COMPARTILHAR

No início de agosto, a secretária-geral do Partido dos Trabalhadores, Jessica Barquero Barrantes, foi convidada por um grupo de estudantes universitários a participar de um debate com os Srs. Agunstín Laje e Nicolás Márquez, conhecidos como co-autores de um livro controverso que nega os direitos das mulheres e condena suas lutas.

Por: PT-Costa Rica

Esse debate aconteceria em 23 de agosto na Universidade da Costa Rica, onde nossa companheira participaria em companhia da senhorita Silvia Helena Chavarría.

Há vários anos, Laje e Márquez viajam pelo continente como principais porta-vozes de um setor de políticos que defendem a luta contra os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres, contra o aborto, negam o conceito de feminicídio, bem como uma luta aberta contra os direitos das populações LGBTI e as lutas das mulheres em geral.

A presença desses personagens no país é impulsionada principalmente por setores religiosos conservadores, como o ex-candidato à presidência Fabricio Alvarado e a Igreja Católica, que abre vários espaços em diversas paróquias do país para eles apresentarem suas idéias contra os direitos humanos e contra os direitos das mulheres.

Alguns dias após o convite e antes da divulgação do convite ao debate, nossa companheira apresentou à organização várias razões pelas quais decidiu recusar o convite argumentando especialmente que o espaço deveria ter o objetivo de fortalecer a organização das lutas das mulheres e favorecer o confronto público com esse tipo de setores conservadores o que não era possível nessa ocasião. Além disso, levantou várias dúvidas quanto à estrutura da dinâmica do debate.

Em 16 de agosto, Jessica Barquero e Silvia Helena Chavarría emitiram uma declaração explicando as razões da recusa do convite.

A partir desse momento, tanto a organização da atividade quanto os expositores internacionais, usando sua conhecida maneira de impor critérios e atacar violentamente seus adversários, organizaram uma violenta campanha contra Jessica e Silvia Helena, a ponto de não entenderem nem aceitar o NÃO por parte das convidadas, chegando ao cúmulo de propor que fossem  forçadas a participar do espaço.

Leia também:  Costa Rica | Nossa opinião sobre a campanha pela família da Conferencia Episcopal?

Essas formas de pressão chegaram ao extremo de continuar usando o nome e a imagem de Jessica e Silvia no convite, apesar de terem sido avisados vários dias antes de que o mesmo se tornasse  público, situação que gerou centenas de comentários contra nossa companheira em várias redes sociais.

Jessica Barquero há vários anos se tornou uma das principais vozes políticas do país em defesa dos direitos das mulheres trabalhadoras e demais setores oprimidos, colocando suas candidaturas à Vice-Presidência da República e deputada a serviço das lutas femininas , bem como seu ativismo sindical e político em geral.

O Partido dos Trabalhadores, defende o direito da nossa companheira de aceitar ou não o convite para esse ou qualquer outro espaço, além de denunciar a campanha com um alto grau de violência sexista e misoginia liderada pelos próprios Laje e Marquéz, seus seguidores e organizadores do debate, a quem exigimos interromper a campanha que não está fazendo mais que demonstrar seu total desprezo pela autonomia das mulheres para decidirem sobre si mesmas em todos os aspectos de suas vidas.

Tradução: Nea Vieira