Em primeiro lugar, agradecemos a cada um/a de nossos/as companheiros/as presos/as, em todo o país, que estão na mesma situação que nós. E também aos e às jovens manifestantes por estarem sempre conscientes das injustiças e por serem os primeiros a dizer, basta!

Agradecemos, finalmente, nossas famílias, amigos e todas as pessoas que continuam se manifestando, para que as coisas mudem. Todos nós merecemos poder nos manifestar livremente, sem ser brutalmente reprimidos, presos ou mortos. Todos nós merecemos tomar decisões, para tornar este país mais justo.

Geralmente, não ter acesso à informação prejudica muito quando se trata de obter desenvolvimento cognitivo, além de não ter acesso ao conhecimento, nos coloca em situação desigual com aqueles que têm. As decisões no país são tomadas por poucos, enquanto essas decisões afetam a todos nós.

A maioria sofre de transtornos devido a várias desigualdades sociais.

O colapso total toma as rédeas de nossos pensamentos, invadidos pelo desconforto. Não podemos esquecer que o humano também faz parte da natureza, dos animais e do próprio planeta.

Por instinto, nos manifestamos para sobreviver, sabendo o que nos afeta como sociedade.

A grande maioria vem tendo como pano de fundo da revolta social que, desde 18 de outubro, arremeteu em massa o oásis de poucos.

Nós nos reconhecemos como presos políticos. Diante desse cenário, somos centenas e centenas de milhares que, em todo o país, saímos às ruas para enfrentar as injustiças do governo de Piñera e as brutais repressões.

Apesar de estarmos atrás das grades, não nos vemos como vítimas, mas como parte da luta coletiva que os povos desta região e do mundo estão levando contra o capitalismo.

Aqui estamos com nossas cabeças erguidas e unidos. Apelamos a que continuem os atos de solidariedade aos presos políticos e a continuar nossa luta, que é a luta de todos e todas. Dói na alma cada ferido, preso, desaparecido e morto. Além da angústia da família e dos amigos.

Uma das coisas que chama a atenção é que o governo e os parlamentares colocam em primeiro lugar a propriedade e não vidas humanas. É muito frustrante que eles se preocupem com coisas materiais e não com os problemas sociais que arrastamos por décadas.

Muitas propriedades foram destruídas, mas não somos agressores ou assassinos de pessoas inocentes. Estamos aqui para nos defender da repressão, enquanto os pacos (policiais) continuam a matando e mutilando.

Na sociedade de hoje, as drogas são abundantes para o estresse, ansiedade, depressão, o que apenas nos torna consumidores mais dependentes. No entanto, nem este nem nenhum governo se encarregou da saúde mental da população.

Por que a sociedade em que estamos é tão dependente de pílulas e tratamentos?

Por que a psiquiatria se limita apenas a prescrever receitas e não nos explica o que causa essas doenças?

Estamos à deriva de qualquer doença mental, o pensamento nunca foi incentivado como uma atividade estimulante para o ser humano. A educação nos automatiza, esse sistema é baseado na competição do mercado e no individualismo.

Enquanto houver miséria, haverá rebelião!

Adiante os que lutam!

Fora Piñera!

Julgamento e punição de todos os pacos e milicos e os responsáveis políticos pela repressão!

Abaixo os muros da sociedade prisional!

Liberdade para os presos e presas manifestantes!

Tradução: Lena Souza