No dia 24 de dezembro, o presidente Carlos Alvarado inaugurou o histórico processo de vacinação contra o Covid-19 da Costa Rica, que encheu o país de esperanças. Mas, infelizmente, esse ato político no início da campanha não mostrava o quão difícil seria para este país competir com as grandes potências imperialistas pelas doses que são necessárias.

Por: SHD – Costa Rica

A meta proposta pelo Ministério da Saúde é a imunização de 100% das pessoas com mais de 18 anos, o que equivale à obtenção de doses de vacinas para cerca de 3,06 milhões de pessoas no mercado internacional.

Das mais de sete milhões de doses de que o país necessita, três milhões foram contratadas com a Pfizer- BioNtech, um milhão com AstraZeneca, dois milhões com o consórcio COVAX (OMS) e outro 1,2 milhão que ainda não se conseguiu contratar.[I]

Com mais de um mês de vacinação, o país só conseguiu obter 104.325 doses, do contrato com a Pfizer-BioNtech, o que significa apenas 1,4% do que se precisa. E da entrega das demais e o cumprimento dos contratos não se tem notícias ou uma definição de quando nem de como eles serão alcançados. Enquanto isso, dezenas de pessoas morrem todos os dias em hospitais e milhares arriscam a vida toda vez que saem para trabalhar.

O mercado não está funcionando “normalmente”?

Desde o início da pandemia, o Governo insiste que, como resultado da pandemia, o mercado Internacional não funciona normalmente, e com isso justificam as deficiências permanentes na obtenção de respiradores, camas especializadas, equipamentos de proteção individual para profissionais de saúde, e outros insumos para combater a pandemia.

Mas esse “funcionamento anormal” do mercado é basicamente o capitalismo sendo desnudado por um mercado que atua em primeiro lugar para suprir as necessidades dos países mais ricos, e por outro lado, um reflexo da total dependência, da vida de milhões de seres humanos, de algumas empresas que são donas dos modelos de lucros e de patentes para muitos dos insumos médicos, e a mesma coisa acontece atualmente com as vacinas.

Embora a maioria das pesquisas das empresas que hoje possuem as vacinas tenha sido

financiada com dinheiro público de vários países, hoje, o futuro da humanidade como um todo depende de não mais que dez empresas privadas que buscam maneiras de aproveitar ao máximo a situação de calamidade do conjunto da humanidade. São as mesmas que hoje mal satisfazem com um ritmo lento a demanda dos países imperialistas e ricos do mundo, enquanto os países pobres como os nossos vão recebendo as sobras dessa produção mundial.

De acordo com um relatório da ONG Oxfam em associação com a Anistia Internacional e Justiça Global, os países ricos já garantiram 53% das vacinas mais promissoras, enquanto outros 67 países pobres terão vacinas para imunizar apenas uma em cada dez pessoas em 2021. Essa lógica coloca em perigo até o modesto esforço da OMS com seu programa Covax Facility, que busca garantir 700 milhões doses para países pobres neste ano de 2021, países que têm uma população superior a 3.6 bilhões de pessoas.[II]

Lutar contra as farmacêuticas imperialistas e por um modelo socialista diferente de produção a favor da humanidade

Quando nós, militantes do Partido dos Trabalhadores dizemos que lutar para destruir o capitalismo e construir uma nova sociedade socialista é de vida ou morte para a humanidade, estamos falando exatamente de mudar a lógica cruel e o cinismo com que os capitalistas controlam o mundo inteiro.

Para os socialistas, uma vez que se alcançada a façanha científica de uma vacina que consiga imunizar o corpo humano dos efeitos da Covid-19, o mais lógico seria iniciar um esforço humano de enormes dimensões para fabricar e distribuir as doses necessárias no menor tempo possível para o planeta inteiro, e assim superar o grande obstáculo da pandemia: cientistas e especialistas de todo o mundo liderando um esforço global para derrotar a pandemia, construindo fábricas de vacinas nos países que forem necessários para o esforço global.

Infelizmente, no capitalismo não é assim. A propriedade privada das empresas farmacêuticas e os lucros dos acionistas estão acima das necessidades da humanidade, por mais absurdos e ilógico que pareça. E não é estranho que devido à desigualdade com que os países estão sendo imunizados, em alguns anos o Sars-Cov-2 seria reduzido a uma “doença de país pobre”, como muitas outras que existem atualmente.

Como trabalhadores, o que podemos fazer para mudar essa realidade?

Nós, trabalhadores da Costa Rica, devemos nos unir à luta internacional para exigir dos diferentes governos a compra de vacinas para evitar a morte de milhares de pessoas de bairros pobres e da classe operária, todos os dias.

Atualmente, as lutas dos trabalhadores acontecem em todo o mundo, principalmente na saúde e na educação, para exigir vacinação imediata, mas os processos devem dar um passo além e lutar para que o acesso às vacinas seja garantido para todos e todas os/as trabalhadores/as.

Nossos esforços devem se concentrar em quebrar o monopólio das grandes farmacêuticas com uma luta anti-imperialista que permita abrir e democratizar em todos os países as fórmulas para a elaboração das vacinas e as máquinas para produzi-las. Nosso país poderia expropriar laboratórios privados que grandes empresas farmacêuticas internacionais têm em zonas francas, a fim de colocá-las a serviço da fabricação das vacinas. Não há dúvida de que existem especialistas capazes de levar adiante esta tarefa.

Como classe trabalhadora, temos a possibilidade de organizar essa luta, aproveitando todos os espaços que tenhamos em nossos locais de trabalho e em nossos bairros, temos a força para cobrar do governo a inoperância que já nos custou quase 3.000 mortes no país, número que se multiplicará se não nos rebelarmos e exigirmos um rumo diferente.

O nosso partido está ao serviço destas tarefas que, embora enormes, são o único caminho que temos se queremos colocar a vida e a saúde das pessoas de nossa classe, que não têm por que se sacrificar como fizeram no último ano, e como sempre tiveram que fazer, por cima dos interesses dos grandes ricos e de suas empresas.

[I]        Informação tirada de Delfino.cr : https://delfino.cr/2021/01/asi-avanza-la-vacunacion-contra-la-

covid-19-en-costa-rica

[II]       Informação tirada de Litci.org: https://litci.org/es/para-garantizar-vacunacion-es-preciso-enfrentar-

al-imperialismo-y-quebrar-patentes/

Tradução: Vitor Jambo