qua ago 10, 2022
quarta-feira, agosto 10, 2022

OTAN| Uma cúpula de bandidos que não salvará o povo ucraniano

Nos dias 29 e 30 de junho será realizada em Madri a cúpula da OTAN, que contará com a presença de 44 líderes de todo o mundo, incluindo Joe Biden.

UMA MÁQUINA DE DESTRUIÇÃO E TERROR VESTIDA DE SALVADORA

Criada pelas grandes potências imperialistas em 1949, a OTAN tem um histórico de agressões militares, ocupações e assassinatos, que não tem nada a invejar ao exército de Putin. Do Iraque ao Afeganistão, do Vietnã à Síria, os povos do mundo podem atestar esse currículo sangrento.

Mesmo quando suas intervenções foram disfarçadas de “humanitárias”, bastaria perguntar aos habitantes de Srebrenica como a OTAN e a ONU os “protegeram”, quando após quase três anos de cerco, em 11 de julho de 1995, o general sérvio Ratko Mladic ordenou a ataque final contra 40.000 civis nessa cidade bósnia, uma área declarada “protegida”.

A OTAN é uma máquina de guerra imperialista, nunca esteve a serviço da paz, nem de garantir nenhum direito dos povos, mas sim de proteger os interesses geoestratégicos de suas respectivas burguesias. Não hesitou, como aconteceu na Bósnia, em intervir para impor um acordo em nome da paz, que dividiu o país e legitimou a partilha e o roubo do seu território.

Quando escrevemos estas linhas, já são 18 migrantes mortos na fronteira de Melilla em virtude do acordo de morte entre o governo espanhol do PSOE-UP e o de Marrocos. É a este objetivo que responde o anúncio de Sánchez e da Ministra da Defesa Margarita Robles, de propor na cúpula um reforço e movimentação da OTAN no seu flanco sul frente a África.

Por isso, o justo repúdio que a grande maioria da classe trabalhadora e da juventude sente diante da invasão genocida de Putin não pode nos levar a ceder a falsas narrativas sobre a suposta natureza defensiva da OTAN, nem colocar qualquer esperança nessa máquina da morte. Pelo contrário, é preciso continuar denunciando seu verdadeiro caráter de aliança militar imperialista.

O GRANDE PRESENTE DE PUTIN PARA A OTAN

A característica mais notável desta cúpula em relação a outras é que ela está sendo realizada em meio à invasão da Ucrânia por Putin, que já tem quatro meses.

A guerra de agressão contra a Ucrânia serviu para dar à OTAN – uma entidade desacreditada e questionada entre a população de vários dos seus países membros – uma credibilidade social que não tinha e para se fortalecer desta forma.

Putin forneceu o pretexto social para a Suécia e a Finlândia, historicamente neutras, terem decidido aderir à OTAN. O medo de um futuro ataque da Rússia derrubou sua tradicional postura não alinhada. Se há meio ano apenas 20% da população finlandesa (cujo país partilha mais de 1.300 quilómetros de fronteira com a Rússia) era a favor da adesão, hoje 3 em cada quatro finlandeses apoiam a adesão à Organização Atlântica.

Mesmo no Estado espanhol, onde a adesão à OTAN foi questionada desde o início por um setor muito importante da população, segundo uma pesquisa recente, o apoio da população à Aliança Atlântica chega a 83%.

Basta as palavras enfáticas do presidente dos Estados Unidos, reproduzidas na mídia de todo o mundo, em referência às dúvidas que surgiram nos últimos anos sobre se a OTAN fazia sentido no mundo do século XXI: “A OTAN é relevante, é eficaz e é mais necessária agora do que nunca”. Sem dúvida, um presente de ouro de Putin e seus amigos para a OTAN.

A FARSA DO APOIO MILITAR À RESISTÊNCIA UCRÂNIA

Um dos objetivos declarados da cúpula, e parte da narrativa do imperialismo, é manter “o extremo compromisso dos líderes [dos países membros da OTAN] de apoiar a Ucrânia e demonstrar sua solidariedade não apenas com palavras, mas com ações”. . (Stoltenberg, Secretário Geral da OTAN).

Para encenar esse apoio, o presidente Zelensky foi convidado para a cúpula, que vai participar por videoconferência.

Os Estados Unidos são, de longe, o país que mais se envolveu na ajuda ao país eslavo, com um desembolso em 10 de maio de 2022 de mais de 42 bilhões de euros, dos quais apenas 24 bilhões seriam ajuda militar. Basta comparar esse valor com o total de gastos militares dos EUA, que em 2021 foi de 801 bilhões de dólares.

O governo espanhol, embora reiterando mil vezes sua “solidariedade e apoio à Ucrânia”, não fez nada além de enviar sucata militar que não é suficiente para duas horas de guerra. O mesmo poderia ser dito da Alemanha ou da Grã-Bretanha. A realidade é que a ajuda militar total à Ucrânia não excede nem 1% do equipamento militar da OTAN.

Eles se recusam a enviar armas pesadas para a Ucrânia, negaram até a entrega de aviões de fabricação russa prontos para serem usados ​​e até bloquearam o envio de tanques apesar de serem materiais obsoletos e inutilizáveis ​​por quase uma década. O apoio militar da OTAN à Ucrânia é, a rigor, uma arma de propaganda para justificar socialmente sua existência, bem como para tentar evitar a rejeição social nos países imperialistas do crescente aumento dos gastos militares e da política de rearmamento.

Basta ver como em 2021 os gastos militares mundiais atingiram 2,1 trilhões de dólares, 2,2% do Produto Interno Bruto mundial. Nesta cúpula, os EUA pedirão mais uma vez a seus aliados que aumentem o orçamento militar para 2% do PIB. A Alemanha já deu uma virada estratégica desde o fim da Segunda Guerra Mundial em sua política de armas, aumentando seus gastos militares para 110 bilhões de dólares, superando a Grã-Bretanha, que no ano passado foi o segundo país da OTAN e o terceiro do mundo. Da mesma forma, Biden anunciou um aumento de 4% no orçamento militar dos EUA para 2023.

A indústria militar torna-se, como tantas vezes durante as crises capitalistas, um mecanismo “anticrise”. Veja como em meio a uma pandemia global, a indústria militar sobreviveu e prosperou em 2020. Lideradas pelos EUA, as vendas de armas vêm crescendo desde 2015, aumentando pelo sexto ano consecutivo, mesmo com a economia mundial contraída durante o primeiro ano da pandemia.

A invasão de Putin, como dissemos antes, deu às potências imperialistas o pretexto social para desencadear uma corrida armamentista geral, enquanto a ajuda militar ao povo ucraniano não irá além da exigida sucata que deve ser jogada fora para dar lugar ao novo e moderno arsenal militar.

NEM TUDO É A UNIDADE ENTRE OS PAÍSES DA OTAN NEM A UCRÂNIA É O QUE É IMPORTANTE PARA ELES

Embora o objetivo declarado desta cúpula seja traçar o roteiro comum para a aliança militar nos próximos anos (“a nova estratégia”), por trás está subjacente o choque de interesses entre os diferentes países imperialistas e as contradições de fundo que essa reunião não vai conseguir resolver.

Antes da invasão, o oleoduto Nordstream 2, que liga a Rússia à Europa Central e Ocidental, era visto como uma grande ameaça pelo setor de energia capitalista dos EUA. A intensa pressão exercida sobre os países europeus, especialmente a Alemanha, para que permaneçam nas redes de abastecimento controladas pelos EUA e, de forma mais geral, isolando a Rússia (e o Irã) dos mercados globais de energia, têm sido motivos importantes para a política dos EUA nos últimos anos.

A guerra expressa a crise econômica global do capitalismo e, como parte dessa crise, a acirrada disputa interimperialista pelo controle dos recursos energéticos. Apesar da aparente unidade da OTAN, a Alemanha, que depende do gás e do petróleo russos, se rearma em aliança com o imperialismo francês e arrastando a União Europeia (UE) atrás deles, para tentar se posicionar de forma independente frente à China e aos EUA e desempenhar seu próprio papel imperialista no conflito entre ambos.

As ações dos países imperialistas e da OTAN deixam bem nítido que o que eles concordam é que não se trata de destruir Putin (que, entre outras coisas, desempenha um papel importante para frear possíveis processos revolucionários na região). Seu objetivo é detê-lo e derrotá-lo em seus planos para controlar a produção, distribuição e comercialização de gás e petróleo.

Nesse contexto, as declarações pomposas de “apoio até o fim” para a Ucrânia e o envio de armas em conta-gotas, poucas e ruins, não é para a Ucrânia vencer a guerra, mas para forçar Zelensky a realizar uma solução negociada.

MANIFESTAÇÕES CONTRA A OTAN OU APOIO DE PUTIN?

Nesta guerra de invasão da Ucrânia e de libertação nacional ucraniana, não se pode ignorar o miserável papel desempenhado por um sector da esquerda que, esta semana, realizará vários atos de repúdio a esta cúpula.

Uma parte deles, os menos, justificam a invasão da Ucrânia dizendo que não havia outra solução para a ameaça de expansão da OTAN ou defende a vergonhosa mentira de Putin sobre a “desnazificação” da Ucrânia. Outro setor condena a invasão da Ucrânia por Putin e, em seguida, não dedica uma única linha de apoio e solidariedade ao povo ucraniano e em suas declarações e escritos e se recusa a exigir que os governos enviem armas para a Ucrânia, argumentando que isso só contribuiria para a remilitarização da Europa e o empoderamento da OTAN.

Essa atitude miserável que nega na prática o direito do povo ucraniano de defender a si mesmo e sua soberania nacional se coloca do lado de Putin. Eles fazem parte do que poderíamos chamar de “amigos inconfessos de Putin”.

NOSSO REPÚDIO A ESSES FARSANTES E NOSSO APOIO AO POVO UCRÂNIO

Nós da LIT-QI continuamos a exigir que todos os países que afirmam defender o direito dos ucranianos à sua soberania, que ENVIEM MAIS ARMAS PARA A UCRÂNIA sem quaisquer condições. Porque não se pode parar a invasão apenas com palavras e porque o povo ucraniano tem o direito de determinar sua política, sua economia, sua cultura e seu modo de vida, que foram violentamente abalados.

Ao mesmo tempo, a partir de nosso compromisso com a heroica resistência ucraniana, acreditamos que o povo ucraniano não deve ter nenhuma confiança política na OTAN, nem em nenhuma das potências imperialistas. Nossa confiança permanece na resistência heroica dos trabalhadores e do povo ucraniano. Somente a ação independente da classe operária levará à vitória a guerra de libertação nacional. Deve tomar em suas próprias mãos as tarefas de defesa e vitória sobre os ocupantes, organizar-se de forma independente e avançar para o estabelecimento de seu próprio governo dos trabalhadores e do povo explorado.

É por tudo isto que, por ocasião desta cúpula, continuamos a denunciar em alto e bom som que a classe trabalhadora e os povos da Europa e de todo o mundo não estão mais seguros e protegidos, mas sim mais ameaçados, por este aliança! O rearmamento militar também significará um maior endividamento dos países que se traduzirá em mais cortes sociais e miséria para a população.

Continuamos a exigir a redução drástica dos gastos militares, o desarmamento nuclear e a destruição de armas de destruição em massa!

Dissolução da OTAN e de todas as alianças e pactos militares e o desmantelamento de suas bases militares no exterior!

Parem as intervenções imperialistas!

Dissolução dos exércitos profissionais e sua substituição por um exército baseado no princípio do povo em armas!

Contra a OTAN e os pactos imperialistas, construir uma internacional revolucionária.

25/06/2022

Seções Europeias da Liga Internacional dos Trabalhadores – Quarta Internacional

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares