Revolta das comunidades rurais, revolta dos jovens senegaleses sem trabalho, oposição popular à candidatura de Abdoulaye Wade.

Isto que ocorre no Senegal, onde dezenas de jovens foram mortos na revolta desta semana, demonstra de modo inequívoco a necessidade da construção de um partido que possa oferecer uma real alternativa, seja ao governo de Abdoulaye Wade, seja à confusa proposta apresentada pelo Movimento M23, que falhou no seu projeto de oposição devido à aliança feita com diversos partidos e organizações burgueses e por causa da ausência de um claro programa de classe, o único que poderia oferecer ao povo senegalês uma real mudança.

Uma mudança que tão pouco a candidatura do cantor Youssou N'Dour pode representar.

É por isto que a LIT (Liga Internacional dos Trabalhadores) convida a classe operária e o povo senegalês a boicotar as eleições previstas para o dia 26 de fevereiro e apela à vanguarda em luta para que se empenhe imediatamente em construir no Senegal um partido revolucionário que baseie a sua ação política, não apenas na oposição a este ou aquele candidato, mas num programa de classe, contra toda colaboração com a burguesia (recusando, portanto as alianças feitas pelo M23), para construir um governo dos trabalhadores para os trabalhadores.

A LIT está à disposição da classe trabalhadora e das massas populares senegalesas para a construção, também no Senegal, do partido e do programa de classe que possa oferecer um fim para o inútil sofrimento da população e uma resposta completa às justas expectativas de mudanças dos jovens e da classe trabalhadora senegalesa.

Tradução: Rodrigo Ricupero