COMPARTILHAR

Aconteça o que acontecer nestas eleições, o ciclo da chamada “nova” política – que não era mais que a versão atual da velhíssima política eleitoralista do eurocomunismo, só que sem nenhuma referência ao “comunismo” – chegou ao fim. Agora temos que pensar em preencher essa lacuna, mas a partir de outra perspectiva.

Por: Roberto Laxe

O exemplo, o discurso de Pablo Iglesias em seu retorno ao ringue: depois de um discurso cheio de lugares comuns da esquerda; a denúncia do caráter burguês dos meios de comunicação, e o papel dos bancos e grandes empresas já foram estudados pelos marxistas do final do século XIX e início do século XX, com Lenin à frente, toda sua proposta se resume a … ter postos ministeriais no governo dos banqueiros, do PSOE. Porque o PSOE é o que é.

De “assaltar os céus” passamos para “nós queremos postos ministeriais”; isso é rebaixar o programa do partido até deixá-lo em nada; em ser a ala esquerda de um governo de banqueiros. Para essa viagem, não eram necessários esses alforjes, que significaram o desmantelamento total da mobilização social de 2014 e de anos anteriores; que o 15M tinha começado e culminou na Marcha da Dignidade de março e a renúncia do antigo rei.

Nesses três anos, milhões de pessoas tomaram as ruas do Estado espanhol, milhares foram organizados a partir da base, nas Marés, em PAHs, no sindicalismo de classe e combativo, etc. A chegada do Podemos galvanizou essa força social; mas fez isso da velha forma eleitoralista: disse, a mudança social vem  pelo “vote-me” e depois me deixa “defender” você no parlamento. Desta forma, a passividade social foi fomentada, o que apenas desorganizou as organizações que emergiram da base, colocadas em função dos resultados eleitorais.

Leia também:  Sobre as eleições gerais no Estado espanhol

Para que uma base organizada e politizada que discuta os objetivos e os meios para alcançar resultados eleitorais? Para isso, só precisa, como disse Alfonso Guerra na época, “10 minutos de TV”, e não “10 militantes”.

Além disso, esta opção eleitoralista tem outra perspectiva; se o seu objetivo é chegar a um pacto com o PSOE, que é parte do regime, tanto quanto o PP, só que “progressivo” não pode dar ao luxo de uma base politizada discutir o giro à direita envolvido nessa opção. A democracia de uma organização é a primeira vítima quando esta gira para a direita.

Para pactuar com o PSOE tem que rebaixar o programa político no nível que seja aceitável para aqueles que o financiam, e isso significa admitir suas políticas de cortes políticos (lei da mordaça 155, 135, ….) e sociais (reformas previdenciárias, trabalhistas , privatizações, …), que sustentam o regime atual. É por isso que a primeira vítima é a democracia, porque temos de impor isso à base, que vem (ou veio) da luta social; e se o que existe é uma base politizada, que discute e age, …. esse pacto não será possível.

Mas o fechamento do ciclo se manifesta de outra maneira; cinco anos atrás, no calor da poderosa mobilização social, a direita estava na defensiva … até que o rei renunciou. Hoje, a direita, em particular a extrema de VOX marca a agenda política: não foram os catalães, que os tiraram do armário como disse Iglesias na época, foi a passividade social, induzida pelo eleitoralismo no âmbito de uma não resolução da profunda crise do regime.

É o resultado de chamar a confiar nas instituições do inimigo como o Parlamento ou as prefeituras, isso desmoraliza a população trabalhadora, porque vê como as políticas de cortes são mantidas; a partir dessa desmoralização, os defensores desses cortes se fortalecem e, como estamos em um período de profunda crise, os mais radicais desses partidários. É a luta de classes, estúpidos! Acaso não foi o que, sob outras condições, aconteceu com o BNG quando esteve com o PSOE, ou IU na Andaluzia também governando com o PSOE? Não aprendem!

Leia também:  Madri se manifesta pela liberdade dos presos políticos catalães

Entrar em governos, em qualquer nível, local, nacional ou estadual, para terminar aplicando as mesmas políticas de cortes, seja “por razões legais” só leva à decepção e desmoralização, abrindo as portas para a direita rançosa, proprietária e administradora deste regime. Somente mantendo uma política de classe, independente das instituições, é possível avançar na mobilização social, para a ruptura e a transformação socialista da sociedade.

Tradução: Lena Souza