COMPARTILHAR

As organizações sindicais de trabalhadores mostram m maior ativismo nestes últimos meses. Isto não é por acaso, de algum modo é uma resposta lógica ao avanço do modelo de governo capitalista e reacionário do Sr. Martí Nelly.


A degeneração da partidocracia burguesa que asfixia com seu cheiro fétido de corrupção toda sociedade, não somente se mantêm, mas se aprofunda. As organizações de professores e sindicatos de trabalhadores da saúde e administrativos da CSS (Caixa de Seguro Social), estão protagonizando importantes e estratégicas batalhas para o conjunto da classe trabalhadora.



Logo após o triunfo na ANFACSS nas eleições passadas ao eleger a Nova Junta Diretiva da Associação Nacional de Funcionários Administrativos da Caixa de Seguro Social (ANFACSS), e apesar de haverem sido reconhecidos pela Administração, mas não pelas Autoridades de Registro Público (que são os que reconhecem a personalidade jurídica de todas as organizações sindicais reconhecidas no país), a nova diretoria de imediato começou a desenvolver – em um curto espaço de tempo – as ações pertinentes para conseguir colocar de volta no cenário político sindical a Associação.



A luta



Tendo tomado posse há apenas dois meses, a nova junta diretiva se propôs a efetuar uma consulta com suas bases em nível nacional, com o ânimo de poder apresentar diante da Direção Geral da CSS encabeçada pelo licenciado Guillermo Sáenz Llorens uma pauta de reivindicações. Em um primeiro momento esta pauta tinha quarenta pontos, que foram sintetizados em vinte e nove pontos que passam dentre outras coisas pelo respeito às conquistas e o respeito às organizações sindicais legalmente constituídos na Instituição, a garantia de produtos médicos, medicinais e materiais que permitam prestar os serviços de saúde da instituição, e a solicitação de um ajuste salarial que compense a perda do poder aquisitivo dos funcionários por causa da inflação, da especulação e das regras do mercado impostas pelo capitalismo. A consulta teve como resultado a aprovação unânime dos dirigentes das nove províncias e da zona especial onde a ANFACSS tem presença. Do mesmo modo em dita reunião/assembléia se aprovou uma jornada de luta, que consistia em realizar a nível nacional piquetes na quinta e sexta-feira da semana seguinte à realização da assembléia com o objetivo de criar um clima entre os funcionários, que até o momento temos vividos sob um regime de terrorismo institucional, que ameaça, sanciona e intervêm em assuntos sindicais das organizações dos trabalhadores.

A denúncia feita pela ANFCSS, está se confirmando. Hoje vemos com estupor as mortes por negligência imperdoável e o aumento do desprestígio da instituição pela incapacidade da administração. A ANFCSS solicita que se realize uma investigação imparcial sobre os fatos para delimitar responsabilidades e que caia todo o pesa da lei sob os responsáveis por estas mortes.
Para nós, tudo o que está acontecendo na CSS, não é por acaso se trata de um plano bem concebido para destruir desde dentro nossa instituição e assim justificar sua privatização. Por este motivo, chamamos a unidade de todos os setores populares para defender a mais importante instituição de seguridade social do país.

Tradução: Arthur Gibson