COMPARTILHAR

Após uma semana intensa de atividades, a caravana da CSP-Conlutas em solidariedade aos migrantes venezuelanos em Roraima chegou ao fim nesta sexta-feira (15).  Com encaminhamentos importantes para a continuidade da campanha “Nenhum ser humano é ilegal. Migrar é um direito”, os movimentos que participaram desta ação também reafirmaram o repúdio  à militarização por parte do governo para tentar resolver um problema que é social.

Por: CSP Conlutas Brasil

Essa denúncia ganhou mais força com a formalização  do exército de não permissão da entrada da Central nos abrigos e nem a distribuição da cartilha nesses locais.

Uma reunião foi convocada pelo responsável da intermediação com os movimentos sociais, o tenente major Ferraz, também na sexta-feira, e nela foi informado que a caravana não poderia visitar os abrigos e que seria preciso protocolar um pedido para o Ministério da  Casa Civil, responsável pela ação em Roraima.

É importante destacar que mesmo com essa negativa, a Central conseguiu visitar um abrigo, e pelas ruas e cidades visitadas distribuiu pelo menos 2.500 cartilhas.

O integrante da CSP-Conlutas Atnágoras Lopes considerou absurdo esse impedimento. “Na reunião, eu deixei claro que compreendia a negativa, mas não concordava. Neste sentindo, vamos encaminhar o pedido para a Casa Civil, para tentar fazer a visita  e levar nosso apoio”, disse.

Em reunião, entidades apoiam possibilidade criação de associação de refugiados venezuelanos

Na reunião entre movimentos convocada pela CSP-Conlutas para fazer o  balanço das atividades realizadas pela caravana em Roraima, os presentes relataram os dias intensos de troca com os migrantes, ouvindo os venezuelanos e  vendo de perto sua dura realidade.

Diante dessas atrocidades, a possibilidade de organização dos refugiados para garantia de seus direitos, recebendo para isso o suporte da CSP-Conlutas, foi destacada por todos como fundamental.

Leia também:  A verdade sobre a ditadura militar

Representações das Pastorais Sociais, CPT (Comissão Pastoral da Terra), Andes-SN, sindicato da construção civil de Roraima, Anel, Movimento Mulheres em Luta em Luta, entre outros participaram.

Foi consenso a importância da elaboração da cartilha e distribuição entre os venezuelanos e da expansão para as cidades vizinhas de Boa Vista, como Paracaíma, que faz fronteira com a Venezuela, e Mucajai e Amajari.  Todas essas ações contaram com forte apoio das Pastorais Sociais, que compõem os setores da igreja.

Ivone Salucci, conselheira dos direitos da criança e do adolescente do Centro de Migração e Direitos Humanos de Roraima, parabenizou a ida da caravana e a possibilidade de  criação de uma associação de migrantes venezuelanos.

Gilmara Fernandes, que esteve presente na reunião representando a CPT ,  faz um trabalho com os indígenas venezuelanos e discorreu sobre diversas denúncias de maus tratos. “Conversando com alguns deles, certa vez, me perguntaram o que significava a palavra porra, porque os militares só os chamavam assim”, relatou.

A diretora regional Norte 1 do Andes-SN Sandra Buenafuente destacou a ida da caravana para ver de perto como estão sobrevivendo os migrantes venezuelanos em Roraima. “É importante esse olhar com emoção, essa proximidade, o ver de perto a realidade para tomar as medidas necessárias de apoio”, frisou.

Após todas as falas, Atnagoras elencou os encaminhamentos a partir da ida da caravana a Roraima. Entre as propostas, a elaboração de um panfleto com as denúncias apontadas por todos. Além disso, que os companheiros da construção civil ampliem e busquem mais migrantes venezuelanos que queiram participar da reunião para a possibilidade de criação da associação, marcada para a próxima semana. Há ainda a perspectiva de realização de um ato público na cidade, cuja data será acertada nos próximos dias.

Leia também:  Debate com o MRT sobre a greve dos caminhoneiros no Brasil

Artigo publicado originalmente em: http://cspconlutas.org.br/2018/06/quinto-dia-de-caravana-exercito-formaliza-impedimento-de-visita-aos-abrigos-em-reuniao-movimentos-reafirmam-apoio-aos-refugiados-venezuelanos/