Covid-19 e vacinação: efeitos políticos e sociais diferenciados, nos diferentes países

Podemos estar certos de que os efeitos políticos e sociais da pandemia de Covid-19 estão longe de ter terminado. Nesta fase, podemos ver que o sofrimento popular e o descontentamento social não conduzem às mesmas exigências e reivindicações em diferentes partes do mundo. Na América Latina, África e Ásia, a procura de vacinação para todos desempenha um papel proeminente; em alguns países europeus, existem movimentos anti-vacinação bastante influentes.

Por: Michael Lenoir

Este é particularmente o caso da França. Mesmo além do movimento “anti-vax”, a vacinação é em grande parte concebida como uma escolha individual – o ser ou não ser vacinado – e a ideia de vacinação obrigatória ou a utilização de meios políticos para alcançá-la, provoca protestos e faz com que centenas de milhares de pessoas saiam às ruas. Mas o que está atualmente cristalizando a raiva crescente na França é a questão do passe sanitário.

Maré crescente de protestos

O discurso de Macron no dia 12 de julho, na televisão, acionou o gatilho. A partir do dia 14, as ruas de um número crescente de cidades francesas – algumas grandes, mas também e talvez especialmente médias e mesmo pequenas – foram tomadas por um número crescente de manifestantes. Após o protesto no Dia Nacional de 14 de julho, os quatro sábados que se seguiram parecem ter retornado às mobilizações semanais do período dos Coletes Amarelos, dos quais ainda existem grupos ativos em muitos locais. Deve também notar-se que em muitas cidades, estes grupos desempenharam um papel importante na participação nestas manifestações, e mesmo no seu ímpeto. No entanto, observamos mais uma vez, um pouco como o próprio movimento dos Coletes Amarelos, que nesta maré crescente, uma grande fração dos participantes são manifestantes pela primeira vez. São, portanto, pessoas na sua maioria desorganizadas política e sindicalmente e que não tinham participado na mobilização dos Coletes Amarelos. Que fração destes manifestantes está indo às ruas pela primeira vez? Os estudos irão provavelmente fornecer tais detalhes em breve, mas todos os testemunhos apontam para uma proporção elevada.

O dia 14 de julho marcou o início da onda de manifestações. A partir desta data, algumas cidades provinciais de pequena e média dimensão experimentaram uma mobilização excepcional. Alguns deles tornaram-se os motores da mobilização. É o caso, em particular, de Besançon (117.000 habitantes) que, segundo as contagens militantes, foram 850 pessoas na manifestação de 14 de julho, 2.000 pessoas em 17, e entre 3.200 e 3.500 no dia 31. Isto talvez seja ainda mais verdadeiro em Chambéry (60.000 habitantes) onde os testemunhos de ativistas citam os números de 2.000 participantes em 14 de julho, entre 3.000 e 4.000 no dia 17 e 5.000 a 6.000 no dia 24, enquanto a polícia ainda contava 4.000 no dia 31.

Em todas as cidades grandes e médias, e mesmo pequenas cidades (por exemplo, Lons-le-Saunier, 18.000 habitantes) houve, em algum momento, protestos contra as políticas de Macron e, particularmente, contra o passe sanitário. Segundo os números da polícia – que, especialmente no governo Macron, sempre minimizaram, por vezes grotescamente, a participação em manifestações – entre 14 de julho e 7 de agosto:

– aproximadamente 17.000 manifestantes em toda a França em 14 de julho

– pelo menos 136 manifestações e quase 114.000 manifestantes em 17 de julho

– 168 manifestações e 161.000 manifestantes em 24 de julho

– 180 manifestações em todo o país e 204.090 manifestantes em 31 de julho

– e 198 manifestações em todo o país e 237.000 manifestantes em 7 de agosto

Ao longo das últimas semanas, assistimos tanto a tendência a uma maior participação nas manifestações nas cidades que se mobilizaram no início do movimento, como à organização de manifestações em cidades que anteriormente não tinham sido afetadas pela mobilização.

Se o quadro político destas manifestações diferia de uma cidade para outra, o principal era que vimos proletários, classes trabalhadoras e elementos da pequena burguesia marchando juntos. Vários testemunhos apontam para manifestações que são mais interclassistas do que os Coletes Amarelos, por exemplo. Registramos a presença de certas correntes da extrema-direita, os conspiradores e os antivax, mas não em todos os lados, e o seu papel está longe de ser o principal. A atmosfera geral é bastante contra o passe sanitário e contra Macron como tal, e a exigência de “liberdade” está em todo o lado. Mesmo que por detrás desta palavra, há muita confusão. Isto parece emergir destas primeiras semanas de mobilização; é que onde os sindicalistas ou ativistas da luta de classe política, ou os Coletes Amarelos estão presentes, os fascistas e os antivacinas têm mais dificuldade em se imporem, ou são mesmo inexistentes.

O caso de Paris é interessante deste ponto de vista: na capital, a Prefeitura de polícia divulgou que houve um total de 18.000 manifestantes em 17 de julho, sendo a maior concentração a chamada por Florian Philippot (antigo líder da Frente Nacional, que fundou o seu partido, Les Patriotes), mas já havia outra manifestação, com cerca de 1.500 pessoas marchando junto com os Coletes Amarelos. Em 31 de Julho, o Ministério do Interior declarou 14.250 manifestantes em Paris, onde foram realizadas quatro manifestações em várias partes da capital (duas grandes e duas pequenas). A maior (Villiers-Bastille) foi a chamada, em particular, pela maioria dos Coletes Amarelos. Esta foi claramente concebida como uma alternativa à extrema direita e às operações de recuperação eleitoral de Florian Philippot, que já se declarou candidato para as eleições presidenciais de 2022. Parece assim que, em comparação a 17 de julho, a relação de forças entre a corrente ligada aos Coletes Amarelos e a que é liderada pelo movimento de Philippot se inverteu.

No momento em que escrevemos este artigo, faltam ainda detalhes sobre o 7 de agosto, mas uma coisa é certa: esta remobilização popular, que parece adoptar novamente um ritmo semanal, no auge do Verão, é reveladora de um descontentamento muito profundo. Quem na esfera militante esperava isto, no meio do período de férias? É importante compreender as causas, separar os fatos das aparências, descartar as falsas ou confusas ideias e reter as verdadeiras razões da revolta, a fim de compreender o que está em jogo com esta mobilização social, que é certamente minoritária, mas claramente crescente. Para isso, devemos primeiro voltar ao discurso televisivo de Macron, de 12 de julho.

O discurso de Macron

Mesmo se o descontentamento social tem raízes profundas e se existem especificidades culturais na França, notadamente no que diz respeito à relação da população com a saúde pública – em particular com a vacinação – o discurso presidencial parece claramente ser o gatilho do movimento atual. Esta observação aplica-se sem dúvida tanto à forma como ao conteúdo do anunciado por Macron. A sua personalidade e estilo incluem constantes que parecem destinadas a acrescentar sistematicamente combustível ao fogo – e sabemos que já contribuíram para poderosas mobilizações sociais desde 2017 -: a arrogância, a presunção e o desprezo palpável pelas pessoas “que não são nada”, para além das tretas e contradições do executivo, transparecem na maior parte dos comunicados presidenciais, e tudo isto contribui grandemente para exasperar uma população da qual uma grande parte vê claramente que os líderes do país mentem e trapaceiam, além de desprezá-los. Desta vez, ao mostrar ainda mais o seu desejo de dividir o país em bons e maus cidadãos, parece ter acertado em cheio nas pessoas!

Macron fez questão de se congratular pela alegada eficácia da sua gestão da saúde, enquanto um estudo recente mostrou que a sua recusa, contra o parecer do conselho científico, de confinar já em fevereiro, e de esperar pelas férias escolares da Primavera para fazê-lo, custou mais de 160.000 casos longos de Covid-19, 112.000 hospitalizações, incluindo 28.000 em cuidados intensivos, e mais de 14.000 mortes. As famílias das vítimas admiraram muito essa autossatisfação presidencial! Orgulhava-se também de ter feito “o máximo pela nossa juventude”. Serviu-nos o prato adulterado de uma chamada “recuperação forte e lucrativa para todos”, baseada em números manipulados e tendenciosos. Os estudantes desesperados e as vítimas das demissões também ficaram felizes em saber pelo Presidente que a França é o país mais atraente da Europa nos últimos dois anos. Mais atraente para quem? Para os capitalistas, é claro!

Além destes falsos e exasperantes auto-elogios, uma grande parte do discurso presidencial dizia respeito às medidas sanitárias – ou supostamente sanitárias – que acabaram de ser decididas. E é aqui que a gestão pretendida pelo Eliseu veio colidir frontalmente com os sentimentos, dúvidas e apreensões de uma grande parte da população, criando implicitamente uma espécie de subcategoria de cidadãos maus, a ser punida e controlada para avançar na resposta macroniana à crise sanitária. No entanto, nas palavras do inquilino do Eliseu, pode-se perceber ao mesmo tempo, e paradoxalmente, hesitação, arrogância e mais uma vez, a vontade de forçar a questão. Hesitação, porque ele declara:

“Devemos avançar com a vacinação de todos os franceses, porque é a única forma de regressar à vida normal”;  e acrescenta pouco depois: “teremos sem dúvida de nos colocar a questão da vacinação obrigatória para todos os franceses, mas opto pela confiança e convido os nossos concidadãos a irem se vacinar a partir de hoje”. Tudo isto parece um pouco contraditório. Se há confiança, o mínimo que podemos dizer é que não é claro! Mas se é toda a população que deve ser vacinada, porque é que – na lógica autoritária de Macron – não decidiram tornar a vacinação obrigatória?

Esta lógica autoritária e o desejo de dividir a população distribuindo pontos bons e maus pode ser visto na frase de Macron: “Em todo o lado, teremos a mesma abordagem: reconhecer o civismo e colocar restrições aos não-vacinados e não a todos”.

É de acordo com esta lógica que o presidente de não-todos-os-franceses decidiu o seguinte: “Em primeiro lugar, a vacinação será obrigatória já para os cuidadores e não cuidadores nos lares de idosos, clínicas, hospitais, estabelecimentos para deficientes, e para os voluntários que trabalham com os idosos ou frágeis (vulneráveis), incluindo-se os que trabalham em domicílios. Isto faz parte do sentido do dever. Para todos os nossos compatriotas interessados, terão até 15 de setembro para serem vacinados. Devemos começar agora; a partir de setembro, serão efetuados controles e serão impostas sanções.

“A partir de 21 de julho, o passe sanitário será estendido aos centros de cultura e lazer. Em termos concretos, para todos os nossos compatriotas com mais de 12 anos de idade, para ter acesso a um espetáculo ou a um parque de diversões, será necessário ter sido vacinado ou apresentar um teste negativo recente […] A partir do início de agosto, o passe sanitário será aplicado em cafés, restaurantes, centros comerciais, hospitais, casas de repouso, estabelecimentos médicos e sociais, aviões, trens e ônibus para viagens longas. Mais uma vez, apenas aqueles que foram vacinados e testaram negativo poderão ter acesso a estes locais. Sejam eles clientes, utilizadores ou empregados. Dependendo da avaliação da situação, consideraremos a ampliação do passe sanitário a outras atividades. Neste outono, os famosos testes PCR passarão a ser pagos.

Na primeira fase, Macron chamava a aplaudir os profissionais de saúde. Agora os divide apoiando-se no resto da população como testemunhas, e anunciando sanções e demissões contra aqueles que recusam a vacina. Sempre sanções, nunca explicação ou pedagogia. E tornar os testes PCR pagos é também uma medida injusta porque teria impacto diferente nos ricos e nos pobres, e ainda mais quando sabemos que mesmo as pessoas vacinadas podem ser infectadas com as variantes atuais (incluindo a Delta), e que não sabemos o que irá acontecer com as variantes futuras. Mas como em Macron existe uma contradição entre o seu discurso e as suas escolhas políticas, concluiu o seu discurso com um desejo para o país: “… uma França unida, que sabe ser solidária, cívica, responsável, tanto em tempos de duras provas como em tempos de conquista”…!!

Contudo, não esqueçamos as más notícias que nos trouxe em termos da sua política económica e social antes de concluir o seu discurso. Macron não deixou de nos recordar que ainda era o presidente dos ultra-ricos. Em primeiro lugar, “a reforma do seguro desemprego será plenamente implementada a partir de 1 de outubro, com base numa realidade simples: na França, é sempre melhor ganhar a vida trabalhando do que ficando em casa, o que nem sempre é o caso atualmente”. Este discurso moralista, com os seus tons petainistas, anuncia um certo empobrecimento – meramente adiado por três meses – das categorias sociais mais precárias, particularmente no campo da cultura, apesar das lutas que tiveram lugar recentemente contra este ataque fatal do governo. E a “reforma” – ou seja, a reforma da aposentadoria também foi apresentada: “teremos de empreender a reforma da aposentadoria […] Sim, a idade de aposentar-se deve ser mais tarde”. Mas “não lançarei esta mudança antes que a epidemia esteja sob controle e a recuperação esteja bem assegurada”… Perguntamo-nos por que. Uma vez que o seu objetivo é acabar com o que resta das conquistas sociais do século passado, porque não o fazer agora? Mas talvez isto tornasse a sua reeleição no próximo ano um pouco mais difícil.

Escolhas exasperantes, métodos e discurso

Convencer em vez de coagir é a recomendação da OMS. E logo no dia seguinte ao discurso de Macron, Angela Merkel recordou que a Alemanha se opunha à vacinação obrigatória, e declarou numa conferência de imprensa: “Penso que não podemos ganhar confiança mudando o que dissemos, ou seja, sem vacinação obrigatória”, e acrescentou: “Penso que podemos ganhar confiança anunciando a vacinação e também deixando que o maior número possível de pessoas na população (…) se torne embaixador da vacina com base na sua própria experiência”. Mas há também um movimento antivax na Alemanha. Dentro do próprio capitalismo e no quadro dos governos burgueses – com todas as falhas e limitações que isso implica – de gerir a pandemia, existem muitos métodos e estilos diferentes. Macron fez escolhas autoritárias desde o início. Por que ameaças e sanções em vez de explicação, convicção e formação? Por que tornar agora a vida muito complicada, mesmo impossível, para uma categoria da população (os não vacinados), mesmo para ir às compras? Por que estigmatizar aqueles que estão relutantes em ser vacinados, sendo que outra abordagem, outro discurso, poderia levá-los a se protegerem a si próprios e aos outros através da vacinação? Isto apesar de que as preocupações com a vacina diminuíram claramente desde janeiro, e que entre os não vacinados, existe ainda um número significativo de pessoas hesitantes, para além daquelas determinadas a não serem vacinadas contra a Covid-19. Nesta última categoria, há ainda que distinguir entre aqueles que são sistematicamente antivax e aqueles que têm preocupações com as vacinas Covid existentes. Em meados de julho, havia ainda 16% dos franceses que não tinham “nenhuma intenção de serem vacinados”. Na sua maioria mulheres, com menos de 35 anos de idade, esta categoria agrupa franceses oriundos das classes populares.

Há fortes razões para pensar que com o passe sanitário, e a vontade de Macron de forçar indiretamente as pessoas não vacinadas a receber uma injeção ou a serem privadas de muitas atividades sociais, a incorrer em sanções profissionais ou mesmo na perda do seu emprego, criando assim uma verdadeira segregação numa base que é de fato muito mais política do que relacionada com a saúde, o governo irá sem dúvida conseguir exercer pressão sobre aqueles que se mostraram relutantes em ser vacinados. Vemos atualmente toda uma população que percebe, com razão, que as autoridades a desprezam, e isso é revoltante porque sente que a sua dignidade foi espezinhada. Esta situação é susceptível de criar solidariedade entre aqueles que se manifestam ou se mostram benevolentes para com eles, e pelo menos alguns dos que já foram vacinados. Isto pode ser visto nas atuais manifestações.

Por que constrangimento e autoritarismo, em vez de confiança e pedagogia?

Mas, na realidade, a escolha da pedagogia e da convicção exigiria condições que, longe de serem cumpridas, se tornaram impensáveis durante o mandato de Emmanuel Macron. Para funcionar, esta abordagem – e isto é verdade a fortiori em assuntos sensíveis como as questões de saúde e o tratamento dos corpos humanos – deve ser proposta por um poder político que saiba ser transparente, que faça questão de dizer a verdade mesmo que seja delicada, que demonstre benevolência e empatia, e que trate a população como a um adulto. Em suma, requer um elevado nível de confiança do povo no seu governo. Tudo isto é contrário ao que tem sido o poder de Macron desde o início. Para nos cingirmos apenas à crise de saúde, recordemos brevemente os erros, e especialmente a negligência e as mentiras governamentais a que fomos submetidos desde o início de 2020. Observemos, no entanto, que o coronavírus atacou após o início da presidência Macron que foi marcado por dois grandes movimentos sociais: os Coletes Amarelos de novembro de 2018, depois a luta massiva contra uma nova e brutal reforma da aposentadoria em dezembro de 2019 e janeiro de 2020; uma presidência também caracterizada pelo aumento da injustiça fiscal, ataques ao direito do trabalho, bem como a violência policial e a repressão judicial face aos protestos.

Uma breve retrospectiva da gestão da saúde de Macron

– Em um primeiro momento, de janeiro a meados de março de 2020, o executivo ignorou totalmente os apelos cada vez mais urgentes da OMS e, em particular, os seus pedidos aos Estados para que pusessem rapidamente em prática uma estratégia de teste-rastreio-isolamento. O país estava completamente despreparado para enfrentar a pandemia, enquanto a então Ministra da Saúde, Agnès Buzyn, afirmou em 21 de janeiro que “o nosso sistema de saúde está bem preparado”, em 24 de janeiro que “os riscos de propagação na população [francesa] são muito baixos”, e em 26 de janeiro que “temos dezenas de milhões de máscaras em estoque em caso de epidemia, são coisas que já estão programadas”. Primeira mentira sobre máscaras!

– A isto se juntou o efeito bastante deletério da demissão da Ministra da Saúde acima mencionada – num contexto muito teatral – que foi encarregada de substituir na prefeitura de Paris, o antigo porta-voz do governo, Benjamin Griveaux, como o candidato de Macron ao Presidente da Câmara de Paris, que havia sido “flagrado” por um vídeo íntimo muito comprometedor. Agnès Buzyn disse então que tinha compreendido a natureza grave da epidemia em Wuhan e que tinha avisado as autoridades sanitárias e o Primeiro-Ministro, em particular para adiar as eleições municipais, mas que não tinha sido ouvida…

– Enquanto a epidemia já batia forte na Europa – Itália em particular – e outros países já tinham começado a preparar-se para combater a epidemia, em 6 de Março, Macron e a sua esposa foram vistos a perorar no teatro. “A vida continua. Não há razão, exceto para as populações vulneráveis, para mudar os nossos hábitos de sair”, declarou então o presidente. Nesse momento, enquanto o aparelho estatal francês estava completamente desorganizado e foi pego desprevenido, o Diretor-Geral da Saúde foi acusado de mentir em vários pontos. Este último declarou: “Os testes ficaram disponíveis muito rapidamente graças ao Instituto Pasteur”; e sobre as máscaras: “não temos qualquer preocupação a este respeito. Portanto, não há penúria, não é um problema. Uma nova mentira sobre as máscaras, em breve o descobriremos. E em 12 de março, o executivo tomou a contraditória decisão de confinar o país, mantendo o primeiro turno das eleições municipais em 15 de março. Isto levou a contaminação às mesas de votação, resultando em baixas, incluindo vários membros da câmara de vereadores.

– Março de 2020 estava cheio de inverdades e cacofonia dentro do governo. Sobre as máscaras, em primeiro lugar. Sibeth Ndiaye, o porta-voz do governo, explicou em 4 de março: “não devemos comprar máscaras”! Em 25 de Março, ela afirmou: “não há necessidade de máscaras quando se respeita a distância de segurança em relação aos outros”… o que não impediu Macron de visitar um hospital de campo com uma máscara FFP2, na mesma noite. Na mesma veia mentirosa, foi Castaner, Ministro do Interior, que declarou em 19 de março que a polícia “não está em risco do coronavírus” e não precisa de máscaras. Seriam as suas fardas suficientes para protegê-los? Quase um ano e meio mais tarde, essas tolices parecem ainda mais absurdas. E isto apesar de as unidades policiais já estarem confinadas. Tudo isto para esconder o que um relatório parlamentar revelou no final daquele fatídico mês de março: o estoque estratégico de máscaras tinha caído para um nível extremamente baixo, devido à falta de renovação: apenas 100 milhões no final de 2019…

– O início da pandemia em França revelou o mesmo tipo de tretas e camuflagem sobre testes, a sua utilidade e condições de utilização… mais uma vez devido a uma falha grossa do aparelho estatal, já que os laboratórios veterinários e outros laboratórios, públicos ou privados, podiam em grande medida realizar testes e as autoridades os deixaram sem resposta ou bloquearam todas essas ofertas. Como resultado, no final de março de 2020, a Alemanha estava realizando 500.000 testes por semana, em comparação com 80.000 na França. Então como poderia ser posta em prática uma forte estratégia de rastreio, como a OMS solicitou? Estas falhas estratégicas em sequência levaram sem dúvida à implementação de um sistema de contenção muito autoritário – com certificados a serem preenchidos e particularmente controles policiais – que é um dos mais rigorosos e longos da Europa (1 mês e 25 dias).

– As mentiras têm pernas curtas, diz um provérbio alemão. De fato, geralmente não vão muito longe, e facilmente levam os seus autores a se contradizerem ou a serem contrariados por outros ou pelos fatos. Isto foi rapidamente visto no caso das máscaras ou dos testes. Há, contudo, uma mentira governamental que provou ser maior que as outras: a que diz respeito ao Covid-19 nas crianças e nas escolas. No início da epidemia, a contagiosidade das crianças não era conhecida, o que levou a dúvidas e hesitações sobre a abertura ou fechamento de escolas. Mas estudos internacionais revelaram rapidamente a contagiosidade das crianças. Isto não interessava ao governo francês, que durante muito tempo alegou o contrário, mantendo a questão em segredo enquanto adoptava medidas que pretendiam que o contágio nas escolas não constituía um problema. Jean-Michel Blanquer é uma parte fundamental da equipe governamental. Como Ministro da Educação, agiu sempre atendendo ao máximo os interesses da classe capitalista e em detrimento dos estudantes, das famílias e do pessoal docente e não docente. O seu papel, assumido com zelo, consistiu em manter, tanto quanto possível, as escolas, colégios e liceus abertos para acolher os alunos e permitir aos pais irem para o seu trabalho e continuarem a produzir os lucros exigidos pelos capitalistas. O crime é ainda maior já que não foram implementados meios consequentes para aplicar protocolos de saúde coerentes com estudos sobre os modos de transmissão do Covid-19 ou os princípios de precaução.

O bom aluno Blanquer foi imediatamente desmentido quando declarou em 12 de março: “Nunca previmos o encerramento total das escolas”. Na mesma noite, Macron anunciou o primeiro confinamento com o fechamento de escolas, colégios, escolas secundárias e universidades! Enviar proletários para trabalhar, mesmo sem proteção, era também o papel de Muriel Pénicaud, então Ministra do Trabalho. Ela ficou indignada com a parada dos locais de construção e obras públicas e declarou: “Parem de ir trabalhar, parem de fazer os vossos trabalhos, isso é derrotismo. As empresas que não jogam o jogo, e dizem “o Estado pagará”, não têm espírito cívico”, e ela ameaçou abolir o seguro desemprego parcial em tais casos. Tudo isto numa altura em que as autoridades sanitárias insistiam na necessidade de ficar em casa.

– Mas o caos, o amadorismo, a traição e as mistificações governamentais não foram as únicas características da primeira fase. No final de dezembro de 2020 e início de janeiro de 2021, quando as primeiras vacinas já tinham chegado à França, acumulavam-se novos atrasos em relação à Alemanha ou Grã-Bretanha. Na França, as injeções ocorreram ao ritmo de tartaruga, mas para Olivier Véran, Ministro da Saúde, esta lentidão foi uma vantagem, para haver “tempo de aprender” e evitar erros. Isto aconteceu numa altura em que a terceira fase mostrava o seu rosto e a chegada de variantes preocupava os cientistas que insistiam na necessidade de fazer progressos rápidos com a vacinação. Falando de um “erro estratégico muito importante”, o geneticista Axel Kahn explicou: “não é dando pequenos passos que conseguiremos convencer” pessoas que não são necessariamente antivacinação, mas “terrivelmente hesitantes”. As doses de vacina estavam lá, começando pelos produtos Pfizer, mas permaneceram em grande parte inutilizadas até março de 2021, apesar do argumento falacioso da insuficiência de doses entregues, usadas pouco a pouco pelo governo, que tinha decidido implementar as vacinas apenas a partir de meados de janeiro … o que levou a uma aceleração do ritmo de vacinação apenas a partir de finais de janeiro.

– Nova confusão: Blanquer deu a nota novamente em fevereiro de 2021, ao anunciar uma forte campanha de 300.000 testes nas escolas… Mas finalmente o seu próprio gabinete teve que retificar: no início de março, apenas 3.000 testes tinham sido realizados… devido à falta de pessoal.

Esta recordação de alguns fatos, que de modo algum pretende ser exaustiva, deveria ser suficiente para mostrar a indecência de auto-satisfação de que está impregnado o discurso de 12 de julho. Recordemos que a OMS insistiu na necessidade de os governos criarem confiança, sendo transparentes e humildes, e, em particular, de falar de dúvidas e incertezas: “As mensagens emitidas pelas autoridades devem incluir informação explícita sobre as incertezas associadas aos riscos, eventos e intervenções, e especificar o que é conhecido e o que não é conhecido num dado momento”. O oposto exatamente feito pela super-presidência de Macron.

Variante Delta, desconfiança, antivacina e escândalos sanitários ao estilo francês

Algumas semanas antes do discurso de 12 de julho, não só o presidente, mas também o ministro da saúde, e os deputados da maioria presidencial, todos nas esferas do poder se opuseram a uma generalização do passe sanitário, e apegaram-se ao respeito às liberdades individuais e, em particular, à liberdade de vacinação. Também aqui, o executivo deu um giro de 180 graus. E isto, sem dúvida, tem a ver com a crescente mobilização das últimas semanas. Mas o governo está vendo a ascensão de uma quarta fase, que se está formando atualmente nas estâncias balneares e de férias, após a reabertura completa de locais como as discotecas, que há tanto tempo se mantinham fechadas. A variante Delta está batendo rápida e duramente, e isto levou o executivo a uma nova faceta e às suas decisões brutais. Segundo a Mediapart, “a variante Delta do Sars-CoV-2, que é mais contagiosa, requer uma cobertura vacinal de mais de 90% para limitar a circulação do vírus”. Contudo, estamos longe disso na França, e o executivo está bem ciente de que não conseguirá convencer estes 90%. Além disso, é impossível fazê-lo, não vacinando os menores de 12 anos, que também são contagiosos…

A atual onda de manifestações se desenvolve num cenário de desconfiança em relação às vacinas, mas isto se deve em grande parte à gestão catastrófica e mentirosa da crise sanitária por parte do governo. Como, após todos estes erros, todas estas mentiras, poderia Macron e o seu governo esperar obter a confiança necessária para uma vacinação geral da população? O executivo tornou-se, de fato, o pior embaixador da vacinação. O próprio fato de o governo se colocar a favor da vacinação leva uma parte da população a desconfiar dela, ou mesmo a recusá-la; e a vontade do alto poder do Estado de usar a repressão e a coerção torna a situação ainda pior.

Isto é especialmente verdade num país onde as correntes antivacinação são um fenômeno antigo, que remonta ao início da vacinação, e agora muitas vezes ligado a movimentos de extrema-direita. A rejeição à ciência e a desconfiança em relação à medicina foram reforçadas na França por repetidos escândalos sanitários nas últimas décadas. Não se referem à vacinação, mas à saúde em geral, particularmente no seu quadro capitalista, e especialmente à presença de vários laboratórios farmacêuticos. Estes momentos, de dor e afronta para a saúde pública, vão desde o talco Morhange matador de bebês em 1972 até ao escândalo muito recente do Mediador, amplamente prescrito como supressor de apetite e causador de lesões cardíacas graves com numerosas mortes; ou o Distilbene, um hormônio sintético prescrito de 1950 a 1977 por causa de canceres vaginais e uterinos e malformações fetais; o escândalo do sangue contaminado (produtos sanguíneos não aquecidos, infectados com HIV), na década de 1980 pelo hormônio de crescimento infectado com o prião (forma aberrante de proteína) da doença de Creutzfeld-Jacob (DCJ), que destrói o sistema nervoso, e foi injetada em crianças, 120 das quais morreram; ou ainda as próteses mamárias da empresa PIP, que causaram câncer; e a partir de 2015, pelo caso de Depakine, um medicamento epiléptico da Sanofi que causou malformações fetais após tratamento durante a gravidez.

Deve-se entender que todos estes escândalos permanecem na memória coletiva, e fazem com que uma população desconfie ao ser chamada a receber injeções de produtos desenvolvidos em menos de um ano, enquanto que geralmente são necessários dez anos para desenvolver uma vacina. Contudo, existem explicações perfeitamente racionais e compreensíveis para esta rapidez: dada a urgência, as fases de estudo e de autorização regulamentar foram encurtadas com cláusulas de revisão; além disso, o desenvolvimento de estudos sobre uma epidemia ativa, desta magnitude, facilita grandemente a constituição das amostras (*) necessárias para atingir o número certo de indivíduos em cada grupo. Apesar destas explicações, quando um governo de confusos (bagunceiros) e mentirosos é acusado de “vender” vacinação num tal contexto, não é surpreendente que uma proporção muito significativa da população se recuse a seguir. E para uma grande parte dos manifestantes, a rejeição à própria vacina funciona como uma forma de rejeitar o discurso autoritário, injusto e amplamente desonesto pró-vacinação deste governo, ao mesmo tempo em que se desconfia de uma indústria farmacêutica orientada para o lucro, que já causou muitos danos e acaba de aumentar o preço das doses de vacina!

(*) Grupo de pessoas, usado em estudos ou em investigação, que possuem características em comum, como a idade, a classe social, a condição médica etc.

O projeto de lei aprovado, quase sem modificações pelo Parlamento.

O projeto de lei anunciado por Macron em 12 de julho foi discutido em ritmo muito rápido no parlamento a partir de 21 de julho. O Parlamento (o Senado na sua maioria) mal foi capaz de suavizar o texto. O texto conjunto da Assembleia e do Senado foi votado no dia 26 (169 votos a favor, 60 contra na Assembleia; 195 votos a favor, 129 contra no Senado); e o Conselho Constitucional validou a abordagem do governo em 5 de agosto. A partir de 9 de agosto, o texto deve ser aplicado e entrar em vigor até 15 de novembro. Os seguintes pontos são particularmente importantes.

O passe sanitário deve ser confeccionado e a vacinação dos prestadores de cuidados torna-se obrigatória. Tanto no interior como no exterior, restaurantes, bares, instalações desportivas e de lazer, feiras comerciais, estabelecimentos de saúde, sociais e médico-sociais (exceto emergências) terão de verificar o código QR dos seus clientes – para menores a partir de 12 anos ou mais a partir de 30 de setembro – e não aceitar pessoas que não tenham um passe sanitário, uma vez que os controles de identidade são de responsabilidade da polícia.

A atitude repressiva do governo em relação aos trabalhadores que se recusam a ser vacinados em locais onde o passe sanitário é exigido foi algo limitada pelos senadores: funcionários do sector privado com contratos permanentes e funcionários públicos que não tenham sido vacinados até 30 de agosto e que ainda se recusem a ser vacinados não serão despedidos, mas o seu contrato de trabalho será suspenso, bem como o seu salário. Para os trabalhadores com contratos de prazo limitado e temporários, a demissão permanece na lei, em troca de uma indenização ao final do contrato. Uma contraindicação à vacina, por indicação médica, substituirá o passe sanitário, mas as razões da contraindicação devem ser reguladas pela autoridade da saúde, e sabemos que o Ministro da Saúde tem uma definição muito restritiva. Para os trabalhadores da saúde, foi obtido um ligeiro adiamento no Senado: se tiver tomado uma primeira dose da vacina, o seu contrato de trabalho e salário só podem ser suspensos a partir de 15 de outubro.

Ataque aos trabalhadores empregados, novas disposições contra as liberdades democráticas

O exposto anteriormente mostra claramente ataques ao emprego dos assalariados. Para os contratos permanentes e funcionários públicos, a lei não chega ao ponto de criar novas autorizações de demissões (especialmente na função pública hospitalar), mas com a criação desta obrigação de vacinação de fato, os funcionários em muitos ramos dos setores públicos e privados são atacados por suspensões contratuais e salariais (para contratos permanentes e funcionários públicos) e por demissões (para contratos temporários e trabalhadores temporários). Para além da saúde, isto também se aplica ao comércio, ao sector turístico (restaurantes, hotéis, parques de diversões etc.), esporte e ao lazer… É, portanto, um ataque à nossa classe, que deve ser rejeitado. Perante isto, as lideranças sindicais permaneceram particularmente adormecidas, planejando por enquanto apenas um dia de ação… para 5 de outubro. Mais uma vez, os burocratas que destroem a classe proletária desprezam-na, são ausentes e traidores. No entanto, alguns sindicatos departamentais ou locais reagiram, e chamaram a participação nas manifestações. Os militantes do movimento operário organizado são, no entanto, muito poucos nestas mobilizações.

Além disso, a nova lei faz parte de toda uma série de medidas contra as liberdades e autoritárias tomadas por Macron e pelo seu governo. Com o passe sanitário, vamos testemunhar a generalização dos controles de identidade, todos os dias. Mas se pensarmos em toda uma série de pessoas particularmente vulneráveis, isto significa um aumento das dificuldades de vida e uma ansiedade permanente. Pense nas pessoas trans, ou emigrantes sem papéis! É muito provável que muitas destas categorias mais frágeis sejam levadas a uma maior marginalização, particularmente ao evitar lugares onde o passe sanitário será necessário.

Devemos participar das manifestações, ou não?

A chamada esquerda na França (da “esquerda” burguesa como o PS à extrema esquerda) está dividida sobre a atitude a adoptar frente às manifestações que se multiplicam e se fortalecem a cada semana. Mesmo entre os ativistas de extrema-esquerda, a confusão (constrangimento) está muitas vezes na ordem do dia, levando muitos a permanecerem afastados deste movimento.

É verdade que este movimento apresenta algumas pessoas repugnantes. A extrema-direita está presente, com os seus extremistas, os seus “Patriotas”, os seus teóricos da conspiração. Esconde os seus projetos políticos sombrios por trás do apelativo termo de “liberdade”. Querem nos fazer esquecer que os dois países que sofrem os piores efeitos da pandemia (em termos do número de mortes) estão pagando pelas políticas dos presidentes que estão desse lado do espectro político: Trump e Bolsonaro. As mais diversas ilusões antivacinação estão também presentes nestas manifestações. E é isso que impede que uma fração do mundo ativista habituado as lutas sociais mais clássicas, tais como sobre salários, emprego etc., se envolva. No entanto, manter-se afastado desta onda de manifestações é um erro. E isto por pelo menos quatro motivos.

Em primeiro lugar, porque a extrema-direita não é dominante. Mesmo que esteja presente em muitos lugares (não todos), está ainda muito longe de ter a iniciativa em todo lado. Muito frequentemente, as manifestações não mostram qualquer organização política. Muitas vezes, a mobilização foi lançada por grupos locais de Coletes Amarelos. Por vezes por sindicalistas ou mesmo ativistas políticos. Vimos também que em Paris, muito rapidamente, correntes próximas aos Coletes Amarelos competiam pelo controle do movimento com Florian Philippot e os seus “Patriots“, ou com Nicolas Dupont-Aignan. Podemos também observar que em 7 de agosto, a manifestação de Marselha parou em frente ao edifício de Zineb Redouane, uma mulher argelina de 80 anos, morta gratuitamente à sua janela, por um policial à margem de uma manifestação de Coletes Amarelos; e a procissão fez um minuto de silêncio. Isso também não caracteriza uma demonstração de extrema-direita…

Em segundo lugar, porque as correntes reacionárias e obscurantistas jogam com os medos – especialmente os relacionados com a ciência e a saúde – e não são capazes de dar respostas satisfatórias aos ataques do governo e aos anseios de uma parte – muitas vezes a mais oprimida – da população, ligados à situação da saúde e às suas consequências sociais. Isto só se tornará mais óbvio se for iniciado um debate público no contexto destas mobilizações, e não permitindo que os ativistas que defendem as posições racionalistas da tradição da classe trabalhadora sejam capazes de ultrapassar as ilusões e preconceitos reacionários e obscurantistas. Na realidade, a esmagadora maioria dos manifestantes são ao mesmo tempo muito heterogéneos e muito virgens politicamente. Deixar os fascistas e os antivacinas dirigirem estas mobilizações crescentes é desertar de um terreno social que pode revelar-se muito explosivo, e é, mais uma vez, demonstrar que as organizações que afirmam fazer parte do movimento operário são inúteis e ausentes quando precisamos delas. É também dar autoridade às correntes reacionárias e fascistas para o próximo período, e também para as próximas eleições presidenciais.

Em terceiro lugar, é essencial, frente aos repetidos ataques sociais anunciados por Macron (seguro desemprego, aposentadorias), não deixar a nossa classe dividida por uma nova fratura: os vacinados de um lado, os não vacinados do outro. Da nossa parte, somos radicalmente a favor da vacinação mais rápida, mais completa e mais internacional possível, mas para convencer os que nos rodeiam, precisamos saber como abordar aqueles que temem estas vacinas ou a vacinação em geral. Nas empresas e escritórios, deve ser desenvolvida uma solidariedade concreta entre pessoas vacinadas e não vacinadas, em particular para recusar sanções profissionais. Isto requer amplos debates e uma participação conjunta na mobilização em curso. É também nosso dever, como ativistas da emancipação dos trabalhadores, não deixar sozinhos grupos vulneráveis como os acima mencionados (pessoas trans, migrantes indocumentados etc.) frente à discriminação.

A quarta razão para a participação da extrema-esquerda e da esquerda militante nestas mobilizações é que se trata de um fenômeno maciço e sem precedentes: marchas cada vez maiores no meio das férias de verão, que trazem para as ruas pessoas com pouca ou nenhuma experiência política e sindical. Isto é a prova de que algo importante está acontecendo. É lógico que quando grandes setores da população se mobilizam pela primeira vez, se expressam confusões e concepções erradas. É no decurso da mobilização que eles podem ser esclarecidos, com os debates e a experiência que podem então acumular-se. Não cometamos o mesmo erro que durante a emergência dos Coletes Amarelos, onde a maior parte do movimento operário – a começar pela liderança sindical majoritária, que tinha uma atitude particularmente odiosa e desprezível do movimento social nascente – e uma grande parte da extrema-esquerda tinha compreendido mal o movimento, que foi imediatamente considerado como sendo teleguiado pela ultradireita. Mesmo se, mais tarde, se verificaram aproximações parciais entre alguns setores do movimento operário e os coletes amarelos, a divisão inicial deixou uma marca política e sindical ruim das classes trabalhadoras na França. Hoje, as lideranças sindicais traidoras estão uma vez mais deixando a oposição popular a Macron nas mãos da extrema-direita e dos conspiradores. Esta política é verdadeiramente catastrófica. Por outro lado, os grupos locais de Coletes Amarelos ainda ativos estão frequentemente por trás das iniciativas destas mobilizações. Esta deve ser uma oportunidade para forjar novos contatos/ativistas militantes.

O que defender nas mobilizações?

O que emerge de todas as manifestações é que a rejeição ao passe sanitário é o eixo central, o ponto de encontro dos manifestantes. A exigência da revogação da nova lei – injusta, desigual, segregacionista e amplamente ineficaz para a saúde pública – é, portanto, o primeiro pilar de uma política revolucionária nestas mobilizações.

Nestas mobilizações, ouvimos por todo o lado: “Demissão de Macron”. Temos de retomar este slogan. É verdade. Macron é o presidente dos ultra-ricos, e ele já causou demasiados danos. Mesmo que há apenas um mês tudo parecesse calmo, é saudável que as massas populares estejam mais uma vez exigindo sua saída. Tanto pelo seu estilo como pelas suas escolhas de orientação, o pipsqueak do Palácio do Eliseu canaliza a fúria e o ódio das classes trabalhadoras. A injustiça das suas políticas, a sua arrogância, o seu desprezo de classe quase assumido e o seu autoritarismo cavaram uma profunda divisão entre ele, o seu governo e o seu partido de Godillots, por um lado, e a grande massa de trabalhadores e trabalhadoras, por outro. Mesmo que as atuais manifestações sejam mais interclassistas, menos proletários que as dos Coletes Amarelos, Macron – mais do que qualquer presidente da Quinta República antes dele – é extremamente divisionista e torna ainda mais visível a fratura de classes que dilacera o corpo social. Numa escala de massas, não aparece nesta fase nenhuma alternativa política credível a Macron, mas uma coisa é certa: Macron e a sua turma tornaram-se um ponto de bloqueio não só a nível democrático, mas também para sair da própria crise de saúde. Do nosso ponto de vista, é necessária uma vacinação rápida e completa de toda a população, mas para explicar e convencer, Macron e o seu bando parecem estar completamente queimados.

A questão da liberdade da vacina e as preocupações em relação a elas

Macron é socialmente divisionista, a ponto de, entre os mais pobres, sem dúvida se desenvolver uma tendência a acreditar sistematicamente no oposto do que ele diz … mesmo que aconteça, ocasionalmente, que ele diga coisas verdadeiras! Para alguns, como Macron defende a vacinação, e agora quer impô-la, devemos ser cautelosos e recusá-la … Além disso, é um fenômeno que complica nossa tarefa. Que atitude adotar neste ponto? Claro, os antivax defendem posições reacionárias, obscurantistas e perigosas. Claro, os conspiradores inventam histórias alucinantes que nos afastam de uma compreensão séria e coesa do mundo em crise no qual lutamos. Mas, e aqueles que defendem a “liberdade de escolha” para a vacinação? Eles são numerosos em algumas partes das manifestações. Alguns deles são vacinados (vacciné.es). Isso não significa que essa posição esteja correta. Ao evitar o recurso a argumentos moralistas, deve-se explicar que, para ser eficaz, a vacinação deve ser muito massiva e rápida. Caso contrário, a proteção coletiva não funciona. Ao contrário, a vacinação parcial exerce uma pressão seletiva sobre o vírus, favorecendo o surgimento de novas variantes mais agressivas e resistentes. Por isso também é necessário exigir a eliminação das patentes de vacinas, sua entrega massiva e rápida em todo o mundo, em particular nos países pobres onde a população aguarda a vacinação, e lutar pela expropriação dos laboratórios farmacêuticos sob controle dos trabalhadores e da comunidade.

A posição a favor da livre escolha de ser ou não vacinado não se sustenta. Embora seja ignorada por muitos que assumem essa posição de boa-fé, a “liberdade da vacinação” promove a infecção, gostemos ou não. Deixemos de lado os egoístas que não se importam em transmitir o vírus, e reivindicam em nome de sua própria “liberdade” a possibilidade de infectar outros. A grande maioria dos manifestantes, com certeza, não se enquadra nesta categoria. Em debates coletivos ou em discussões individuais, devemos nos esforçar para dissipar os temores que existem sobre as vacinas em geral e aqueles contra a Covid-19 em particular. Existem muitos equívocos sobre isso. Nas esferas da conspiração e antivacinação nunca faltam ideias malucas e mistificadoras, que se espalham rapidamente pelas redes sociais. Sem estender-se nas ilusões de Jair Bolsonaro que achava engraçado discutir o risco de uma pessoa vacinada se transformar em um crocodilo, muitas histórias estão circulando na Internet e contribuindo para aumentar a dúvida e a preocupação.

Entre as fábulas a serem denunciadas, encontramos, em particular, uma lenda sobre a vacina contra a hepatite B que teria causado esclerose múltipla, um caso surgido de um falso estudo realizado em 13 pacientes, então retirado por infundado. Sobre o tema geral dos perigos da vacinação, um estudo do Conselho Superior de Saúde Pública publicado em 2010 – portanto, 10 anos antes da atual pandemia – observou que nunca houve um problema de longo prazo com as vacinas em si. Devemos também explicar os benefícios da vacinação diante das doenças contagiosas hoje quase esquecidas: varíola, poliomielite, para muitos a febre amarela … As gerações relativamente jovens não tiveram que enfrentar essas doenças horríveis, e de repente a utilidade das vacinas que eles já receberam não aparece concretamente. Este é o paradoxo dessa medida preventiva que é a imunização pelas vacinas: quando funciona … não acontece nada; exatamente o oposto da cura de uma doença.

Quanto às vacinas anti-Covid atualmente disponíveis, é verdade que os prazos usuais foram significativamente encurtados, mas isso foi feito pela sobreposição de fases de desenvolvimento, teste e aprovação, dada a emergência sanitária internacional. Também é preciso entender uma coisa simples: que interesse teria a Pfizer, Moderna, Astra Zeneca ou outros produtores de vacinas em produzir substâncias perigosas? É verdade que o retrospecto ainda é limitado, mas é preciso entender que esses laboratórios são empresas capitalistas cujo interesse é a maximização do lucro de seus acionistas. Não é matando pessoas – o que mais cedo ou mais tarde faria com que o preço de suas ações despencasse – mas protegendo-as de maneira efetiva que eles podem maximizar seus lucros. Além disso, é a eficiência de seus produtos que permite à Pfizer e à Moderna aumentar seus preços hoje, quando são as finanças públicas que têm financiado em grande parte essas empresas.

O verdadeiro escândalo está nesse nível e no fato de que esses monstros capitalistas detêm patentes que limitam drasticamente o acesso à vacina em muitos países. Esses países funcionam, portanto, como criadouros, potenciais ou reais, favorecendo o surgimento de novas variantes que afetarão suas populações e, mais cedo ou mais tarde, afetarão outros países.

Ouvimos opositores à política sanitária de Macron que corretamente apontam que ser vacinado ainda pode transmitir o vírus. Isso mesmo. Mas também é uma questão de probabilidade. Uma pessoa vacinada tem muito menos probabilidade de infectar outras pessoas e muito menos probabilidade de ser afetada por uma forma grave de Covid. De acordo com Daniel Lelièvre, chefe do departamento de imunologia clínica e doenças infecciosas do CHU Henri-Mondor em Créteil, “o risco de transmissão do vírus para os vacinados não é zero, mas muito menor. Não é branco nem preto. Em vacinados infectados, há diminuição da concentração e do tempo de secreção do vírus, o que limita o risco de contagiosidade ”. E a atual onda crescente de contaminações com a variante Delta parece indicar que as vacinas atuais estão resistindo bem às últimas mutações no vírus. Os não vacinados, por outro lado, são os mais afetados pela nova ascensão. O professor Nicolas Bruder, chefe da unidade de terapia intensiva do hospital Timone em Marselha, explicou no Mediapart em 29 de julho: “Vemos os pacientes de Covid voltando, quando quase haviam desaparecido. Está pegando muito rápido […] Já estamos com 50 pacientes em internação convencional, os serviços estão sob pressão. Na terapia intensiva, a gente passa a ser chamado, quando já não tem lugar ”. Ele acrescenta, sobre a eficácia das vacinas: “Só temos os não vacinados. Desde o início da epidemia, internamos 700 pacientes da Covid na terapia intensiva, dois foram vacinados, mas com apenas uma injeção. Eles foram internados uma semana após a vacinação ”. A variante Delta manda para cuidados intensivos, diz ele, “pacientes muitas vezes entre 40 e 60 anos”: “Alguns não têm patologia, às vezes estão acima do peso, mas não é sistemático. Atualmente, temos um paciente de 40 anos, sem fatores de risco, em oxigenação por membrana extracorpórea [assistência cardíaca e respiratória usada como último recurso – ed. Mediapart], com risco de morte. Nosso paciente mais jovem tinha 18 anos. Todos dizem que se arrependem de não terem sido vacinados ”.

Ampliar o campo da contestação

É certo que as atuais manifestações não se prestam a um forte apelo à vacinação. Por isso, embora se defenda a vacinação em princípio, ela deve ser apresentada como um direito ao qual todos devem ter acesso, na França e em todo o mundo. Esta é também a razão pela qual, em particular, a questão da quebra das patentes deve ser trazida à tona. Deve-se enfatizar que na França – mas isso é verdade em muitos países – a austeridade capitalista reduziu consideravelmente o serviço público de saúde e sua capacidade de responder à pandemia. Deve-se lembrar também que, apesar disso, os cortes nos leitos hospitalares continuam. Perante este escândalo, temos de nos opor à procura de um serviço público de saúde não sujeito ao imperativo do lucro, que inclui nomeadamente uma coletivização dos laboratórios farmacêuticos. Grande parte dos demonstradores consegue entender e se apropriar desses temas.

A questão geral da solidariedade com a equipe de enfermagem e com os trabalhadores agredidos por essa lei também surge e parece obter muitos que respondem a isso. Por fim, não podemos esquecer que Macron, no mesmo discurso, anunciou duas notícias muito ruins para os trabalhadores: uma para 1º de outubro, o que significa uma diminuição do seguro-desemprego que deixará muitos precários em situação catastrófica; o outro, segundo Macron, para o momento em que a pandemia estiver sob controle – dificilmente podemos fazer um prognóstico sobre a data em questão, mas também podemos temer que ele acelere o processo se julgar útil – sobre a desastrosa reforma previdenciária que ele ainda não conseguiu impor. Este é o mesmo Macron que impõe uma nova lei infame que acaba com as liberdades, e que confirma que dará aos trabalhadores os golpes ferozes que ainda não conseguiu desferir. Essas bandeiras são levantadas aqui e ali por grupos militantes, em particular em Brest por um grupo de coletes amarelos. Devemos nos esforçar para dar-lhes mais ressonância.

Pode ser mais uma grande batalha social que começou em meados de julho. Devemos nos esforçar para agir para evitar as armadilhas da extrema direita, conspiradores e antivax, e pelo contrário, mobilizar todos os temas que irão na direção da unidade e da luta de nossa classe.

NÃO:

* AO PASSE SANITÁRIO

* À SUSPENSÃO DE CONTRATOS DE TRABALHO E SALÁRIOS

* AOS ATAQUES AOS DIREITOS TRABALHISTAS

* AO ESTADO DE EMERGÊNCIA, ÀS LEIS CONTRA AS LIBERDADES DEMOCRÁTICAS, À REPRESSÃO

* ÀS “REFORMAS” DE MACRON CONTRA AS APOSENTADORIAS E INDENIZAÇÕES DE DESEMPREGO

SIM:

* À LIBERAÇÃO DAS PATENTES E À ESTATIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS

* ACESSO ÀS VACINAS EM TODO O MUNDO

* À VACINAÇÃO DURANTE O HORÁRIO DE TRABALHO

* RECURSOS PARA OS HOSPITAIS PÚBLICOS E SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA