COMPARTILHAR

No julgamento desta quarta-feira (24/01) não há qualquer interesse em jogo que afete diretamente a nossa classe. Existe sim uma briga de peixe grande, de tubarões famintos que antes nadavam em bando e que agora precisam se autodevorar para voltar a nos caçar. Nosso quilombo não pode ser dividido por acertos de contas entre senhores e capatazes.

Por Hertz Dias

Os dirigentes das organizações que estarão em Porto Alegre defenderão uma democracia que a favela não conhece. Defenderão um Lula fictício que a favela também não conhece. Defenderão um Lula e uma democracia que só existe na cabeça das organizações que raciocinam com a mesma enfiada nas urnas das eleições burguesas. O Lula que defenderão amanhã já foi sonho na cabeça da nossa classe, mas o real é o da conciliação de classes, da traição, do cinismo e da covardia.
Os que gritarão até a rouquidão que Lula e o PT estão sendo vítimas de um “golpe” orquestrado pelo imperialismo e pelo conservadorismo, não terão coragem para dizer que Lula e o PT apoiaram político e militarmente um verdadeiro golpe que o Estados Unidos e a França deram na democracia burguesa haitiana.

Foi rápido demais. Lula assumiu o poder em 2003 e bastou um telefonema de Washington em 2004 para que o Haiti fosse invadido e ocupado. Entre tantas atrocidades, mais de 2 mil irmãs negras foram abusadas sexualmente por soldados da MINUSTAH, força militar comandada pelo governo petista.

Onde estavam os arautos da defesa do PT e de Lula quando a soberania haitiana foi surrupiada por Chirac, Bush e Lula?
Democracia como conceito oco, vazio, universal e pequeno-burguês é fácil de manipular, difícil foi defender a soberania de uma nação preta atacada pelo lulopetismo em nome do imperialismo. É, parece que essa democracia de “condomínio de luxo” não vale para um país de pretos que há séculos tem desafiado as mesmas forças imperialistas que mandou o PT ficar de joelhos no chão. Não é isso?

É preciso dizer a verdade: o Lula que defenderão, não é aquele operário que enfrentou a ditadura militar, e sim o ex-presidente que fortaleceu o caráter cada vez mais autoritário do Estado brasileiro. É o Lula que em 2005 aprovou a Lei Antidroga que ajudou a encarcerar centenas de milhares de negros, pobres e mulheres (600 mil). É o Lula do PT que deu uma mãozinha para que população carcerária feminina crescesse 567% em apenas 15 anos (2000 a 2015), das quais 68% são negras (Dados do DMF/CNJ).

Leia também:  Bolsonaro e Moro querem carta branca para a polícia matar

Enquanto os nossos eram mortos e encarcerados, o PT livrava Sarney da cadeia em retribuição a “mão amiga” que Sarney estendeu para livrar Lula de um impeachment tão logo estourou o escândalo do mensalão que o PT pagou para comprar votos de parlamentares corruptos e, assim, garantir a aprovação da Reforma da previdência. Mão amiga da “Esquerda” para “Direita”, mão amiga da “Direita” para “Esquerda” e todas elas enlameadas de corrupção e sangue negro.

Nesta quarta-feira, Rafael Braga certamente não será lembrado como vítima da Lei Antidroga sancionada por Lula em 2005 e da Lei Antiterrorismo sancionada por Dilma em 2013. Ao contrário disso, há uma tentativa desmedida de comparar a via crucis de Rafael Braga com o julgamento de Lula. É no mínimo mau caratismo comparar um jovem inocente que foi condenado por ser preto, pobre e favelado, com aquele que criou as condições para a sua condenação. Rafael Braga é preso político dos governos do PT e do PMDB. Foi o PT de Lula e Dilma, assim como o PMDB de Temer e o PSDB de FHC que amarrotaram as cadeias deste país com os nossos “Rafeis Bragas” da periferia. Não instrumentalizem desgraça alheia para encobrir vossas podridões políticas!

A “agenda do golpe” a qual referem-se é antes de tudo parte da agenda política e econômica que imperialismo impôs a Lula, Dilma e Temer. Uns mais, outros menos, mas todos foram capatazes do imperialismo. Afinal de contas, Lula não era “o cara” nas palavras Obama, e os usineiros não foram considerados os “heróis brasileiros” nas palavras do próprio Lula?

Negros, mulheres e LGBT’s foram atacados pelo PT em aliança espúria com a Direita. Dilma retirou o kit anti-homofobia das escolas em acordo feito com a reacionária bancada evangélica, o mesmo que fizeram com o DEM para dilacerar com o Estatuto da Igualdade Racial. E o engraçado é que nada disso provocou gritaria e correria na esquerda para defender a sacrossanta democracia burguesa.

Leia também:  Reforma da previdência: Governo quer 40 anos de contribuição e aposentadoria menor que o mínimo a idosos carentes

Em 2008, o Lula do mundo real chegou a assinar um acordo com o Papa Bento XVI (Acordo Brasil-Santa Fé) para incluir o ensino religioso no currículo das escolas públicas em total desrespeito a laicidade do Estado brasileiro o que escancarou ainda mais as portas para o racismo religioso em nosso país. Nada disso era parte da tal “onda conservadora”. Nem o genocídio de 556 mil pessoas, a maioria negra, ocorrido nas barbas governo petista gerou tanta comoção na esquerda.

De nós cuidamos nós mesmos!

Ao combater a “Direita” corrupta, liberal e pro-imperialista é preciso desmascarar também essa “Esquerda” liberal, corrupta e igualmente pró-imperialista. Vermes como Bolsonaro atacam os trabalhadores segurando um punhal em cada uma das mãos, Lula fez isso oferecendo um buquê de flores com uma das mãos, enquanto com a outra, escondida por trás das costas, segurava um punhal afiadíssimo. Dizer “Lula tem que ser julgado pelos trabalhores nas eleições” não é lá um argumento sério, pois a depender do julgamento das eleições burguesas, muitos corruptos jamais serão condenados.

É preciso dizer aos trabalhadores quem é o Lula de hoje e o papel que o PT cumpriu com agente do imperialismo e da burguesia nacional enquanto esteve no poder. Em Angola, outra nação preta, o PT e a Odebrecht se envolveram em um esquema de corrupção que aprofundou a miséria e o infanticídio daquele povo, ao mesmo tempo que ajudou a sustentar uma ditadura controlada por uma das famílias mais ricas do mundo, o clã de José Eduardo dos Santos. Pelo povo de Angola e do Haiti, sim, temos que exigir democracia.

Quanto a “Casa Grande” brasileira, deixemos que eles resolvam seus perrengues, ou melhor, que não resolvam, que se dividam ainda mais, que fiquem sem direção, que fiquem sem alternativa. Se não fosse pelos desacertos em cima e pela resistência em baixo a Reforma da Previdência já teria sido a provada. E é essa resistência dos de baixo que o PT e a CUT tentaram enfraquecer em nome das eleições de 2018, vide a traição à Greve Geral do dia 30 de Junho e do dia 05 de dezembro de 2017.

Leia também:  “Na luta é que a gente se encontra”

Lula já tem defensores demais, inclusive de muitos corruptos de “Direita” como FHC, Aécio Neves e o próprio canalha do Temer. Sua condenação ou absolvição não é critério para mensurar o conteúdo da nossa democracia burguesa. Olhar para as periferias, para os quilombos, para as fábricas e para os presídios é bem mais seguro para fazer qualquer caracterização politica séria.

A tarefa imediata de cada um de nós é unir nossa classe para incinerar de vez com toda a podridão que emana da Casa Grande, antes que essa maldita Casa Grande arranque definitivamente todos os nossos direitos, inclusive o direito à vida.

2018 não pode começar como farsa, mas sim com uma forte exigência ao Estado brasileiro por Reparações Históricas para negros e indígenas, já que esse ano completará 130 anos da abolição da escravidão, abolição essa que nos deixou em condições de vida das mais degradante possíveis. Todos os governos das últimas 13 décadas são responsáveis pela manutenção e aprofundamento dessa situação.

Vamos guardar nossas energias para mobilizar nossa classe contra a Reforma da Previdência que Temer tentará aprovar em fevereiro. Essas duas lutas- contra as Reformas de Temer e por Reparações Históricas- são algumas batalhas importantes que temos que tomar em nossas mãos nos próximos meses ao invés de ficar acariciando chicote de opressor que uma parte da Casa Grande quer expulsar da vida política dando-lhe com os pés na bunda.