COMPARTILHAR

Talvez muitas vezes sonhamos com uma vida e sociedade diferentes, sem abusos, sem exploração, sem discriminação, mas depois voltamos à realidade e pensamos que seria impossível … Estamos condenados a essa vida para sempre? Os trabalhadores não podem ser um motor de mudança nesta sociedade? A história tem mostrado que as coisas podem mudar.

Por: MIT-Chile

Para chegar ao socialismo, terá que haver uma revolução anterior, pois os empresários não vão querer perder facilmente seus privilégios. Essa revolução implica legítima defesa em armas dos trabalhadores e confrontos. Devemos conseguir que as forças armadas estejam divididas e que um setor se junte à revolução, parece um processo quase irreal, mas aconteceu. Inclusive em manifestações recentes, houve algo embrionário nesse sentido, por exemplo, alguns setores das forças armadas saíram para defender os indígenas no Equador. A revolução e a autodefesa nas armas é a parte difícil e violenta no caminho de construir uma sociedade oposta à atual, mas seria muito mais difícil continuar nessa sociedade capitalista em decadência, que já mostra vários sintomas de barbárie.

Um Chile socialista, depois da revolução e de que as e os trabalhadores tomem o poder, eliminaria a Constituição remanescente da ditadura de Pinochet e eliminaria todo esse parlamento atual de empresários e corruptos e a substituiria por uma Assembleia de trabalhadores e o povo organizados, como propuseram na época, os cordões industriais durante a Unidade Popular. Tomaria medidas concretas e legais para manter o poder sob os trabalhadores e espalhar o processo internacionalmente porque, caso contrário, o Chile ficaria isolado.

Algumas medidas necessárias para garantir uma sociedade socialista:

Renacionalização do cobre e dos recursos naturais, sob controle operário. Planificação da economia

Devemos acabar com a exploração: um mecanismo que rouba parte do trabalho dos operários, para isso. Que se acabe com o subcontrato e que todos os trabalhadores sejam diretos. Para isso, devemos tirar os empresários parasitas da produção. Expropriar as empresas sem pagar indenização aos empresários que lucraram por décadas à custa de nosso trabalho. Começar expropriando empresas que demitem pessoas ou estão em crise e coloca-las sob controle operário com apoio técnico.

Leia também:  Chile| As caras da revolução: Vicente Revello

A economia deve ser planificada para garantir, em primeiro lugar, as necessidades diretas da população: saúde, educação e moradia.

Emprego para todos, diminuindo as horas de trabalho sem redução de salário

Nós devemos acabar com o desemprego. Para isso, devemos lutar para reduzir as horas de trabalho sem reduzir os salários. Por uma escala móvel de salários e horas de trabalho que adequem às necessidades das e dos trabalhadores.

Romper com planos e organizações empresariais internacionais

Abaixo, a Iniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional da América do Sul (IIRSA) e o TPP (Tratado Transpacífico) que cedem nossa soberania. Romper com o Fundo Monetário Internacional e seus planos. Por uma segunda independência.

Fim às opressões

Direitos iguais entre homens e mulheres; nativos e imigrantes; pretos e brancos; cis-heterossexuais e diversidade sexual. Socialização do trabalho doméstico, aborto legal em hospitais, documentos para imigrantes, vagas de emprego para trans.

Desenvolvimento da ciência e da indústria através de uma economia planificada que não destrua o ecossistema

Produção de acordo com as necessidades da humanidade e não com o lucro dos empresários. Economia planificada organizada e decidida por todos os trabalhadores e comunidades, para não afetar o meio ambiente e tentar reverter os danos do capitalismo.

Fim aos empresários. Todo/as mundo tem a obrigação de trabalhar

Por uma sociedade sem classes sociais, na qual todo/as trabalhamos. Para cada um de acordo com sua capacidade.

Uma revolução socialista internacional para conquistar um governo de trabalhadores sob a democracia operária

Para conseguir o dito anteriormente, precisamos organizar uma revolução no Chile e no mundo, é uma tarefa difícil, mas não há possibilidade de melhorar esse sistema apenas através de reformas. A sociedade socialista baseia-se na socialização dos meios de produção, o contrário da propriedade privada do empresário. Requer democracia operária, ou seja, assembleias onde operários e trabalhadores decidem o futuro, com representantes com cargos revogáveis, para evitar a burocracia.

Leia também:  Não são 30 pesos, são 30 anos. Alguns marcos das lutas mineiras nos últimos 30 anos no Chile

Tradução: Lena Souza