A LIT envia condolências aos companheiros da Articulação Revolucionária dos Trabalhadores/as (ART) do Equador, bem como à família e amigos ante o falecimento de Danielito Merino Balseca. Reproduzimos a seguir a carta dos companheiros de nossa organização irmã no país:

Até o socialismo sempre camarada Danielito Merino!

No dia 30 de maio faleceu Daniel Merino Balseca. Danielito, como o chamávamos, foi nosso companheiro de militância política por muitos anos, acompanhou nosso processo de organização desde a juventude, nos sindicatos, nas mobilizações sociais e na construção do Movimento Ao Socialismo (MAS) em 2004.

Antes da fundação do MAS, Danielito foi militante ativo do Movimento Socialista dos Trabalhadores (MST) que era a seção equatoriana da Liga Internacional dos Trabalhadores (LIT-QI) nos anos 1970. Como trabalhador do Comissariado TAPS, se vinculou à luta sindical na Federação dos Trabalhadores de Pichincha (FTP).

Neste local participou como dirigente da greve dos trabalhadores para reivindicar os seus direitos, na qual a patronal despediu vários trabalhadores, entre os quais Daniel. Posteriormente trabalhou nos alamcenes Rubén German onde continuou seu ativismo sindical e político. Em 2004, Daniel era o único militante de ascendência operária que se reivindicava trotskista da linha de Nahuel Moreno no país. Assim, após a explosão social de 21 de janeiro de 2000, que resultou na queda de Jamil Mahuad, ele foi uma das principais referências que possibilitou posteriormente a fundação do Movimento Ao Socialismo (MAS).

Já aposentado, participou na liderança do bairro e de diferentes frentes de resistência como a Assembleia Popular da Praça Grande, a Associação de Familiares e Amigos dos Desaparecidos do Equador (Asfadec), da Federação de Bairros de Quito (FBQ), na Coordenadoria Unitária de Trabalhadores, Camponeses e Organizações Populares (CUTCOP), na Frente de Defesa – IESS, entre outros espaços.

A sua personalidade alegre, o seu espírito e sentido de solidariedade fizeram dele uma referência entre os jovens militantes do MAS, organização antecessora da ART. Também se destacou pela disciplina e honestidade, pois, da mesma forma que cumpria sua palavra, por muito tempo cuidou das finanças de nossa organização.

Danielito nos deixa a lembrança de seu bom humor e alegria, mas acima de tudo nos deixa o legado de sua perseverança, disciplina operária e sua convicção internacionalista contra este sistema genocida e a firmeza e integridade de quem nunca desistiu.

Honraremos a vida de Danielito Merino, defendendo seus ideais contra este sistema que destrói a saúde, a vida, o meio ambiente e a humanidade!

Quito, 30 de maio de 2021

Equipe de Direção da Articulação Revolucionária de Trabalhadores, ART