Basta de perseguição a Orlando Barrantes


Nos dias 21 e 22 de abril, realizar-se-á, no Tribunal do Júri, II Circuito Judicial da Zona Atlântica (Costa Rica), o julgamento do camarada Orlando Barrantes.


 


Orlando é secretario geral da CONATRAB, um sindicato que agrupa os trabalhadores bananeiros e camponeses. Também é presidente da Coordenadora de Moradia para a Costa Rica, dirigente da Central Geral dos Trabalhadores (CGT) e militante do Movimento de Trabalhadores e Camponeses. Desenvolve, além disso, atividades de assessoria a outros sindicatos e de colaboração com grupos de artesãos, comunidades que lutam para melhorar os serviços médicos públicos, grupos indígenas e grupos de mulheres chefes de família.


 


É acusado de realizar um fantasioso “seqüestro extorsivo” contra policiais antimotins durante uma greve na cidade de Limón, em dezembro de 2000. A acusação é ridícula e sem fundamento, mas o Ministério Público pediu 60 anos de prisão.


 


A comissão que se formou em sua defesa e solidariedade assinala que, na Costa Rica, “é evidente o aumento dos julgamentos contra dirigentes sindicais e comunais. A recente condenação a um ano de prisão de Célimo Guido pelo fechamento de estradas contra RIVETE deve ser um alerta para todos os que lutamos pelos pobres deste país“. Por outro lado, o que acontece na Costa Rica repete-se no conjunto da América Latina com o crescimento constante da perseguição aos lutadores, fato que tem sido chamado de “criminalização dos protestos sociais”.


 


Orlando recebeu a solidariedade e o rechaço ao julgamento ao qual está sendo submetido de numerosas organizações sindicais, sociais e políticas da Costa Rica, América Latina e do mundo.


 


Ante a iminente realização do julgamento, urge redobrar esta campanha contra a perseguição a este lutador costarriquenho e para impedir que seja preso. As cartas e e-mails devem ser enviados a: [email protected]


 


SI da LIT-CI