O ataque neofascista a familiares de presos políticos

Na quarta-feira 13 de janeiro em Santiago, exatamente no Passeio Ahumada, um grupo de fascistas usando armas com projétil de chumbo atacou uma concentração política de familiares e organizações a favor da liberdade dos presos por lutar. O grupo de extrema direita está ligado à organização Capitalismo Revolucionário, e o grupo “La Vanguardia”, partidários do rechaço (não à Constituinte).

Por: MIT Chile

O ataque foi praticado quando Roberto Belmar sacou uma arma e feriu manifestantes, sendo depois protegido pelos Carabineiros do Chile que afluíram em sua defesa. Hoje, o governo disse que apresentará uma queixa contra Belmar, mas sabemos que quando a violência vem da direita e dos ricos, fica muitas vezes impune.

Fortalecer a autodefesa para que os grupos neofascistas não avancem

Frente a estas situações e outras, é necessário fazer um chamado para que fortaleçamos a autodefesa, mas o que significa fortalecer a autodefesa nestes momentos, nos quais inclusive nossas manifestações são menos massivas? Significa que, em primeiro lugar, as e os trabalhadores temos que repudiar este tipo de fatos, que se discuta nos territórios, em assembleias operárias, assembleias populares, sindicatos de trabalhadores, nas organizações sociais e políticas, comissões de mulheres, etc., como desenvolver uma organização que impeça que este tipo de ataques continue avançando.

Hoje há grupos antifascistas ou de primeira linha que vão diretamente para o confronto defensivo com a ultradireita, isto é importante, mas ainda são minoritários. Se quisermos ser vitoriosos devemos fazer com que o direito à autodefesa – inclusive em armas-, seja algo que se discuta, resolva e assuma o conjunto da classe trabalhadora e a juventude, para assim avançar em superá-los numericamente não somente nas votações após o triunfo do aprovo, mas, sobretudo no mais importante: as ruas e organização, e assim poder avançar em superar o espontaneísmo em função de cada situação de ataque destes grupos de extrema direita.

Nesta sociedade a serviço dos ricos, os de baixo devem tomar em suas mãos a autodefesa a partir de seus próprios organismos, e ir aperfeiçoando não só a autodefesa em dias de protestos contra a violência policial, mas também contra estes grupos de extrema direita.

Neofascistas na prisão

Junto com o exposto anteriormente, exigimos do Estado do Chile, promotores e juízes, que prendam estes fascistas. Sua incitação à violência contra os trabalhadores e à xenofobia não pode ser freada com discursos educados nem diálogo, menos ainda sob este tipo de ataque amparado pelos Carabineiros do Chile.

Os membros desse grupo de extrema direita deveriam estar presos. Eles foram os que ameaçaram de morte a promotora Chong e são cúmplices do assassino de María Isabel Pavés. O próprio Roberto Belmar, que atacou os manifestantes ontem, disse em um vídeo que viralizou na internet, que María Isabel era uma “prostituta que estava bem assassinada”.

Hoje se discutem as candidaturas para o Processo Constituinte, os candidatos que vêm da luta contra os de cima devem chamar o repúdio a esse ataque e organizar a classe trabalhadora para se defender. A partir da candidatura do MIT com María Rivera fazemos esse chamado.

Cadeia para Roberto Belmar e toda a “Vanguardia”!
Organização operária e popular para enfrentar o neofascismo com mecanismos de
autodefesa!
Não passarão!

Tradução: Lilian Enck