Uma onda de saques, incêndios de supermercados, caminhões e veículos começou na última sexta feira (9) na África do Sul.

Por: Cesar Neto*

O estopim foi prisão do ex-presidente Zuma, pelas inúmeras acusações de corrupção.

Por esse mesmo motivo Zuma sofreu um impeachment, no qual o seu próprio partido, o CNA (Congresso Nacional Africano), majoritário no Congresso, o afastou do cargo.

Assumiu interinamente a presidência da República, Cyril Ramaphosa (CNA), que depois se elegeu e se tornou presidente do país.

De fato, a prisão de Zuma expressa a explosão da crise interna do CNA. Há 25 anos no poder, o consórcio CNA, a central sindical COSATU (Congresso dos Sindicatos Sul Africanos) e o Partido Comunista da África do Sul, que se transformou em um partido muito parecido ao velho PRI (Partido Revolucionário Institucional) do México. Isso está evidenciado numa estrutura política na qual não se sabe onde termina o partido e começa o Estado.

Então, as mobilizações que estão se dando, expressam a explosão da Nação Arco Íris projetada por Nelson Mandela.

Os saques começaram na região do qual Zuma tem sua base eleitoral e em alguns bairros periféricos de Johanesburgo. Poderíamos dizer que, inicialmente, foram em apoio a Jacob Zuma, mas que logo adquiriu dinâmica própria e se transformou em ações de massas.

Hoje as manifestações se espalharam por todo país, inclusive em Western Cape, onde o CNA perdeu as últimas eleições.

Mais de 200 pessoas foram presas e em torno de seis pessoas mortas, possivelmente pela ação da polícia, sem qualquer tipo de distinção. Mas em muitos vídeos observamos os policiais acuados pela ação das massas, desempregadas e famintas, que realizam os saques nos supermercados e lojas.

Esta situação de desemprego e pobreza, já antes da pandemia, era alarmante. O desemprego estava acima de 30%. A instituição de novo lockdown, sem recebimento de benefício, também é um elemento explosivo em um país onde o trabalho informal é preponderante. Por isso, em vários vídeos vemos declarações como essa: “nós não temos comida, a comida está lá dentro dos supermercados e por isso os saqueamos”.

Toda solidariedade aos trabalhadores e ao povo pobre em luta!

  • publicado originalmente em: http://cspconlutas.org.br/2021/07/africa-do-sul-em-chamas-por-cesar-neto/