No contexto da explosão social e nos meses seguintes, dezenas de milhares de pessoas foram presas. Em muitos casos, foram presos apenas por carregar uma bandeira ou fazer manifestações pacíficas. Centenas de casos foram publicados nas redes sociais e ficou evidente que a Polícia e as Forças Armadas prendiam pessoas de forma indiscriminada.

Por: David Espinosa

Algumas centenas desses detidos foram condenados ou ainda estão em prisão preventiva. Segundo o governo Piñera, não há presos políticos no Chile, porque ninguém está preso por suas ideias. Outros, como a candidata a governadora da Frente Ampla em Santiago, Karina Oliva, dizem que alguns são presos políticos e outros não, afirmando que só devem ser libertados os processados ​​pela Lei de Segurança Interna do Estado.

Aqui queremos responder a isso. Não porque acreditemos que devemos responder a Piñera, um assassino e criminoso que só sabe mentir para o povo. Ou porque acreditamos que podemos mudar a opinião de Karina Oliva. Queremos responder a essa pergunta porque milhares de trabalhadores ainda estão confusos e não sabem se há ou não presos políticos no Chile.

Muitos dos atuais presos políticos estão em prisão preventiva ou foram condenados por supostos saques, queima de metrôs ou edifícios, danos à propriedade privada ou pública (destruir uma catraca) ou tentativa de homicídio contra policiais. Acreditamos que todos esses supostos delitos (a maioria dos quais são armações) são ações políticas.

Em primeiro lugar, porque essas ações foram realizadas em contextos de mobilizações de massa e as massas nas ruas as legitimaram. Depois de décadas de protestos pacíficos, o povo entendeu que só poderia ser ouvido se protestasse com violência. E essa violência não partiu do povo. É importante lembrar que, durante várias semanas antes do levante, os estudantes foram brutalmente reprimidos pela polícia no metrô. E quantas vezes nossas manifestações pacíficas não foram reprimidas? Quantos trabalhadores e mapuches não morreram nas mãos do Estado? Passamos décadas nos manifestando pacificamente e os governos, de direita ou da antiga Concertación – Nueva Mayoría, nunca implementaram as mudanças que o povo pedia: educação gratuita, melhor saúde, melhores aposentadorias.

O povo explodiu com indignação. Legítima indignação. E que muitos tenham saqueado supermercados foram ações legítimas. Essas enormes cadeias de mercado que nos saqueiam todos os dias estão totalmente em conluio. Seus acionistas, as famílias mais ricas do país ou empresas transnacionais como o Wal-Mart enchem seus bolsos pagando salários miseráveis ​​a seus trabalhadores e aumentando os preços aos consumidores. Os saques de supermercados foram tão políticos que muitas vezes produtos eletrônicos eram queimados nas barricadas. Mas, embora muitas pessoas tenham levado os produtos para suas casas, essas ações foram totalmente legítimas, já que o Estado e o sistema capitalista condenam o povo à pobreza e à falta de perspectiva.

A queima dos metrôs também foi resultado da indignação do povo contra todo o sistema, contra os políticos, contra instituições que se dizem públicas, mas fazem parte do saque, como o próprio transporte “público”, que suga o dinheiro dos trabalhadores para terminar no bolso de grandes empresários – no caso do metrô, pagando dívidas a grandes bancos como Banco do Chile, BBVA, Santander, etc.

Além dessas ações, a autodefesa do povo foi e continua sendo totalmente legítima. Quantas vezes as Forças Especiais de Carabineiros tentaram dissolver protestos pacíficos com jatos de água e bombas de gás lacrimogêneo? Mais de 40 foram assassinados desde o levante social, centenas tiveram lesões oculares e até hoje não têm indenizações. Jovens mutilados e torturados. A principal violência vem do Estado. Que a juventude se defenda com pedras e coquetéis molotov é seu direito. Ninguém deve aceitar ser massacrado ou não poder se manifestar. O direito de manifestação nunca foi garantido. O próprio presidente declarou guerra ao povo em uma rede nacional. E que o povo se defenda não é uma ação política totalmente legítima?

Por que aqueles que saquearam supermercados no contexto do levante estão na prisão e Carlos Delano e Carlos Lavín (do caso Penta), que saquearam milhões, foram condenados a ter “aulas de ética”? Por que os grandes empresários que conspiram e corrompem funcionários públicos estão soltos e um jovem que destrói uma catraca corre o risco de passar décadas na prisão? Porque a justiça é uma justiça de classe. Está nas mãos dos grandes empresários, dos capitalistas. É por isso que seus saqueadores estão soltos e nossos jovens estão na prisão.

No Chile existem centenas de presos e perseguidos políticos. No Chile existe uma guerra social contra o povo há pelo menos 5 décadas. E parte dessa guerra é uma guerra política, uma guerra de um Estado que defende os grandes empresários e as transnacionais contra o povo. E os nossos presos não são só os do levante social, são também os presos mapuche, os anarquistas, o comandante Ramiro, que lutaram pelo povo. Todos são presos políticos e devem ser libertados pelo povo nas ruas. A futura Convenção Constitucional, para que seja minimamente democrática, deve começar votando uma anistia geral imediata e incondicional para todos os presos políticos.

Tradução: Tae Amaru