O senado aprovou a Acusação constitucional contra Chadwick que o desabilita de exercer cargos públicos durante 5 anos. Muitos parlamentares, após o resultado, disseram frases como “o parlamento demonstrou estar à altura”, “com isto fica nítido que as violações dos DDHH não ficarão impunes”, etc.

Por: MIT-Chile

Entretanto, sabemos que é só uma limpeza de imagem que tentam fazer, pois o próprio parlamento foi responsável pelas leis que só reprimem e criminalizam os protestos. Se Chadwick pôde ter esse mínimo castigo, foi pela forte pressão e resistência com mobilização do povo trabalhador nas ruas. É alguma coisa, mas ainda totalmente insuficiente e que não responde ao verdadeiro dano cometido contra os assassinados, torturados/as, abusados/as e presos por lutar.

Nesta acusação vimos comentários repudiáveis como o de Iván Moreira (UDI) que para defender Chadwick disse “estamos falando da vida de uma pessoa”, o jornal El Mercurio que ontem escreveu que se essa acusação fosse aprovada seria uma “grave morte cívica não poder exercer cargos públicos por 5 anos”. Bem, há 26 pessoas das quais sim podemos falar de sua vida, sua vida que foi tirada sob o Estado de Emergência e a repressão imposta por este governo, essas 26 pessoas tiveram uma morte real, não cívica.

Chadwick e Piñera tem total responsabilidade sobre o ocorrido, foram responsáveis por declarar Estado de emergência, não se trata então só de “omissão” diante das violações de DDHH como a oposição destacou em sua acusação, e sim de uma clara intenção de reprimir. Por isso o resultado da acusação é insuficiente, não é possível que alguém responsável por tantas barbaridades contra o povo trabalhador chileno só seja impedido de participar em cargos públicos por 5 anos.

Enquanto por outro lado, como se fosse uma brincadeira cruel, no parlamento continuem impulsionando projetos para criminalizar “aquele que dança, passa” [modalidade de protesto que consiste em fazer os motoristas descerem de seus carros e dançarem para continuarem seu caminho] já que poderia ser penalizado com 541 dias a 5 anos de prisão (segundo proposta enviada por Piñera) ou até 3 anos (segundo projeto do senador Harboe PPD).

Chadwick deve pagar com a prisão, ao ser responsável pelos assassinatos, estupros e torturas. Mas junto com Chadwick devem pagar com prisão Piñera, Mario Rozas, e os generais que decretaram o Estado de emergência em diferentes áreas, e todos os responsáveis pelas violações dos DDHH.

Fora Piñera! Nenhuma confiança na Acusação constitucional contra ele!

Com esta acusação contra Chadwick não se pode esquecer que o principal responsável pela violação dos DDHH é Piñera, no entanto Piñera não deve sair do governo só por isso, mas também por ser reflexo das 10 famílias mais ricas deste país que só fizeram sua fortuna à custa de fraudes e de saquear os recursos dos trabalhadores. Por isso é vital que nossa primeira tarefa seja derrubar Piñera. Entretanto, a saída de Piñera via acusação constitucional (com este mesmo parlamento) ou o Pacto Social como a Frente Ampla (FA) e o Partido Comunista (PC) propõem é uma armadilha.

Uma acusação feita seguindo o caminho dos mesmos artigos da Constituição de 80 imposta na ponta do fuzil pela ditadura, e que além disso, está tendo dificuldade já que partidos como o Democracia Cristã (DC) e uma parte do Partido Socialista (PS) se negam a apoiá-la. Se deixarmos essa tarefa para eles e esperarmos que estas instituições  e os partidos políticos tradicionais façam esse trabalho, voltaremos ao beco sem saída de sempre.

Mas ainda assim, se o parlamento com deputados e senado aprovassem a destituição de Piñera, viria a assumir o Ministro de Interior Blumel, como Vice-presidente da República, com o objetivo de convocar novas eleições num prazo máximo de 120 dias. Eleições com as mesmas regras das instituições empresariais, onde vimos que após 30 anos de eleições “democráticas” após a ditadura, nossa situação continua piorando, porque há um problema mais profundo, que é o sistema econômico e social capitalista.

Por isso Piñera deve cair pela força da mobilização, a partir da organização de um plano de luta que contemple uma greve geral que paralise os setores produtivos da economia, mas tirar Piñera é apenas um primeiro passo, pois devemos lutar pela liberdade dos presos políticos, por comitês ou organizações da classe trabalhadora que investiguem e resolvam sobre os casos das violações dos DDHH. Devemos lutar para recuperar o que por décadas as 10 famílias mais ricas deste país nos saquearam, lutar para acabar com as AFPs, pelo perdão das dívidas dos trabalhadores,etc.

Fora Piñera assassino! Lutemos para libertar os presos políticos que se levantaram contra esta ordem patronal! Recuperemos o que nos saquearam por mais de 30 anos! Assembléia Constituinte livre e soberana! Por um governo operário e popular conquistado por uma revolução socialista!

Tradução: Lilian Enck