24S – Greve global pelo Clima!

Convidamos você a ler a revista especial Correio Internacional sobre o Colapso Ambiental. Reproduzimos abaixo a apresentação e ao final o link para baixar a revista completa

Apresentação

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) publicou no mês de agosto de 2021, o seu sexto relatório de avaliação destacando que a temperatura da Terra está subindo mais rápido do que o esperado e fazendo alertas alarmantes sobre as consequências da catástrofe climática para o planeta e, portanto, para a humanidade.

O relatório fornece evidências abundantes de que há mudanças no clima da Terra como um todo e afirma que muitas delas não têm precedentes em milhares e até centenas de milhares de anos, salientando que parte das que já estão ocorrendo, como o aumento do nível do mar, não poderá ser revertido em séculos.

Junto com o relatório podemos observar o mundo, através das notícias, e verificar a veracidade de suas conclusões. Aquilo que poderia parecer ser um problema para o futuro já vem se concretizando em fenômenos climáticos extremos que aumentam em intensidade, frequência e abrangência a cada ano, no presente. Tais eventos atingiram várias partes do mundo nos últimos 2 meses: Países da Europa, América do Norte, Ásia, Oceania e África foram atingidos por tempestades, inundações  ondas de calor, incêndios florestais e secas.

Porém os alertas dos cientistas não são novidade, eles são feitos há pelo menos 50 anos e enquanto isso os poderosos do planeta não fazem mais que organizar cúpulas ambientais, como a 26ª que vai acontecer em novembro desse ano em Glasgow, Escócia. Nelas apenas constatamos a sua incapacidade para cumprir os compromissos, que são esquecidos no dia seguinte, pois de fato são feitos apenas para acalmar as demandas das manifestações pelo clima que têm crescido nos últimos anos,

Tudo isso não está acontecendo, nem acontecerá sem consequências para a população do planeta. E elas são catastróficas para a humanidade, especialmente para aqueles que têm menos condições de se proteger das consequências da irresponsável interferência na natureza que incidem com peso nas condições sociais e econômicas e de saúde da população pobre do planeta. O mundo ainda está atravessando a pandemia da Covid-19, umas das piores pandemias da história, que já tirou milhões de vidas, perdas irreparáveis para as famílias, além de trazer outras consequências como a crise econômica, a perda de postos de trabalho, etc. E o aparecimento do vírus Sars CoV2 , assim como de outros vírus causadores de epidemias e pandemias, longe de ser de origem “natural” como tentam nos fazer acreditar,  é resultado da forma como se interfere nos processo naturais. E a lógica do lucro a qualquer custo, inerente ao capitalismo, trará também, como alertam especialistas, outras pandemias, que como a atual, poderiam ser evitadas.

Os responsáveis pela catástrofe são aqueles que controlam a riqueza, o poder e as decisões e que já provaram que são incapazes de resolver essa corrida do planeta em direção ao precipício.

Apesar dos discursos como “mudança de matriz energética”, “transição verde”, que tentam convencer uma parte da esquerda e dos movimentos ambientalistas de que é possível enfrentar a catástrofe climática fazendo algumas reformas no capitalismo, essa não é a nossa opinião. Afirmamos que o capitalismo é um sistema insustentável do ponto de vista social, econômico e também ambiental. Por isso é preciso derrotar esse sistema para construir uma sociedade sustentável, solidária e equitativa, uma sociedade socialista.

É por isso que convidamos você a ler os artigos que trazemos nesse especial, que além de aprofundar sobre todos os problemas que o sistema capitalista está produzindo para a vida no planeta, faz um resgate da visão marxista sobre a questão ambiental e da elaboração de Marx e Engels sobre as contradições inerentes e insustentáveis que um sistema baseado na acumulação incessante de capital possui com os recursos naturais finitos do planeta.

Também queremos destacar que não pretendemos, com este especial esgotar as discussões, mas sim iniciar um processo de elaboração, apoiado no marxismo, de um programa que dê respostas às necessidades colocadas pela urgência da catástrofe ambiental provocada pela destruição capitalista. Venha conosco nessa tarefa.

LEIA a revista completa em: https://litci.org/pt/colapso-ambiental-o-capitalismo-e-o-responsavel/