COMPARTILHAR

Os motoristas de mercadorias e cargas perigosas em Portugal travam uma importante luta por salários dignos e pelo direito à greve.

Por: CSP Conlutas

A mobilização tem escancarado a degradante condição de trabalho a qual essa categoria é submetida.

A Antram, associação patronal dos motoristas, tem ignorado as denúncias de ilegalidades e o desrespeito pelo pagamento das contribuições devidas, bem como de direitos como subsídios para acidente ou baixa dos trabalhadores.

Como tentativa de enfraquecer a mobilização, o governo busca anular o direito à greve via o que chama de “serviços mínimos”, declarado no dia 7/8 como parte de medidas diante do estado de emergência energética no país.

A ação terá início justamente no dia 12 de agosto, dia anunciado para começo da greve da categoria, e os trabalhadores fazem essa denúncia e precisam do apoio para salvaguardar o direito à greve.

Em nota de solidariedade, a CSP-Conlutas expressa a importância da mobilização, que diz respeito não somente aos motoristas, mas a toda classe trabalhadora, e firma apoio à luta, consciente de que “ou se constrói um calendário rumo a ações unificadas das lutas contra esta política de baixos salários e de aniquilação dos direitos trabalhistas, ou dificilmente estaremos em condições de derrotar mais este ataque brutal aos direitos dos trabalhadores”.

Todo apoio aos motoristas de cargas perigosas e mercadorias!
Contra a miséria dos salários e a anulação do direito à greve!