COMPARTILHAR

Sete meses após o início da perseguição contra nosso companheiro Sebastián Romero, por protestar contra o roubo aos aposentados e aos mais necessitados que significa a reforma da previdência, continua a campanha contra sua perseguição. Precisamos, mais do que nunca, da solidariedade de todos, tanto de apoio político como econômico para continuar com o pedido de isenção de prisão, levando o caso à Corte Interamericana de Direitos Humanos. A solidariedade operária é a melhor arma contra a perseguição patronal. Contamos com vocês.

Por: PSTU Argentina

Manifestação em Carapachay

Na noite de sexta-feira, dia 13, foi realizada uma pequena manifestação contra a perseguição de nosso colega Sebastián Romero e de todos os lutadores no Conselho de Bairro “Manuel Belgrano”, Carapachay.

Depois de algumas bandas e várias rodadas de empanadas e bebidas, parou a música e alguns companheiros se aproximaram do palco para contar que nosso companheiro Sebastian é perseguido pelo governo de Macri por ter sido, como muitos trabalhadores, um dos que estiveram presentes no 14D e 18D (manifestações contra a reforma da previdência nos dias 14 e 18 de dezembro) enfrentando na Praça do Congresso Nacional a reforma da previdência, que é um roubo aos aposentados para manter e ampliar os lucros dos grandes empresários.

O encontro faz parte da campanha que estamos fazendo para poder sustentar economicamente o caminho judicial que estamos enfrentando, o movimento político contra sua perseguição e o que seja necessário para por um fim a essa situação.

Mas assim como não abandonamos Sebastian, não paramos de pedir a libertação dos companheiros do 14D, a revogação dos processos de Cesar Arakaki e Dima Ponce, e todos os perseguidos por lutar.

Em seguida, recebemos a solidariedade dos companheiros do PO (Partido Obrero), da Comissão de ex-companheiros, familiares e amigos de Ana María Martínez, MST (Movimento Socialista dos Trabalhadores), IS (Esquerda Socialista) que estavam presentes apoiando o encontro e a adesão de German Tonero, delegado e companheiro de trabalho de Sebastián na GM (General Motors), Correpi (Coordenação contra a Repressão Policial e Institucional), Cadep (Coordenação Antirrepressiva pelos Direitos do Povo) e PTS (Partido dos Trabalhadores Socialistas).

Leia também:  Repudiamos as ameaças de Bullrich

Depois de todas as falas, a música voltou e a dança também, as conversas continuaram e quando terminou o encontro, a necessidade de continuar fazendo ações em conjunto por todos os perseguidos políticos foi sentida no cântico de “unidade dos trabalhadores e aqueles que não gostam, se ferram”.

Juntamos dinheiro, que é importante, mas também é importante ter cercado Sebastian e sua família com solidariedade e carinho. Não nos esquecemos e não vamos parar de lutar até acabar a perseguição e até que seja absolvido para que possa voltar para sua família e companheiros e continuar lutando livremente com todos os trabalhadores por uma saída operária para esse sistema.

Solidariedade no Frigorífico Rioplatense

Por: Jorge Rengel

Fui testemunha de um emocionante exemplo de solidariedade de classe. Fui com algumas companheiras à porta do Frigorífico Rioplatense para fazer uma coleta em apoio ao nosso companheiro Sebastián Romero e conseguimos uma boa arrecadação. Para isso foi essencial a colaboração, o compromisso e o impulso da solidariedade operária por parte da Comissão Interna e especialmente de seu delegado geral, Carlos Zerrizuela, que se encarregou dela.

Quero agradecer publicamente à Comissão Interna e aos trabalhadores do frigorífico, tanto aos muitos que colaboraram economicamente quanto àqueles que não podendo fazê-lo, expressaram seu apoio. O dinheiro arrecadado serve para ajudar a cobrir as enormes despesas da defesa legal de Sebastián contra a infame perseguição da justiça patronal e do governo antioperário de Macri. Mas serve, acima de tudo, como um exemplo para todo o movimento operário de solidariedade de classe com seus lutadores. Unidade dos trabalhadores!

Tradução: Tae Amaru