Boletim Eletrônico



O machismo mata. Lutemos contra o machismo. Imprimir E-mail
Escrito por PT - Paraguai   
Qui, 28 de Julho de 2011 12:55
O assassinato de Sonia Vera por seu marido Adolfo Trotte, com o qual era casada há 22 anos, e grande parte das reações diante deste fato expõem da maneira mais cruel o machismo existente em nossa sociedade.
 
Sem dúvida, este não é um fato isolado. Muito pelo contrário. Corresponde ao “típico caso” de violência contra a mulher que termina em morte. O mesmo machismo foi responsável por outros três “feminicídios” na semana passada: Gloria Carrera (Salto del Guairá), Sara Rotela (Pedro Juan Caballero), Edilaine Flecha (Ciudad del Este).
 
Uma Pandemia, segundo a ONU
 
Em 2010 foram registrados em nosso país um total de 2.030 denúncias de violência contra a mulher. Desse total, 410 denúncias foram por violência física, 861 por violência psicológica, 642 por questões econômicas e 177 por violência sexual. Isto equivale a 5 agressões por dia.
 
Entretanto, devemos ter claro que estas denúncias não expressam nem esgotam a realidade da violência contra a mulher, já que a maioria das mulheres vítimas de situações de violência acaba não denunciando por diversos motivos.
 
Segundo a ONU, a violência contra a mulher tomou ares de pandemia. Os dados de outubro de 2010 revelam que 59% das mulheres “sofrem diferentes tipos de violência: física, sexual, psicológica e econômica, dentro e fora de suas casas”.
 
Na maioria dos casos, apesar de familiares e inclusive a polícia terem conhecimento e de que os atos de violência tenham sido denunciados, não se consegue evitar os trágicos desenlaces, tornando palpáveis, desta maneira, a cumplicidade das instituições, a mediocridade dos mecanismos existentes e os limites de nossa sociedade para combater o machismo e proteger a vida das mulheres.
 
Não justifico, porém…
 
Em geral, nos casos de violência contra a mulher, ela passa a ser culpada pela violência que sofreu. “Alguma coisa ele deve ter feito”; “que tipo de mulher era”; “não fazia bem seus deveres”; “não lhe faltava nada, vivia de luxo”; ou tinha tal ou qual comportamento reprovável para a sociedade. Estas expressões e reações expõem que vivemos em uma sociedade que aceita e justifica a violência machista, e a consequência é que a maioria dos casos não avança ou termina inconcluso.
 
A vítima acaba sendo vítima não só do agressor, mas das instituições e de toda a sociedade. A justificativa é o caminho para a impunidade e só leva a mais machismo.
 
Em geral, em nosso país reina a impunidade, mas esta é mais traiçoeira e descarada nos casos que dizem respeito à mulher, e infinitamente pior quando a mulher é pobre.
A violência contra a mulher ocorre em todas as classes sociais, mas as possibilidades das mulheres da classe trabalhadora de se libertarem das agressões são mais difíceis devido à falta de emprego, de creches, de casas-abrigo e atenção psicológica, e de múltiplas formas de vulnerabilidade de oportunidades e direitos.
 
Nosso país precisa de mecanismos legais e instituições mais adequadas para responder a este flagelo.
 
O Estado deve garantir as condições necessárias para a libertação das mulheres de todo tipo de situação que a oprima.
 
Basta de violência contra a mulher!
Acabemos com o machismo!
Chega de impunidade!
 
Comitê Executivo do Partido dos Trabalhadores
Asunción, 14 de julho de 2011 

rssfeed
Email Drucken Favoriten Twitter Facebook Myspace Stumbleupon Digg MR. Wong Technorati aol blogger google reddit YahooWebSzenario