COMPARTILHAR

Nós, Coletes Amarelos das rotatórias, estacionamentos, praças, assembleias e manifestações, nos reunimos neste 26 e 27 de janeiro de 2019 na “Assembleia de Assembleias”, agrupando uma centena de delegações que responderam ao chamado dos Coletes Amarelos de Commercy.

Commercy, 26 e 27 de janeiro de 2019

Fonte: https://tendanceclaire.org/article.php?id=1527

Desde 17 de novembro, a partir do menor povoado, do mundo rural até a maior cidade, temos nos levantado contra esta sociedade profundamente violenta, injusta e insuportável. Já não nos deixar ser pisados! Nos rebelamos contra a vida cara, a precariedade e a miséria. Queremos que nossos entes queridos, nossas famílias e nossos filhos vivam com dignidade. 26 multimilionários possuem tanto quanto a metade da humanidade. É inaceitável. Compartilhemos a riqueza e não a miséria! Acabemos com as desigualdades sociais! Exigimos o aumento imediato de salários, ajudas sociais, subsídios e pensões, o direito incondicional à moradia e à saúde, à educação, serviços públicos gratuitos e para todos!

É por todos estes direitos que ocupamos as rotatórias todos os dias, que organizamos ações, manifestações e discutimos em todos os lugares.  Com nossos coletes amarelos, retomamos a palavra, o que nunca tivemos, E qual é a resposta do governo? A repressão, o desprezo, a humilhação. Mortos e milhares de feridos, o uso massivo de armas que mutilam, arrebentam os olhos, ferem e traumatizam.

Mais de 1.000 pessoas foram condenadas e presas arbitrariamente. E agora a nova lei chamada “anti-casseur” [“anti-vândalos”]  é simplesmente para impedir que nos manifestemos. Condenamos toda a violência contra os manifestantes que provém das forças da ordem ou dos grupúsculos violentos. Nada disto nos deterá! Manifestar-se é um direito fundamental. Fim da impunidade da polícia! Anistia para todas as vítimas da repressão!

Abaixo a fraude de “grande debate nacional”, que é na realidade uma campanha de comunicação do governo, que manipula nossas vontades de debater e decidir! A verdadeira democracia praticamos em nossas assembleias, em nossas rotatórias, não está nem nos estúdios de televisão nem nas falsas mesas redondas organizadas por Macron.

Leia também:  França: luta social e resultado eleitoral. Como entender?

Depois de ter nos insultado e menosprezado, agora nos apresentam como uma multidão cheia de ódio fascitizante e xenófobo. Mas somos o inverso: nem racistas, nem sexistas, nem homofóbicos, estamos orgulhosos de estarmos juntos, com nossas diferenças, para construir uma sociedade solidária.

Somos fortes na diversidade de nossas discussões, neste mesmo momento centenas de assembleias estão elaborando e propondo suas próprias demandas. Afetam à democracia real, à justiça social e fiscal, às condições de trabalho, à justiça ecológica e climática e ao fim das discriminações.

Entre as reivindicações e propostas estratégicas mais debatidas, encontramos: a erradicação da miséria em todas as suas formas, a transformação das instituições (RIC, constituinte, fim dos privilégios dos eleitos…), a transição ecológica (precariedade energética, contaminação industrial…), a igualdade e a consideração de todos e todas, independentemente da nacionalidade (pessoas com incapacidade, igualdade entre homens e mulheres, o fim do abandono dos bairros populares, do mundo rural e de ultramar…).

Nós, Coletes Amarelos, convidamos cada um, com seus meios e na medida que possa, a unir-se conosco. Chamamos a continuar os atos (ato 12 contra a violência policial diante das delegacias de polícia, atos 13,14…), a continuar as ocupações das rotatórias e o bloqueio da economia, a construir uma greve massiva e reconductible [1] a partir de 5 de fevereiro. Pedimos que se formem comitês nos locais de trabalho, de estudo, e em todos os lugares para que esta greve possa ser construída a partir dos próprios grevistas. Tomemos nossos assuntos em nossas mãos! Não fiquem sozinhos, unam-se a nós!

Organizemo-nos de maneira democrática, autônoma e independente! Esta assembleia de assembleias é uma etapa importante que nos permite discutir nossas demandas e nossos meios de ação! Unamo-nos para transformar a sociedade!

Leia também:  França: luta social e resultado eleitoral. Como entender?

Propomos ao conjunto dos Coletes Amarelos a difundir este chamado. Se, como grupo acharem conveniente, enviem sua assinatura a Commercy (assembledesassemblees@gmail.com). Não hesitem em discutir e formular propostas para as próximas “Assembleias das Assembleias”  que prepararemos posteriormente.

Macron demissão! Viva o poder do povo, para o povo e  pelo povo!

Chamado proposto pela Assembleia de Assembleias de Commercy. Que depois se apresenta para ser adotado em cada assembleia local.

[1] Os franceses chamam de “greve geral reconductible”, aquela em que os trabalhadores em greve decidem cada dia sobre sua continuidade e os passos a seguir.

Tradução do espanhol para português: Lilian Enck