Em vários artigos publicados neste site, analisamos o significado político da derrota imperialista na guerra do Afeganistão. Agora queremos nos referir a outro aspecto: os grandes lucros que essa guerra representou para certas empresas.

Por: Alejandro Iturbe

Pois o capitalismo transforma tudo em negócios, até as piores tragédias como as guerras. Uma premissa que mantém toda a sua validade no quadro da dura derrota que sofreram as forças imperialistas no país. A BBC, principal meio de comunicação de um dos países derrotados, expressou em um artigo: “O que para muitos pode ter sido uma guerra perdida, para outros foi uma oportunidade de obter grandes lucros” [1].

Vejamos o montante total de dinheiro que o orçamento dos Estados Unidos movimentou neste conflito (ao qual teria que somar o que gastaram as outras potências imperialistas). “O conflito no Afeganistão custou ao Tesouro dos Estados Unidos cerca de US $ 2,3 trilhões, segundo cálculos da o projeto Cost of War na Brown University (Rhode Island) ”[2].

A terceirização da guerra

Neste contexto, as guerras do Afeganistão e do Iraque revelaram um facto novo em relação a outras guerras que o imperialismo travou no passado: a terceirização de toda uma série de operações e serviços que antes eram realizados por unidades militares e militares oficiais. “Uma parte substancial desses fundos foi usada para pagar os serviços de empresas privadas que apoiaram as operações dos EUA no Afeganistão. […] No geral, havia o dobro de contratados do que soldados estadunidenses […] o que significava que os contratados carregavam o combustível nos aviões, dirigiram os caminhões, cozinharam, limpavam, pilotaram helicópteros e transportavam todos os tipos de equipamentos e materiais . Também construíram bases militares, aeroportos, pistas de pouso, etc.… »[3].

Mais de uma centena de empresas (dos Estados Unidos e de outros países) receberam contratos do Pentágono para realizar todos os tipos de serviços no Afeganistão e entre elas estavam algumas que tinham receita de bilhões de dólares. As cinco primeiras incluem: DynCorp International: US$14,4 bilhões, Fluor Corporation: 13,5; Raiz Kellogg Brown (KBR): 3,6; Raytheon Technologies: 2,5 e Aegis LLC: 1,2. A fonte desses dados é a pesquisa de Heidi Peltier, diretora do projeto “20 Anos de Guerra” da Universidade de Boston. Peltier esclarece que “os números reais poderiam ser um pouco maiores se tivéssemos todas as informações disponíveis desde 2001”.

É importante destacar que várias dessas empresas não se limitaram a prestar serviços de logística, transporte e construção, mas assumiram tarefas próprias das forças militares e/ou de inteligência. Por exemplo, a DynCorp, entre outras atribuições, ficou encarregada de equipar e treinar a Polícia Nacional do Afeganistão e suas forças antinarcóticos, além de disponibilizar uma equipe de guarda-costas para a proteção de Hamid Karzai, quando ele era presidente do país. A Fluor operou 76 bases operacionais avançadas.

Essa questão da terceirização de ações e operações militares chegou a tal ponto que hoje existem empresas muito fortes especializadas nisso. Vimos o caso da DynCorp, mas talvez a mais famosa seja a Blackwater, fundada em 1997, definida como “uma empresa militar privada de mercenários dos Estados Unidos que oferece serviços de segurança” em todo o mundo [4]. Quase todo o seu faturamento vem de contratos com o Departamento de Estado e a CIA. Teve forte presença na guerra do Iraque, na qual seus homens tiveram imunidade diplomática e uma “carta livre” para realizar prisões e torturas.

O complexo militar-industrial

Já dissemos que o capitalismo transforma a tragédia da guerra em “oportunidade de negócios” para várias empresas. Esta oportunidade não é apenas para aqueles que realizaram tarefas diretas no Afeganistão e no Iraque, mas também para aqueles que compõem o chamado complexo militar-industrial [5]. Linda Bilmes, uma das especialistas consultadas pela BBC, destaca que, além das empresas já mencionadas, “as grandes empreiteiras de defesa dos Estados Unidos como Boeing, Raytheon, Lockheed Martin, General Dynamics e Northrop Grumman foram grandes beneficiárias da guerra no Afeganistão. Eles ganharam muito dinheiro com a guerra.

É difícil estimar quanto eles realmente faturaram pelo Afeganistão, pois seus contratos não foram contabilizados como diretamente ligados à guerra. “Todos elas conseguiram contratos para fazer coisas nos Estados Unidos que eram usadas no Afeganistão, mas não são contabilizadas como parte das despesas nesse país”, disse Heidi Peltier. No entanto, o que o relatório mostra é que “Entre os anos fiscais de 2001-2020, apenas essas cinco empresas compartilharam US $ 2,1 trilhões em contratos do Pentágono (calculados em dólares de 2021) ”.

Algo que se expressou em lucros muito grandes para essas empresas. Um artigo no portal de jornalismo investigativo The Intercept mostra que: “Se você tivesse investido 10.000 dólares nas cinco principais empresas militares dos EUA em setembro de 2001 e reinvestido todos os lucros desde então, o mesmo portfólio de ações hoje valeria dez vezes mais ”[6].

Como informação complementar, mas importante, não é por acaso que todas essas empresas contam com ex-militares ou militares aposentados em seus conselhos de administração que, quando estavam em atividade, ocuparam cargos muito elevados nas Forças Armadas. Uma fusão de interesses e negócios que dá um sentido muito profundo ao conceito de “complexo militar-industrial”.

Ao mesmo tempo, como é habitual no capitalismo, essa rotatividade nos contratos estatais implica em negociatas e uso ineficiente de recursos por parte das empresas contratadas. Isso é demonstrado pelos relatórios de John Spoko, nomeado por Barack Obama “inspetor geral para a reconstrução do Afeganistão”, em 2012. Relatórios permanentes que foram sistematicamente ignorados [7].

Entre outros fatos, Spoko denunciou em 2017 que 28 milhões de dólares foram desperdiçados na fabricação de uniformes camuflados para o exército afegão. O problema é que a camuflagem escolhida foi a usada para regiões com florestas e vegetação, absolutamente inúteis para o território predominantemente deserto e pedregoso do Afeganistão. Um fato que seria quase cômico se não fosse o contexto trágico em que ocorreu.

Referências:

[1] https://www.bbc.com/mundo/noticias-internacional-58440346

[2] Idem.

[3] Ibid.

[4] https://elpais.com/internacional/2014/07/02/actualidad/1404329138_563572.html

[5] Sobre este assunto, recomendamos a leitura do respectivo subtítulo do artigo “EUA: A dinâmica da economia e os setores da burguesia” https://litci.org/pt/63383-2/

[6] Citado em https://es.ara.cat/internacional/guerra-afganistan-negocio-billonario_1_4098709.html

[7] Idem.