O PSTU está fazendo 22 anos. Se contarmos as organizações que o antecederam, como a Liga Operária e a Convergência Socialista, são mais de 40 anos de trajetória coerente de luta pela revolução socialista. Quando vemos a falência do projeto do PT, é importante entender os fundamentos de um partido revolucionário. Em que ideias se baseia o PSTU?

Por: Bernardo Cerdeira

A luta pela revolução socialista mundial

O PSTU e a Liga Internacional dos Trabalhadores – Quarta Internacional (LIT-QI) consideram que o sistema capitalista conduz a humanidade à destruição. O capitalismo em decadência e crise mundial gera desemprego, fome, miséria, guerras, violência, destruição da natureza e do planeta.

O objetivo do PSTU é acabar com o capitalismo e construir uma sociedade socialista. O contrário do que defende o PT e outros partidos de esquerda, que acreditam que o capitalismo pode ser reformado.

Os defensores do capitalismo dizem que o socialismo é uma utopia. Utópico, no entanto, é tentar humanizar o capitalismo. É impossível ter justiça social e soberania dos povos dentro de um sistema baseado na exploração e na guerra. Os capitalistas, para defender suas riquezas e seus lucros, não vacilam em massacrar os explorados.

O capitalismo se utiliza, também, das opressões para dividir a classe trabalhadora e melhor explorar. Os revolucionários combatem o machismo, o racismo, a lgbtfobia, a perseguição aos imigrantes e povos indígenas. Lutamos para unir a classe e acabar com o capitalismo.

Para acabar com esse sistema, é preciso uma revolução socialista que exproprie as propriedades de banqueiros e demais capitalistas e instaure uma economia organizada de maneira coletiva, controlada democraticamente pelos trabalhadores e voltada para satisfazer as necessidades da maioria.

A revolução é a necessidade mais urgente e presente da humanidade para salvar o mundo da barbárie capitalista. O socialismo exige uma economia mundial planificada a serviço dos trabalhadores. Com o fim da exploração, será possível acabar com as guerras. O socialismo abrirá caminho para acabar para sempre com as opressões.

Os capitalistas dizem que o socialismo fracassou na ex- -União Soviética, na China e no Leste europeu. Porém as revoluções desses países foram usurpadas por dirigentes privilegiados que traíram os trabalhadores, instalaram brutais ditaduras e, depois, restauraram o capitalismo. Socialismo não tem nada a ver com isso.

A libertação dos trabalhadores será obra dos próprios trabalhadores

A classe operária à frente de toda a classe trabalhadora pode conduzir os explorados e os oprimidos ao poder para construir o socialismo. Esse papel decorre do seu lugar no capitalismo como classe que produz toda a riqueza que existe.

Um partido revolucionário procura impulsionar a organização, a luta e a confiança dos trabalhadores em suas próprias forças para governarem.

O objetivo de uma revolução socialista é conquistar um governo de trabalhadores baseado em conselhos populares. O socialismo terá a mais ampla democracia: os representantes eleitos terão mandatos revogáveis a qualquer momento e não poderão ganhar mais do que um operário ou professor.

Os trabalhadores só podem chegar ao poder se tiverem total independência. Toda aliança com setores burgueses, como defendem o PT e outros partidos de esquerda, é uma traição que leva a derrotas e desmoralização.

As únicas alianças que fortalecem os trabalhadores são com os setores populares, oprimidos e estudantes.

Um partido operário, socialista, revolucionário e internacionalista

Ao se decepcionarem com o PT, muitos passaram a rejeitar todos os partidos. Essa reação é compreensível, mas errada.

Movimentos sociais e sindicatos são fundamentais, mas insuficientes para conduzir a luta da classe trabalhadora para por fim ao sistema. Só um partido revolucionário pode transmitir a experiência de mais de dois séculos de lutas operárias e defender as tarefas necessárias para que os trabalhadores possam tomar o poder.

Nosso partido tem como objetivo principal a organização da luta dos trabalhadores. Participamos das eleições para divulgar as ideias e propostas socialistas, fortalecer as lutas e o próprio partido. Para nós, a eleição de parlamentares se subordina às lutas e não o contrário.

A organização de um partido revolucionário exige liberdade de discussão e atuação centralizada. Parte fundamental dessa democracia é que os dirigentes se submetam às decisões coletivas e sejam fiscalizados pela base.

A luta pelo socialismo é internacional. O partido revolucionário também tem de ser parte de uma organização internacional. É um partido desse tipo que o PSTU luta para construir.

Publicado no Opinião Socialista nº 521

Leia mais em www.22anos.pstu.org.br