COMPARTILHAR

Em entrevista ao programa Roda Viva, ministro disse que “Chico Mendes é irrelevante”

Por: Jeferson Choma

Durante entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, exibida no dia 11, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, ligado aos ruralistas e defensor da flexibilização das licenças ambientais, desrespeitou o legado de Chico Mendes e sua história.

Questionado pelos jornalistas sobre qual seria sua opinião sobre Chico, Ricardo Salles disse que “não conhece Chico Mendes“. Depois falou que o “pessoal do agro diz que Chico Mendes manipulava seringueiro para se beneficiar“. Neste momento foi interrompido por um jornalista: “Beneficiar com o quê? Ele morreu pobre“. Salles respondeu: “Chico Mendes é irrelevante. Que diferença faz quem é o Chico Mendes nesse momento? ”.  O ministro desqualificou também a Organização das Nações Unidas: “A ONU reconhece um monte de coisas erradas”. Em 1988, Chico Mendes ganhou o Global 500, prêmio da ONU em homenagem a sua luta em defesa dos povos da floresta. Mas nem o reconhecimento internacional salvou a vida do seringueiro, assassinado em Xapuri em 22 de dezembro daquele mesmo ano.

Ricardo Salles é um corrupto aliado de latifundiários e empresários. Já foi condenado pela Justiça por improbidade administrativa quando foi secretário do meio Ambiente de São Paulo, no Governo Alckmin (PSDB). Na ocasião, ele tentou alterar um mapa do Plano de Manejo da Várzea do Rio Tietê para beneficiar empresas de mineração. Durante a campanha eleitoral de 2018, chegou a dizer que seria preciso o uso de munição de fuzil contra o MST.

O assassinato de Chico teve o efeito contrário ao pretendido por seus algozes. Ao invés de liquidar a luta dos seringueiros, o movimento conseguiu impedir o desmatamento dos fazendeiros e conquistar as Reservas Extrativistas, um tipo de reforma agrária adaptada ao seu modo de vida. Chico se tornou em um símbolo mundial, um herói do povo brasileiro.  O “irrelevante” Salles é um bandido, aliado da UDR e de todos aqueles que mataram Chico Mendes. É esse legado do líder seringueiro que o ministro pretende assassinar. Salles age como um jagunço que pretende “completar o serviço”.

Leia também:  Os 95 anos sem Lênin