Atividades da semana

Segunda (24/09)

– Greve regionalizada

– Atividades em todas as regiões

– Passeata e panfletagem em San José, 10hs do Parque Central  à Assembléia Legislativa

Terça (25/09)

– Greve regionalizada e atividades em todas as regiões

– Em San José – Professores  9hs  na  Fonte da Hispanidad

– Outros sindicatos: 9hs nos Parque de la Merced

– Passeata à Assembléia Legislativa

Quarta (26/09)

GRANDE PASSEATA NACIONAL

Saída:  10hs da estátua de León Cortés em direção da Assembléia Legislativa

Quinta (27/09)

– Greve regionalizada

– Atividades em todas as regiões

– Caravanas de veículos em todo o país

– Em San José: 10 da manhã Concentração em frente à Assembléia Legislativa

Sexta (29/09):

– Greve regionalizada

– Atividades em todas as regiões

– Em San José: passeata à tarde-noite às 16h do Parque Central à Plaza de la Democracia

Sábado (29/09)

– Greve regionalizada

– Atividades em todas as regiões

– Em todo o país plantões e vigílias nas casas de deputados.

A Associação Sindical Costarriquense de Telecomunicações e Eletricidade (ACOTEL) denuncia e solicita  explicação da administração superior  do Instituto Costarriquense de eletricidade (ICE) sobre o uso de veículos da instituição para transferir oficiais da força pública e antimotim, em casos como Moin e Garita onde atacaram a trabalhadores iceístas que exerciam o seu direito de protesto

Algumas imagens das atividades deste fim de semana

Marvin Rodríguez, segundo vice-presidente da República do governo de “unidade nacional”: “Muitos líderes sindicais mentiram. Se mentiu muito (…). Esta greve concentrou-se em muitas mentiras e isso não está dentro da lei “.

Quem é agora o segundo vice-presidente da República e trata de mentiroso o movimento sindical, foi um dos principais líderes da greve por tempo indeterminado dos sindicatos de professores em protesto contra erros no pagamento de salários em 2014, no final do Governo de Laura Chinchilla. A greve dos educadores demitiu Chinchilla (2010-2014) e recebeu ao presidente Luis Guillermo Solís (2014-2018).

Hoje, o ex-líder sindical se diferencia e diz: “este governo nunca negou o direito de dialogar e nunca fechou janelas ou portas para o diálogo, à negociação. Eles (os sindicatos) se concentraram em mentir para os costarriquenhos dizendo que não abrimos o diálogo e isso não é verdade “.

O governo do PAC mostrou ter uma política para cooptar membros da liderança e  movimentos sociais para evitar a mobilização. É por isso que insistimos, a posição das bases deve ser sempre vigilante de suas direções, e exigir que tudo seja discutido em assembleias, desde ações cotidianas até um acordo futuro que coloque fim à greve.

Antes das reuniões de negociação: Vamos exigir assembleias democráticas nas regiões e em nível nacional para definir o futuro da greve!

Derrotar o Plano Fiscal, assembleias e bloqueios em todo o país!

Tradução: Lena Souza