COMPARTILHAR

Dia 1 de agosto foi o Dia da Sobrecarga da Terra de 2018. O que quer dizer isto? Que até esse dia nós humanos gastamos todos os recursos da Terra disponíveis em um ano de forma sustentável, isto é, com tempo de se renovar. A partir desse dia todos os recursos que gastemos não poderão se renovar no ritmo em que consumimos.

Por: Corriente Roja

Por que isto ocorre? Nosso planeta é um ecossistema gigante que tem uma capacidade de carga concreta, isto é, até que ponto as populações de espécies que vivem nele podem crescer. No caso dos humanos, nosso crescimento se mede com a quantidade de recursos que utilizamos, quanto espaço necessitamos para converter esses recursos em bens (produção) e quanto espaço necessitamos para desfazer-nos dos resíduos dessa produção. Tudo isto recebe o nome de pegada ecológica, e quando esta é maior do que a capacidade de carga, então estamos em uma situação de déficit ecológico, que é a situação na qual entramos nós humanos a partir deste 1 de agosto.

É evidente que, se esta situação durar muito mais, nossa produção se tornará insustentável. Que soluções os especialistas oferecem para que possamos resolver de forma conjunta esta situação? Reciclar, comprar mais produtos de segunda mão, gastar menos água, comprar produtos ecológicos ou de cultivos sustentáveis, usar mais transporte público, e de maneira geral, consumir menos.

Mas, de que serve reciclar se as grandes multinacionais continuam gerando milhares de resíduos pela sua produção nada sustentável? De que serve comprar produtos de segunda mão se as empresas continuarão produzindo em função de seus próprios benefícios e não das necessidades reais da sociedade? Por que deveríamos gastar menos, nós a maioria da população, quando há milhares de pessoas que carecem de água potável, e quando as águas são contaminadas por grandes fábricas que produzem sem controle?

Leia também:  Brasil: O meio ambiente e a população pobre em perigo

Que famílias trabalhadoras – que somos a maioria da sociedade – podem permitir-se comprar diariamente produtos ecológicos, quando já é suficientemente difícil chegar ao fim do mês com os produtos do supermercado, e de que serviria se a maioria dos cultivos não é sustentável? Os serviços públicos são cada vez menos e de pior qualidade porque os governos, a serviço das grandes multinacionais, não param de privatizá-los para seu próprio benefício, e as medidas de austeridade, consequência da crise capitalista, fazem com que seja cada vez mais difícil “consumir” inclusive os produtos mais básicos.

Por que devemos ser nós, a classe trabalhadora, a maioria da sociedade, a responsável por solucionar a crise ambiental que principalmente os capitalistas causam? Há um principio no qual os marxistas poderíamos ter acordo com os ecologistas: quem contamina paga. Não somos nós os que contaminamos, porque não somos nós os que controlamos como se produz. Quando a classe trabalhadora controlar os meios de produção e a controlaremos de acordo com as necessidades sociais e não em benefício de uns poucos, poderemos comprovar se a crise ambiental era culpa dos “humanos” ou de um sistema injusto e aleatório.

Tradução: Lilian Enck