COMPARTILHAR

O Sindicato dos Trabalhadores de Tenaris Tubos del Caribe, Sintratucar, fundado em 2009 e filiado à CUT, não pôde eleger delegados – apesar de ter mais de 250 filiados e poder se unir a outros sindicatos do setor metalúrgico para atender à exigência antidemocrática dos 300 delegados – porque não está em dia com as cotizações para a central.

Por: Jairo del Río, dirigente do Sintratucar

Acontece que há dois anos o sindicato está em luta, que o presidente e oi vice-presidente do sindicato estão demitidos e com uma demanda de levantamento da  jurisdição e que a empresa, ao não poder expulsar os membros do sindicato, iniciou uma campanha de sanções de até 20 dias por mês aos dirigentes por realizar manifestações ou distribuir panfletos.

Para enfrentar essa investida, em julho de 2018, vários dirigentes entraram em greve de fome, com o apoio da Coordenadoria de Sindicatos de Cartagena. Ao longo deste período, recebemos da Central Única de Trabalhadores uma ou outra visita de apoio, mas tivemos que gastar os escassos recursos do sindicato na solidariedade e a luta e por isso não pudemos pagar as cotizações à CUT.

Enquanto os sindicatos majoritários e os sindicatos de papel conseguem com facilidade suas cotizações, os sindicatos do setor industrial, os sindicatos pequenos, os sindicatos que enfrentam as lutas, sofrem com uma crise financeira sem receber o menor apoio da central.

Por essa razão, continua sendo urgente uma reforma estatutária que democratize a CUT, que acabe com os sindicatos de papel, que garanta a participação política de pequenos sindicatos, que temos enfrentado bastante a patronal e o governo, e ainda temos que ser excluídos das decisões da Central Única dos Trabalhadores, cuja relação com os sindicatos se limita a cobrar suas cotizações e que não apoia as lutas da classe trabalhadora.

Leia também:  Causas da crise das FARC: da insurgência à defesa das instituições

Tradução: Lena Souza