Não esqueçamos que estamos falando do imperialismo ianque, o mesmo que cometeu os crimes mais horríveis em todo o planeta, doentes de superioridade de toda espécie, os que se julgam donos de tudo e até de todo o planeta.

Por: Corriente Obrera – Estados Unidos

É exatamente o poder delirante e corrupto que democratas e republicanos têm liderado todos esses anos e que muitos continuam apoiando, enganados pela distorção da história, da desinformação e sendo aprisionados sem poder quebrar o ciclo vicioso das eleições corporativas. E por se sentir obrigado a ter de votar em um dos dois algozes, em que a única diferença entre eles é o estilo de como nos executam politicamente, já que os republicanos o fazem enquanto ao mesmo tempo te insultam e os democratas te declamam um bonito discurso com mentiras insultuosas, mas os dois vão cortar nossas cabeças de qualquer maneira. Achamos que existe outra alternativa; organizando, lutando e unificando as lutas dispersas para construir um movimento independente dos dois partidos corporativos no governo, que é revolucionário, socialista e internacionalista.

As candidaturas à presidência e à vice-presidência são dos mesmos partidos políticos que vêm abusando das mulheres imigrantes, com atos de terror para semear medo, porque buscam de uma forma ou de outra estancar o fluxo migratório. São as mesmas forças políticas que permitiram os crimes que a polícia comete, que destruíram serviços de saúde e educação e, portanto, são responsáveis ​​pelo contágio massivo e pelas mortes por coronavírus. O que devemos ter a certeza é que não se importam que esta realidade seja conhecida, já que esse é um dos objetivos, dar a conhecer esse terror do império selvagem. Horror que já se implantou aqui no país e em outras regiões do planeta, como VIETNÃ E AMÉRICA CENTRAL, só para citar alguns exemplos. Onde não só fizeram desaparecer cidades inteiras, mas também quando capturaram mulheres que lutaram contra os aliados do império, usaram todo tipo de despotismo, como o estupro, como arma para intimidar seus inimigos, como têm feito com as mulheres imigrantes em cativeiro, neste caso com esterilizações massivas, abusos sexuais, retirada de seus filhos, separação de famílias, deportações express e uso de agentes federais do ICE, a patrulha de fronteira e da guarda nacional mexicana para reprimir, entre muitas outras formas de agredi-los.

Acrescentamos como dado e para não esquecer, em El Salvador, quando qualquer uma das instituições armadas capturava mulheres, as estuprava, depois as matava, as deixavam nuas e desmembradas em áreas muito transitadas pela população e com postos de controle militares que não permitiam cobri-las. Tudo isso aconteceu sob os governos da ditadura militar apoiados e dirigidos militar e economicamente pelos Estados Unidos, por democratas e republicanos. Os mesmos que continuam no poder e os únicos que deixam a população escolher nas “eleições”, e por isso dizemos que votar em qualquer um dos dois partidos corporativos é cometer suicídio político coletivo.

Votar em democratas ou republicanos é cometer o suicídio político coletivo

As eleições que ocorrem neste país não são democráticas ou livres, mas por serem exclusivamente corporativas, são na prática corruptas e antidemocráticas, porque não permitem de forma alguma candidatos operários e propostas políticas baseadas nas necessidades do povo pobre e trabalhador, e ir votar é dar sinal verde, o sistema eleitoral e seus resultados estão sendo aprovados sem questionamento. Com o voto, legaliza-se a antidemocracia política corporativa, diz-se sim à grande maioria da população que não tem representação política verdadeira nas eleições. Ir e votar na forma como se organizam os processos eleitorais aqui nos Estados Unidos é também legitimar os resultados e, portanto, dar direito a esse governo “eleito” de implementar as políticas a favor daquele 1% empresarial que representam os democratas e republicanos, e que continuará precisamente seu ataque brutal diretamente ao já crítico nível de vida dos trabalhadores, estudantes e pobres em geral.

As eleições são o processo que movimenta investimentos multimilionários de corporações, indivíduos milionários como Trump e até governos estrangeiros como Israel, China e Rússia entre outros, também para promover políticos que são a favor de determinados interesses privados e é praticamente a compra e venda de interesses políticos e comerciais no governo. Com os milionários investimentos nas eleições se manipula também a informação e conseguem influenciar as preferências eleitorais com campanhas massivas, é claro, sempre dentro da esfera política corporativa exclusivamente democrática e republicana, qualquer outra proposta política é totalmente excluída.

Nesse sentido, ir votar em qualquer um dos dois partidos políticos burgueses é votar a favor das dívidas que estão sendo impostas aos estudantes para chegar ao nível universitário, é permitir que continuem pisoteando a dignidade da mulher, votar é continuar negando a igualdade e respeito aos imigrantes, e implica dar mais poder a todas as instituições policiais e militares que lhes deram o direito de matar civis e sair em liberdade, e é restringir o direito à organização sindical. Votar em Biden ou Trump é aprovar que eles continuem atacando o já precário padrão de vida, é permitir que continuem com sua incapacidade de liderar a batalha contra COVID-19, deixando mais pessoas serem infectadas e morrerem, é deixar que os ricos e seus governos continuem destruindo o planeta com o desmatamento e a poluição que suas indústrias produzem, mas mais do que tudo, votar em qualquer um dos dois partidos é permitir que continuem suprimindo o direito à representação e representação política operária-socialista, retirando completamente do panorama eleitoral qualquer expressão que pretenda trazer as reais necessidades dos trabalhadores para o debate.

Não devemos cair nesse engano nem ceder às pressões eleitorais, porque como foram organizadas é para que os mesmos partidos de sempre continuem a ganhar, e com isso permitir que mantenham cargos governamentais sequestrados pelas forças políticas das multinacionais, votar em qualquer um dos dois partidos corporativos no poder é cometer suicídio político coletivo.

O governo dos Estados Unidos, em parte, é imposto por meio de duas abordagens políticas, que juntas constituem um único poder burguês, corporativo e imperialista, que são os partidos democrata e republicano. Eles compartilham o poder há mais de 150 anos e convocar para apoiar um ou outro partido corporativo é trair os interesses proletários, é acreditar na política do sistema capitalista, que vende como um produto separado para democratas e republicanos. As organizações comunitárias e aqueles que se dizem “de esquerda” e pedem para votar nos democratas, simplesmente respondem aos fundos recebidos para fazer campanha para eleições corporativas, e é isso que esse tipo de organização costuma fazer.

Ou talvez respondam à influência pequeno-burguesa ou burguesa que o sistema capitalista exerce sobre eles porque não têm uma direção socialista, revolucionária e proletária. Pedir apoio crítico aos candidatos democratas é não entender a essência do jogo eleitoral norte-americano, no qual estão utilizando todos os tipos de recursos políticos para despertar paixões eleitorais com o intuito de manter o povo e a classe operária presos neste processo. Estão usando candidatos de minorias raciais mesmo que não os representem, da extrema direita, outros indicados como socialistas mesmo que não o sejam, candidatos de diferentes orientações sexuais, latinos, afro-americanos, asiáticos e mulheres etc., todos com um único objetivo político fundamental: que as eleições mais uma vez tenham grande influência e despertem grande interesse, raiva, ódio, preocupação, medo e paixão na população.

Nesse sentido, chamar a apoiar um é chamar a apoiar o outro, porque governam juntos independentemente de quem esteja na presidência, alternando o cargo executivo quase dois mandatos presidenciais por partido, é assim que tem funcionado o bipartidarismo neste país.

Ambas as instituições políticas são da classe burguesa, racista, antioperária, repressiva, anti-imigrante e imperialista e, alternando a presidência, os dois partidos são responsáveis ​​por todos os problemas que afetam a população e os trabalhadores a nível nacional e internacional. .

Mas mais do que tentar prever quem vai ganhar as chamadas “eleições”, ou quem decide trair e apoiar o jogo político eleitoral corporativo, é preciso perceber que qualquer que “ganhe” não vai parar o racismo ou a proliferação de grupos de ódio racial, visto que este sistema capitalista burguês se beneficia de várias formas com a existência desse setor social e que a “esquerda” reformista é usada em suas propostas políticas como se essas organizações já estivessem no poder impondo toda sua ideologia, e que, portanto, deveriam votar nos democratas porque a opção de Trump é continuar em um “regime fascista” e de acordo com essa “esquerda” você tem que ir votar “porque há uma ameaça de vida ou morte.”

O que não dizem é que desta forma disfarçam o seu apoio ao partido democrata, como fazem hoje e que, ao apresentar desta forma o suposto “regime fascista no poder”, carrega a plena intenção de instilar o medo como tática para pressionar o povo pobre e os trabalhadores a permanecerem prisioneiros do corrupto sistema eleitoral corporativo e votar.

Mas o problema com esta questão surge por se tratar de uma caracterização política equivocada do regime em que vivemos com Trump na presidência, pois utilizam o apoio dos setores que fundamentam o ódio racial e a discriminação como se já estivessem implantados no poder impondo um regime político dirigido e controlado por eles, ou seja, fascista, e não é assim.

Trump, por mais estúpido que seja para governar, racista e corrupto, tem co-dirigido com os democratas, com um congresso bipartidário, com setores republicanos que não concordam com ele na condução do executivo. Não existe um governo de partido único que tenha declarado ilegal a existência do partido democrata e não há nenhuma proclamação que proíba os grupos de esquerda. Embora haja cada vez mais repressão, não é o exército que lidera por meio de um governo marcial e os protestos são permitidos. Embora com conteúdo apenas de classe burguesa-corporativa, “debates políticos” têm sido vistos nos meios de “informação”, nenhum canal governamental de informação foi oficialmente imposto e todos os outros fechados.

A verdade é que se existe a possibilidade do fascismo e os racistas radicais crescerem e estabelecerem um regime baseado no totalitarismo, nacionalista, militar e racista, mas não é o caso nestas “eleições”, porque esse risco continuará exigindo que a presidência seja ocupada mesmo por um presidente democrata, a amostra é que depois de tantos governos dos dois partidos, as tendências, setores sociais e organizações da supremacia branca e nazista sempre continuaram existindo todos esses anos.

Parece que se busca sob o pretexto da ameaça do “regime fascista”, ignorar o nefasto plano de continuar a condenar ao contágio e à morte com a pandemia COVID-19 ao povo pobre e a classe operária. Além disso, esta análise apresentada mostra a cumplicidade com o império por tentar influenciar que um dos dois partidos seja menos mau que o outro, e a verdade é que até hoje não houve um partido de direita e imperialista que fosse um pouco bom. Mas o que poderemos ver, independentemente de quem “ganhe” a presidência, é a implementação de políticas que só irão beneficiar as empresas e, portanto, irão agravar a repressão, o desemprego e a eliminação de direitos, aproveitando esta nova situação que existe com o coronavírus, mas isso realmente só reflete sua incapacidade de proteger a população e expõe a própria crise do sistema capitalista que aumenta cada vez mais seus ataques contra a população e a classe operária.

Nem Trump nem Biden vão tirar as massas proletárias do estado crítico em que se encontram, porque eles mesmas impuseram essa situação por meio de seus partidos no poder.

Lembremos também que Trump está na presidência por decisão do colégio eleitoral e não pelo voto da população, o que significa que foi uma decisão do altos comandos democrata, republicano e corporativo que o elegeu.

Além disso, o voto é um direito vazio, porque se trata apenas de eleger políticos corporativos e, nesse sentido, sem um conteúdo político real que pode resolver os problemas reais da população e dos trabalhadores. “Escolher” entre políticos corporativos e não permitir a participação de nem um único verdadeiro representante operário, não tem nada de democrático nisso, enganar-se e continuar participando da substituição presidencial entre as mesmas forças políticas de sempre não é escolher, é se resignar ao masoquismo político e permitir que as massas trabalhadoras continuem sendo abusadas em todo o país. Repetimos, o jogo sujo das eleições corporativas é uma manobra para dar legalidade às suas políticas e o sequestro permanente do poder governamental pelos dois partidos, nesse sentido, ir votar e acreditar em eleições totalmente fraudadas nada tem a ver com civilidade. E não é de forma alguma a voz do povo, é simplesmente cair no engano político total de sempre, é a tragédia em que vemos os oprimidos elegendo com muito orgulho o próximo governo carrasco que cortará as cabeças do povo e dos trabalhadores em termos políticos, sociais, econômicos e existenciais, e isso tem que mudar completamente.

Cresce a riqueza das corporações, oprimindo sempre mais a população pobre e operária, para conseguir isso precisam controlar todos os postos no governo

É preciso lembrar que vivemos em uma sociedade dividida em duas classes sociais fundamentais, a classe operária e a classe burguesa-corporativa. Os interesses, prioridades e necessidades de cada uma são completamente diferentes, e pensar que os políticos corporativos vão ajudar os pobres é uma falsa ilusão, então pensar que os democratas, sendo representantes das corporações, estejam com os pobres não é correto, embora os democratas repitam isso ou tenham uma cara boa ou seu discurso seja convincente. O que se deve ver com clareza é que esta classe burguesa-corporativa tem dois partidos políticos permanentemente no controle de todos os cargos de governo e assim conseguiram garantir suas riquezas, privilégios e poder total em todo o país. Estes dois partidos são os democratas e os republicanos e, pelo contrário, o povo pobre e trabalhador, que constituem a grande maioria da população, não têm um único partido político que os represente e que lute para garantir a sua estabilidade em todos os aspectos. E isso só será possível alcançando o controle do Estado, que será pela via revolucionária e não eleitoral, para estabelecer um governo operário e popular, assim como a classe rica deste país fez todos esses anos com seus governos capitalistas, burgueses e corporativos, mas apenas para seu benefício.

Não se trata de uma abordagem meramente teórica ou política intelectual, estamos falando de uma realidade que está nos custando a vida, a saúde e a subsistência não só dos seres humanos, mas de todo o planeta. Se não mudar radicalmente o curso que as corporações tomaram para enriquecer a todo custo, não haverá volta quando o dano for muito mais drástico, por isso é muito importante que levar a sério a organização independente das forças democráticas e os republicanos aqui nos Estados Unidos. Aliás, por se tratar de um problema que ameaça toda a humanidade, está colocada a tomada do poder por meio de revoluções socialistas pela classe trabalhadora e pelos povos pobres de todos os países para resolver essa ameaça de uma vez por todas.

A vida não pode ser liberada pela metade ou com o menos pior, a vida tem que ser liberada em sua totalidade, e isso só será possível por meio de profundas mudanças sociais, ou seja, por meio de uma revolução socialista, e não pelo voto em “eleições” corruptas. Assim como os direitos, eles não existem se forem letra morta e sem aplicação real na vida cotidiana, os direitos têm que ser completos e reais, neste caso o direito de voto é falso porque só permite escolher candidatos da classe social que nos oprime.

Só conseguiremos a libertação de nossas vidas e ter direitos reais organizando nossas próprias forças, mesmo que sejam modestas, e não defendendo a conformidade e a submissão, convocando o voto para os inimigos de classe, os democratas. Toda luta social tem em seus primórdios regularmente forças limitadas e isso não importou na maioria dos casos. E não há caminhos curtos que levem a classe operária e o povo pobre mais rapidamente ao poder, tudo tem sua própria dinâmica e nunca é vantagem receber dinheiro do governo, nem sustentar um setor dele, apenas obstrui o avanço das lutas e a consolidação de uma direção revolucionária firme. Em todo caso, é preciso romper completamente com tudo o que está ligado ao poder burguês-corporativo, neste momento isso implica não se deixar enganar pelas pressões das eleições corporativas deste 3 de novembro.

Uma alternativa política que não é completamente completada

Sabemos que falar de uma alternativa política em oposição às forças corporativas democratas e republicanas ainda é percebido como abstrato, como algo que não existe, que soa bem, mas ainda não existe, que não está exatamente aqui ao vivo agora. E entendemos isso, mas o problema está no fato de que essa alternativa é desejada para ser vista imediatamente como se fosse um candidato ou uma campanha eleitoral corporativa que já é costume ver, e não deve ser vista assim por ser completamente diferente.

Essa alternativa não pode ser vista dentro desses parâmetros, pois tem que ser construída, tem que ser criada aos poucos com as diferentes lutas populares existentes e as novas que vão surgindo. Um processo que não é automático nem fácil, que tem uma dinâmica própria, mas que tem que abrir um caminho próprio, pois só será a única forma de quebrar essa influência política que as corporações exercem sobre a população através dos democratas e republicanos e sua armadilha eleitoral.

Alternativa que de certa forma já está presente aqui, certos componentes possíveis, nos quais se opõem aos crimes policiais, nos quais defendem os imigrantes, aqueles que são pelo respeito à comunidade LGBTQ, pelos direitos e igualdade das mulheres e dos inquilinos, nas greves de trabalhadores da educação, saúde, produção automobilística e outras lutas dos trabalhadores. Bem como nos que já estão fartos dos dois partidos empresariais e veem nas propostas socialistas uma alternativa viável. É uma questão que os dirigentes, as bases ou setores desses movimentos avancem, discutam e decidam enfocar dentro de um processo político organizacional, que consolide a construção dessa nova alternativa política socialista e revolucionária que urge construir. Problemas sociais existem, a repressão é real, as mortes pela pandemia nos ameaçam, o domínio despótico das corporações nos afunda, a pobreza cresce, há mais pobres vivendo nas ruas e eles continuam violando o direito à representação política operária e socialista. Como podemos constatar, os elementos que podem iniciar a construção desta nova alternativa política estão bem presentes e, levando isso em conta, acreditamos fortemente nessa possibilidade e que ela possa ser avançada e concretizada.

Portanto, continuamos levantando a necessidade de construir essa nova força política operária e popular com total independência dos dois partidos políticos das multinacionais no poder. E deve ser nossa ferramenta para impulsionar todas as lutas, para nos organizarmos melhor, para fortalecermos nossa capacidades políticas socialistas e revolucionárias, e assim, juntas, dar os golpes necessários a este podre sistema social de corrupção, racismo e repressão, que neste país se trata de um sistema capitalista que também é imperialista e tem sido liderado por democratas e republicanos, que devemos deixar de apoiar e passar a acreditar na nossa própria força para mudar tudo, nos organizando e promovendo nossas lutas.

DIGA NÃO ÀS ELEIÇÕES CORPORATIVAS – NEM BIDEN, NEM TRUMP!

 ESCOLHA A LUTA DO POVO E DOS TRABALHADORES COMO ALTERNATIVA!

DIANTE DO RACISMO E DA PANDEMIA O DIREITO À VIDA E À IGUALDADE – DEVEM SER O MAIS IMPORTANTE!

TODOS OS DIREITOS PARA TODOS OS IMIGRANTES, JÁ!

4 HORAS DE TRABALHO DIARIAMENTE- PAGAMENTO DE 8 PARA REDUZIR RISCOS E CRIAR EMPREGO PARA OS DESEMPREGADOS!

ACABAR COM OS ORÇAMENTOS DA POLÍCIA E INVESTIR NA EDUCAÇÃO / SAÚDE!

JULGAMENTO E PUNIÇÃO DO GOVERNO – PELA NEGLIGÊNCIA ANTE A COVID-19!

ANTE A PANDÊMICA EXIGIMOS RENDA-SALÁRIO E SAÚDE PÚBLICA E GRATUITA PARA TODOS OS TRABALHADORES!

NEM DEMOCRATAS – NEM REPUBLICANOS – POR SEREM HIPÓCRITAS E TIRANOS!

VAMOS CONSTRUIR A ALTERNATIVA OPERÁRIA-SOCIALISTA QUE DIRIJA O PAÍS!

PELOS NOSSOS DIREITOS E IGUALDADE – TODOS À LUTA!

Corriente Obrera, Los Angeles Califórnia 26/10/2020.

Tradução: Lena Souza