensível, especialmente para a Índia e o Paquistão, por setenta anos. Ambos os estados gastam mais de 60-70% de seu orçamento em defesa devido a este conflito, enquanto as massas de ambos os países são privadas de seus direitos básicos como educação, saúde e emprego.

Por:(Movimento Revolucionário dos Trabalhadores e da Juventude – Paquistão)

Caxemira não é parte da Índia, nem da China nem do Paquistão. É uma nação ocupada militarmente pela Índia e pelo Paquistão, enquanto uma terceira parte da Caxemira foi dada à China como um presente do Paquistão em 1962.

Atualmente, o Paquistão e a Índia enfrentam graves crises econômicas e políticas. Eles são incapazes de resolver os problemas de seu povo e tentam desviar sua atenção através do chamado drama de paz e guerra. Eles não podem manter a paz, nem a guerra. Eles estão apenas brincando com o seu povo e ameaçando-o uns com os outros. Esses jogos levam a um sério conflito socioeconômico entre o establishment civil e o exército. Os militares querem um ambiente de guerra para favorecer seus interesses, enquanto a burguesia quer a paz porque seus interesses estão em paz.

As forças de ocupação de ambos os lados estão continuamente trocando tiros na Linha de Controle (LoC)[i], resultando em pesadas perdas de vidas e a destruição de suas casas.

Não há cobertura confiável da mídia e o silêncio do representante da ONU é criminoso. As pessoas na LoC estão em um estado miserável e amedrontado. Não há cuidados de saúde adequados nessa área e muitos feridos são levados para a cidade paquistanesa de Rawalpindi, mas muitos deles morrem durante a viagem devido à longa distância. As crianças não podem ir às suas escolas, as pessoas não podem se mover livremente, as forças indianas atingem os veículos perto da LoC e muitos passageiros e crianças indo para a escola são mortos. O massacre da Caxemira está sendo conduzido continuamente por ambos os lados.

Enquanto ambos os países negociam e trocam presentes uns com os outros, especialmente em Waagha, Lahore[ii], sua única agenda é dividir a Caxemira e roubar seus recursos. A este respeito, um protesto foi convocado pela Frente de Libertação de Jammu-Caxemira (JKLF) em solidariedade com o povo da Caxemira, pelo fim da troca de tiros e contra o uso de artilharia pesada. Este protesto foi chamado de “Marcha da Paz” e foi realizado em 16 de março. Quando o protesto começou, a polícia usou gás lacrimogêneo, armas e bombas contra os manifestantes. Muitos manifestantes foram feridos e levados para um hospital. A RYWM e a Federação Nacional de Estudantes (NSF) também apoiaram esta marcha e estão do lado do povo da Caxemira.

Há uma situação muito delicada e crucial para nossos camaradas e as massas da Caxemira perto da LoC (Linha de Controle). Achamos que há uma conspiração e um acordo prévio entre esses países para dividir a Caxemira, transformando a LoC em uma linha de fronteira permanente para seus motivos imperialistas. Condenamos esta atividade e exigimos a retirada das forças de ocupação de ambos os países.

Exigimos o fim da violência contra os manifestantes, o fim dos disparos através da fronteira e a paz. O direito de autodeterminação é um direito fundamental da Caxemira, que apoiamos incondicionalmente.

Pelo fim do massacre do povo e contra a violação dos direitos humanos.

Pela reconstrução das comunidades afetadas, por cuidados básicos de saúde e hospitais.

Reconstrução das casas destruídas.

Pelos direitos básicos, como educação, saúde e emprego.

Pedimos a todos os camaradas da LIT-QI, aos trabalhadores revolucionários e à juventude do mundo que se apresentem e apoiem as massas da Caxemira e protestem em frente às embaixadas paquistanesa e indiana contra este massacre e violação dos direitos humanos. Nós precisamos da sua solidariedade.

Atif Nazir (NSF)

[i] Uma fronteira artificial que divide a Caxemira nas regiões ocupadas pela Índia e pelo Paquistão.

[ii] Cidade paquistanesa perto da Linha de Controle.