Estamos nos últimos dias do julgamento contra Daniel Ruiz e César Arakaki, um julgamento repleto de vícios a serviço da Promotoria, chefiada por Juan García Elorreo e autorizada pelo Juiz Javier Ríos. Juiz que permitiu a apresentação de mais de cem testemunhas, em sua maioria policiais e integrantes da ouvidoria de Jorge Amor, enquanto que em nossa defesa aceitou apenas duas testemunhas.

Por: PSTU-Argentina

Apesar de todas essas irregularidades, eles não foram capazes de mostrar uma prova que determinasse a culpa de Daniel ou César. Isso está longe de motivar a absolvição, uma vez que o objetivo desta Justiça é estabelecer que todo trabalhador que se dispuser a se defender da repressão do Estado será preso e criminalizado, porque eles estão aí para garantir a impunidade do poder político. . Uma amostra foram os reacomodamentos de Comodoro Py e o Supremo Tribunal Federal assim que acabou as Primária Abertas Simultâneas e Obrigatórias (PASO).

Eles sabem que as medidas que vierem após as eleições serão acompanhadas de pauladas por parte do governo, como o acordo com o Fundo Monetário Internacional. Enquanto a fome cresce nos bairros, os preços dos alimentos continuam subindo, os grandes produtores agropecuários batem recordes de lucro e os dirigentes sindicais se destacam por sua ausência, embora os patrões avancem com reformas trabalhistas de fato.

Por isso, no dia 18 de outubro, convocamos um grande ato unitário, nas portas de Comodoro Py, de todos os que defendemos o direito de protestar, contra a criminalização e a defesa das primeiras.

Nesse julgamento final, Daniel Ruiz e o PSTU continuarão denunciando o mesmo que denunciamos desde 2017, que não esperamos absolutamente nada de bom desta Justiça e que longe de defender os trabalhadores, existe para acobertar os interesses do poder .

Por outro lado, vamos continuar impulsionando a auto-organização dos setores em luta e a necessidade de nos defendermos da repressão ao Estado por meio de suas forças de segurança, como fizemos em 18 de dezembro de 2017 e como as primeiras linhas fizeram nas mobilizações do Chile, Colômbia, Hong Kong etc.

Essas lutas são o exemplo de que ninguém vai nos dar nada e os únicos capazes de garantir nossas necessidades somos nós mesmos, tomando os problemas em nossas mãos. Organizando-nos para ir em busca de terras, para ter direito a uma casa, ir aos mercados buscar os alimentos que produzimos, combater a violência machista e impedir o saque de nossos recursos naturais.

Enquanto empresários e corruptos passam seus dias tranquilos esperando o julgamento, os lutadores, primeiro eles prendem e depois dizem a sentença. Ninguém vai devolver os dias de prisão a Arakaki, Ponce, os meses que está passando Sebastián Romero e o ano de Daniel Ruiz, mas nenhum trabalhador/a se esquecerá disso e logo a classe operária fará justiça popular com todos os responsáveis políticos e policiais.

Liberdade para Sebastián Romero!

Nulidade do julgamento de Daniel Ruiz e Cesar Arakaki!

Liberdade para Milagro Sala e todos os presos políticos!

O protesto social não deve ser processado

Pelo direito de nos defendermos da repressão do Estado