Como já é de conhecimento de todos, estamos diante de uma pandemia que afeta a maior parte do planeta e, segundo alguns especialistas, ela terá consequências fatais semelhantes às da Primeira e da Segunda Guerra Mundial.

Por: Jeni e Lorena

Em 22 de maio passado, Martín Hernández (militante revolucionário da Liga Internacional dos Trabalhadores – Quarta Internacional) realizou uma transmissão ao vivo[1], na qual afirmou que os efeitos sociais dessa pandemia são comparáveis ​​aos de uma guerra.

Sim, estamos em uma guerra contra o Covid-19 mas, na realidade, existem duas guerras, uma contra o Coronavírus e a outra contra os trabalhadores e os povos do mundo.

“Os governos dizem: ‘estamos em guerra’, mas não fazem o que qualquer governo faria em uma guerra convencional, que é colocar a produção de fábricas a serviço das necessidades da guerra. Nesse caso, eles teriam que obrigar os empresários a fabricar respiradores e entregá-los aos governos ao preço de custo.”[2]

Parafraseando Martín: “Não podemos pedir ao governo capitalista uruguaio que deixe de ser capitalista, mas podemos pedir que ele agisse como em uma guerra”.

Como ele afirma “o Covid-19 não é uma tragédia (porque é um vírus de pequena mortalidade), o problema está em que contexto ocorre, em uma terra semidestruída pelo capitalismo”.

No Uruguai, os trabalhadores já foram atingidos pelas más administrações de sucessivos governos e pela falta de uma economia planejada. O Observatório de Segurança do CINVE (Centro de Pesquisa Econômica), alertou no final de abril que medidas de distanciamento social estão evidenciando a existência de certos grupos vulneráveis ​​que poderiam afetar seriamente sua capacidade de consumo, mais de 310.000 trabalhadores ficariam  fora da cobertura oferecida pelo subsídio de desemprego, enquanto outros 135.000, apesar de ter a cobertura do sistema, receberão benefícios que os colocariam abaixo da linha de pobreza.

O Covid-19, como outros vírus, os que causaram a peste bubônica na Idade Média ou a gripe espanhola no início do século passado, levou muitas vidas ao longo da história. A enorme diferença é que hoje a ciência e a tecnologia são capazes de gerar as condições necessárias para impedir que uma epidemia se transforme em uma pandemia, além de poder fornecer os cuidados necessários para atender a todos que necessitem.

Para começar, existe a possibilidade de testar toda a população para evitar novas e mais contágios. Existe também a capacidade de construir hospitais rapidamente e com toda a tecnologia necessária, além de fabricar respiradores mecânicos em massa.

A luta contra o Coronavírus é aparente. Eles mentem para nós quando dizem que o mundo não estava preparado, tem que estar preparado com todos os avanços tecnológicos e científicos que existem!

Mas, como diz Martín Hernández, assim como nas guerras nessa pandemia, a economia, a maneira de produzir, as prioridades devem ser orientadas para garantir o direito à vida e à saúde da grande maioria da população. O problema é que, no mundo e também no Uruguai, “o centro não é salvar a vida das pessoas, é salvar a economia”.

Na Idade Média, por exemplo, a pandemia causada pela “peste bubônica” foi gerenciada com 2 medidas que parecem simples: quarentena e higiene. Exatamente como os especialistas em saúde propuseram hoje para lidar com a Covid-19.

No entanto, uma série de mentiras são apresentadas à nossa frente para nos fazer acreditar que tudo está indo bem, que não devemos nos preocupar em contagiar-nos ou adoecer. E assim eles podem continuar com todas as atividades econômicas que foram afetadas pela pandemia e é isso que realmente os preocupa.

Para eles, quarentena tem sido sinônimo de perda econômica, crise financeira, nunca foi vista como uma medida essencial de saúde. Ao contrário do que se esperava e, como mencionamos acima, colocando a economia a serviço do que a população precisa para enfrentar a crise da saúde, eles implementam uma série de medidas para enfrentar a crise econômica. Por exemplo, destinar recursos para pagar os empresários pela perda de seus lucros.

Aqui em nosso país isso tem sido mais do que evidente. Para começar, nunca foi garantida uma quarentena real, muito menos a realização massiva de testes, e assim não podemos saber com certeza nem o número de contágios, nem o número real de mortes. Como tudo parecia estar “indo bem”, um retorno à “normalidade” já está sendo considerado.

Ao contrário disso, cortaram recursos da saúde com a demissão de pessoal em meio a uma pandemia, em muitos lugares não têm os insumos necessários, como máscaras, respiradores mecânicos, ou para que ao realizar o atendimento ao paciente o profissional da saúde esteja protegido adequadamente para não se infectar. Em muitos outros casos, como no hospital das clínicas, se limitam a administrar os poucos recursos disponíveis.

Diante das duas mortes ocorridas no departamento de Rivera, foi anunciada a compra de uma 5ª ambulância, que foi mencionada como um grande evento.

O governo uruguaio escolheu a “mitigação”, ou seja, tentando “achatar a curva”, quer impedir que as mortes venham pelo colapso dos hospitais. Mas devemos que não haja uma única morte, devemos erradicar contágios e para que a política de “supressão” precise ser aplicada, ou seja, para acabar com o vírus, são necessários testes massivos, quarentena e isolamento, mas é claro que o governo não quer “parar os motores da economia”.

Enquanto nosso presidente brinca com os famosos “perillitas”[3] e quer acelerar o processo de abertura porque os shoppings não querem permanecer fechados, as escolas particulares não querem parar de cobrar mensalidades e são pressionadas pelos pais que exigem uma educação de acordo com o dinheiro que recebem, a indústria da construção e, acima de tudo, a construção da UPM não podem ser interrompidas. Mas também, e isso é sério, se as pessoas não retornam ao trabalho, não há ajuda. Por outro lado, muitos trabalhadores que retornaram às suas ocupações não têm as medidas de segurança necessárias.

Nós da Esquerda Socialista dos Trabalhadores fazemos um chamado a toda a classe trabalhadora que se organizem para enfrentar o problema de segurança que os patrões e o governo não oferecem.

Testes massivos devem ser realizados e todos os recursos financeiros devem ser alocados para suprimentos médicos e respiradores. Todos devemos ter a mesma qualidade de assistência médica.

A quarentena não vai parar a luta dos trabalhadores.

[1] https://litci.org/es/menu/especial/coronavirus/aqui-puedes-ver-la-charla-con-martin-hernandez-sobre-coronavirus-guerras-y-revoluciones/

[2] https://litci.org/es/menu/teoria/historia/covid-19-capitalismo-guerras-revolucion/

[3] Forma como o governo de Lacalle Pou está denominando o movimento de diminuir gradualmente a exortação à quarentena voluntária, a abertura gradual de certos negócios com uma estratégia e a autorização para realizar algumas atividades. (ndt)

Tradução: Luana Bonfante