Nos dias 18 e 19 de outubro, éramos centenas de milhares de pessoas protestando nas ruas de todo o Chile, apesar dos números falsos de 25 mil pessoas divulgados pela polícia. Embora um centro nevrálgico seja a Plaza Dignidad em Santiago, houve uma ampla resposta nas regiões. Antofagasta, Arica, Iquique, La Serena, Coquimbo, Viña del Mar, Valparaíso, Rancagua, Concepción, Valdivia, entre outras capitais da região, foram o centro de importantes manifestações com barricadas, bloqueios de estradas como foi o caso em Coquimbo e confronto com forças repressivas de Piñera.

Por: MIT-Chile

Em Santiago, vários municípios protestaram até tarde da noite, em Puente Alto o confronto na delegacia de carabineiros, os protestos em Maipú, Pudahuel, San Bernardo, Lo Hermida, La Florida, entre outras comunas, também mostram que o processo de luta e organização territorial ainda está viva.

Na Plaza Dignidad as pessoas começaram a chegar às 10 da manhã, e o protesto continuou até por volta das 20 horas. Continuou estando presente a primeira linha e, por outro lado, houve confrontos que deixaram duas igrejas queimadas, uma das quais pertencia aos carabineiros. Esta realidade mostra que o Chile e nossos irmãos trabalhadores/as imigrantes ainda estão totalmente acordados, há pouco mais de um ano o Chile acordou e dificilmente voltarão a nos adormecer. Isso, apesar de toda a campanha governamental, a ex-concertação, da Frente Ampla com a figura do Boric e outros setores, que sistematicamente chamavam à não mobilização, seja porque “tem que ter cuidado para ir votar no dia 25 de outubro” ou porque a situação de pandemia é um risco.

É que a classe trabalhadora e os setores mais empobrecidos sabem que o principal risco é esse sistema capitalista, os governos de turno e em particular o governo criminoso de Piñera, que foi responsável pelas quase 15 mil mortes após a pandemia, responsável pelos mais de 40 assassinados após a explosão social (lista à qual se junta tragicamente o camarada Aníbal Villarroel), responsável ​​pelo desemprego, pelas aposentadorias de fome, pelo fato de termos companheiros presos políticos e pela crise de saúde. É por isso que nestes 18 e 19 de outubro, um ano após o início da revolução, não pudemos simplesmente lembrar essa experiência de nossas casas, porque todos os males pelos quais  explodimos há um ano continuam e com a pandemia e a crise econômica global se agravaram para nossa classe.

Obviamente, a imprensa e o governo Piñera se concentraram em criminalizar a luta e principalmente a primeira linha , até acusando os “violentos” de quererem boicotar o plebiscito e agora, com urgência, pede um projeto de lei que busque que os partidos políticos têm a obrigação de condenar o uso, “defesa ou incitamento à violência em qualquer das suas formas como método de ação política”. Em particular fazem este chamado aos partidos reformistas da Frente Ampla (FA) e do Partido Comunista (PC), um chamado que não demorou a responder por meio de figuras de Jadue (PC) e Beatriz Sánchez (FA), que indicam que condenam a violência “de onde ela vier”.

Ao contrário do que faz o reformismo, devemos fazer um amplo apelo à defesa da primeira linha, são pessoas que colocaram a vida à disposição para defender o protesto pacífico da repressão, são nossos irmãos / irmãs, filhos, familiares e amigos / as ou companheiros em geral, são nosso bastião inicial para autodefesa. Em algumas ocasiões, se houver métodos errados, podemos e devemos polemizar contra esses métodos, mas em nenhum caso entregá-los à repressão dos que estão acima, como o PC e a FA avançam para fazer, que em seu momento votou a lei antisaque, é uma premissa básica da solidariedade e defesa entre nossa classe, a classe trabalhadora. Se esses partidos se dizem em defesa do povo, pelo menos deveriam abandonar esse discurso de repúdio à violência “venha de onde vier”. Caso contrário, continuarão a demonstrar seu papel na defesa deste sistema de fome e miséria, porque uma coisa é a legítima defesa e outra é a repressão do estado burguês com balas, gás lacrimogêneo e seus tanques lança água e gás: a autodefesa é uma resposta à violência sistemática e assassina dos que estão acima.

Esta luta revolucionária não acontece sem contradições

Uma dessas contradições foi o que aconteceu na Plaza Dignidad com a luta brutal das torcidas de futebol, um fato que vai na contramão daquela unidade exemplar que vinha ocorrendo contra os de cima. A verdade é que esse tipo de situação só favorece o governo e a burguesia, pois nos divide como setores que lutamos e coloca o foco não em nosso inimigo criminoso comum, que é Piñera e suas forças repressivas mas em nossos aliados na luta. É por isso que vários trabalhadores e pessoas no protesto repudiaram essa briga das torcidas, inclusive tentando intervir fisicamente para separar sem muitos resultados, por isso também tem especulações que poderia haver incitadores dessa ação que tivessem ligações com o governo e / ou suas forças repressivas. Acreditamos que havendo ou não incitadores, é preciso tirar lições desse fato, os lutadores e setores antifascistas das torcidas devem deixar claro e fazer um apelo para que não se repita.

Outra contradição da Plaza Dignidad é que foi dado muito espaço para música e festa e pouco espaço para ser um ponto de encontro e discussão de saídas políticas sobre como podemos continuar nossa luta para que não sejamos enganados pelos de cima e não nos cansemos pela falta de projeto. É algo que também deve ser superado, por exemplo, dando espaço para que na rádio que toca a música haja espaço para a intervenção de trabalhadores, moradores, militantes de assembleias territoriais, a primeira linha, defensores dos direitos humanos, etc.

Tudo isso, com suas contradições, mostra que esse início da revolução ainda está vivo e que os que estão no topo querem fazer de tudo para impor sua contrarrevolução (seja com promessas de mudança ou com repressão). Dizemos que isso é uma revolução porque desde 18 de outubro do ano passado houve uma irrupção da classe trabalhadora na cena política, não se quer mais nada do velho, não confiamos mais em nada do velho. No entanto, falta o caminho que devemos traçar para alcançar os triunfos.

Nem a pandemia nem o Processo Constituinte conseguiram deter a luta

Após o dia de mobilização de 12 de novembro do ano passado, os tradicionais partidos empresariais até o reformismo da Frente Ampla, estavam assustados com o poder de luta da classe trabalhadora, em particular por causa de importantes setores da mineração e dos trabalhadores portuários Por isso, para tentar contê-los, assinaram um Acordo de Paz que propunha desde o início um intricado Processo Constituinte, o objetivo desse Processo para eles tem sido instalar uma armadilha para que tenhamos ilusões e saiamos das ruas. O que esse Processo Constituinte reflete para muitos lutadores é que foi algo conquistado pelas mobilizações nas ruas, que Piñera se recusava a entregar, e só foi conquistado por essa revolução.

O Processo Constituinte é ao mesmo tempo: uma armadilha e por sua vez uma conquista que sem revolução não teria sido arrebatada aos de cima. Mas o importante de tudo é que este desvio para nos tirar das ruas que os  de cima queriam impor ainda não puderam levar a cabo, porque esta luta explodiu devido às péssimas condições de vida que continuamos a ter e esteve fora dos partidos do regime e, por isso continua até agora. É muito importante votar aprovo este 25 de outubro, mas o mais importante é não se deixar levar por ilusões e cantos de sereia e, como fizemos, não podemos deixar as ruas para não dar aos de cima um segundo de manobra.

A pandemia foi outro fator catastrófico que nos obrigou a sair das ruas para evitar adoecer e morrer … vimos que a falsa quarentena de Piñera-Mañalich-Paris foi apenas repressão com toque de recolher e morte, por isso não basta continuar trancado nas casas. Ao contrário do que disse Gabriel Boric, temos que lutar inclusive para garantir nossas vidas, assim como fez os/as TENS (técnicos de saúde) para ser incluída no Código de Saúde, só com luta podemos conquistar um sistema de saúde e uma economia que está a serviço da vida e da humanidade, e não ao serviço do lucro dos empresários.

Repressão direcionada: populações e regiões versus Plaza Dignidad

Antes de 18 de outubro, informaram que haveria um contingente de 40.000 policiais em todo o Chile, porém, esse contingente não foi percebido na Plaza Dignidad, dizia-se que a política de Piñera diante da repressão era “deixar fazer”, ou seja, permitir a manifestação na Dignidad e evitar atacar a primeira linha. É verdade que na Plaza Dignidad a repressão veio depois, ao contrário de outras vezes em que já começava sob cerco. No entanto, a situação não era a mesma nas populações ou nas regiões. Em Antofagasta, soldados foram vistos atirando em manifestantes, em Santiago, na municipalidade de Pedro Aguirre Cerda, os policiais assassinaram Aníbal Villarroel, em Valdivia a repressão também foi mais dura.

Isso exige que fortaleçamos a autodefesa coletivamente organizada nos territórios, busquemos mecanismos para evitar que forças repressivas entrem nos locais de manifestação e, caso o façam, tenhamos um plano de defesa mais desenvolvido.

Como continuar essa luta?

As mobilizações deste 18 e 19 de outubro são um golpe moral para perceber que ainda estamos vivos nessa luta. Agora devemos ver como continuar. Em primeiro lugar, não podemos largar as ruas, mas também não basta só isso, é preciso avançar para um plano de luta que incorpore os operários da mineração, os portuários e outros setores de forma organizada, paralisando a produção, o movimento operário com suas máquinas também pode ajudar a melhorar a autodefesa. Devemos voltar ao caminho de 12 de novembro do ano passado: greve geral e protestos nos territórios. A CUT dirigida pelo PC, partido de Jadue, deve deixar seu silêncio e meras negociações com o governo e deve assumir a liderança na elaboração de um plano de luta. Outras organizações, como as Assembleias Territoriais, a Coordenadora Feminista 8M, etc., também devem trabalhar em um plano de luta. Se é uma questão de luta, deve haver unidade para agir.

Esta luta deve ser combinada com a nossa participação ativa no Processo Constituinte, primeiro indo votar pelo aprovo, mas não depositando nenhuma confiança nele ou nos enganos dos partidos da ex-concertação ou reformistas como o PC e a FA que dizem que a votação vai mudar tudo, porque como já dissemos, o processo está cheio de armadilhas.

É por isso que o MIT chama a aprovar, mas acima de tudo aprovamos a luta para destituir o governo criminoso de Piñera e de todos eles, garantia básica para um processo constituinte minimamente mais democrático. Aprovamos a libertação imediata dos presos políticos porque agora cabe a todos nós defender nossos camaradas da primeira linha. Aprovamos avançar no fortalecimento da autodefesa e insistir na convocação para que as bases das forças repressivas rompam com seu alto comando e passem ao lado desta revolução. Aprovamos recuperar o que os Luksic, Piñera, Angelini, Matte, etc. nos roubaram durante décadas, expropriando todo o patrimônio que  eles têm para colocá-lo sob controle dos trabalhadores e que as riquezas que todos produzem estejam ao serviço da humanidade e não seu lucro. Aprovamos continuar lutando por uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana, sem Piñera e os mesmos de sempre.

Mas acima de tudo, aprovamos que a única garantia de uma vida digna a serviço da humanidade é que, através de nossa luta e organização, avancemos para que a classe trabalhadora seja quem assuma o poder, porque nenhum governo empresarial seja de  Esquerda ou direita, provou defender nossa vida.

Se ganhar a aprovação, são apresentados candidatos ao Processo Constituinte, devem ser independentes e com esse claro projeto de luta, devem usar a plataforma das candidaturas para divulgar amplamente todas as armadilhas do processo e a necessidade de continuar mobilizados por essas reivindicações. A democracia dos ricos impede que candidatos independentes da classe trabalhadora concorram com facilidade, por isso convocamos os partidos legais que dizem apoiar esta mobilização a possibilitar candidaturas sem qualquer compromisso político-programático ou financeiro, porque este Processo O constituinte deve ser daqueles que deram sua energia nesta luta que começou há pouco mais de um ano.

Tradução: Lena Souza