COMPARTILHAR

No dia 21 de fevereiro de 2019, a Comissão da Verdade, Justiça e Paz da Nicarágua anunciou com estardalhaço uma negociação que o presidente Ortega e a vice presidenta Murillo realizaram com representantes do setor privado, o acompanhamento e mediação do Cardeal Leopoldo Brenes e o Núncio Apostólico Waldemar Stanislaw Sommertag.

Por: PT-Costa Rica

Logo após, no dia 27 de fevereiro acontece o primeiro encontro dos membros da Aliança Cívica e a delegação da ditadura de Daniel Ortega onde os temas tratados são desconhecidos e, segundo o Núncio Waldemar Stanislaw, foram aprovados nove dos doze pontos agendados com os quais se pretende definir o rumo do país.

E as negociações secretas continuam, pois nem o regime, nem a oposição, nem as testemunhas católicas falam sobre temas abordados em meio à demanda de liberdade para os aproximadamente 767 presos políticos que ainda estão sequestrados pelo regime. Assim como as exigências de justiça pelos mais de 500 assassinatos executados e o fim da repressão e perseguição contra estudantes, camponeses e jornalistas.

Este novo diálogo é uma traição a todo processo insurrecional iniciado em abril do ano passado, a todos esses presos e vítimas mortais da repressão, pois somente pretende oxigenar os interesses do regime orteguista.

Repudiamos veementemente as falsas intenções de negociar de Daniel Ortega e seus aliados e apelamos ao povo nicaraguense a não confiar nessas mesas de diálogo fraudulentas, pois a única coisa que levará à vitória da luta é seguir o caminho do exemplar levante revolucionário iniciado no ano passado. É uma tarefa urgente, do povo nicaraguense, derrubar o regime Ortega – Murillo e a partir de cada bairro, universidade, fábrica e fazenda, discutir democraticamente os passos da luta.

Tradução: Lilian Enck